"Dão-Lalalão": Regional e pós-moderno

Seleste Michels da Rosa

Resumo


Analisaremos o conto "Dão-Lalalão" (ROSA, 1995), de Guimarães Rosa, composição calcada em fabulações contínuas, típicas da fala do sertão mineiro. Essa estrutura mostra originalidade, revelando sua marca própria: a oralidade; mas esse contar, que parece espontâneo, revela tendências regionalistas e pós-modernas. O ambiente é regional e as personagens intrinsecamente ligadas a ele. Contudo, o nó - o conflito do protagonista - e o narrador - polifônico - são próprios do pós - modernismo. A aparência de perfeição dessas personagens - visto que são ajustadas ao seu mundo de valores – se desconstrói, enquanto o texto se aprofunda na psicologia dos personagens; mostrando seus medos e suas desconfianças, enfim sua humanidade.

 


Palavras-chave


Regionalismo; Pós-modernismo; Oralidade; Inovações linguísticas; Narrador.

Texto completo:

PDF

Referências


COUTINHO, Afrânio. O regionalismo na ficção. In: ______. A Literatura no Brasil, v. 2. Rio de Janeiro: Sul América, 1966.

DAMATTA, Roberto. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1985.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo. Rio de Janeiro. Imago, 1988.

MIGUEL-PEREIRA, Lúcia. Prosa de ficção: de 1870 à 1920. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: INL, 1973.

REIS, Carlos. O conhecimento da literatura: introdução aos estudos literários. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.

ROSA, João Guimarães. “Dão- dalalalão”. In: ______. Noites do Sertão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br