A desconstrução do romance em Confissões de Ralfo (uma biografia imaginária), de Sérgio Sant’Anna

Alice Atsuko Matsuda Pauli

Resumo


Sérgio Sant’Anna, em Confissões de Ralfo, tenta desconstruir o gênero romance tradicional, “brincando” com a sua estrutura: tempo, espaço, ação, verossimilhança. Nas epígrafes, o autor contesta o valor do texto narrativo. Uma delas, assinada por Ralfo, revela que por trás de sua intenção, na verdade quer questionar o que é um romance, enfim, a própria literatura, a sua função e a função do escritor. Desta forma, o presente artigo objetiva verificar como o autor vai desconstruindo o texto, abalando as características do romance tradicional por meio do emprego de novos recursos literários, considerados por Anatol Rosenfeld como características do novo romance moderno.

 


Palavras-chave


Desconstrução; Confissões de Ralfo; Sérgio Sant’Anna; Romance moderno.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Trad. Yara Fráteschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 1993.

_____. Problemas da poética de Dostoiéviski. 3.ed. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

CANDIDO, Antonio. A literatura e a formação do homem. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 24, p. 803-809, 1972.

HUTCHEON, Linda. Teorizando o Pós-moderno: rumo a uma poética. In: _____. Poética do pósmodernismo. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

JAMESON, Fredric. A lógica cultural do capitalismo tardio. In: _____. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. 2.ed. São Paulo: Ática, 1997.

NASCIMENTO, Marinêz Andrade do. Paródia e transgressão: uma discussão do sujeito nas Confissões de Ralfo. 2003, 99p. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

PERDIGÃO, Noemi H. B. de. Confissões de Ralfo: o avesso das memórias. Disponível em: . Acesso em 26 ago. 2006.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas literaturas. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

ROSENFELD, Anatol. Reflexões sobre o romance moderno. In: _____. Texto/Contexto. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 1976. p.75-97.

ROSENTHAL, Erwin Theodor. A moderna concepção do mundo. In: _____. O universo fragmentário. São Paulo: Companhia da Ed. Nacional, 1975.

SANT’ANNA, Sérgio. Confissões de Ralfo: uma autobiografia imaginária. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

SARDUY, Severo. O Barroco e o Neobarroco. In: MORENO, César Fernández. (Org.). América Latina em sua literatura. São Paulo: Perspectiva, 1979.

SUSSEKIND, Flora. II. Retratos & Egos. In: _____. Literatura e vida literária. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

______. Ficção 80: dobradiças e vitrines. In: _____. Papéis colados. Rio de Janeiro: UFRJ, 1993.

VILLAÇA, Nizia. Apelos e apelações do contemporâneo. In: _____. Paradoxos do pós-moderno: sujeito & ficção. Rio de Janeiro: UFRJ, 1996. p.13-57.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Estação Literária
Londrina/ PR
ISSN: 1983-1048
E-mail: estacaoliteraria@uel.br