Chamada para publicação: Literatura e outras mídias

Em Mídias ópticas – Curso em Berlim, 1999, publicado em 2016 no Brasil, Friedrich Kittler (1943-2011), na contramão dos gestos interpretativos da história da literatura, diz que “a ligação de artes tradicionais antigas, como a literatura, a pintura e o teatro, com as mídias técnicas não se resume a uma mera adição”; antes, “uma análise que procura identificar no campo histórico as interseções e fronteiras entre a cultura da escrita e da técnica das imagens é um preparo imprescindível para a pergunta insistente sobre o possível status da escrita e da cultura nos dias de hoje” (KITTLER, 2016, p. 24-26). Ora, para quem a história complexa das mídias esteve, desde sempre, implicada na literatura, Kittler deixa-nos o grande ensinamento de que é preciso urgentemente re(pensar) a mídia literatura a partir de seus portadores e de suas materialidades. Em época de assombrosas conjeturas a respeito da falência do livro enquanto fisicalidade hegemônica da literatura, a experiência do literário vê-se pautada, sobretudo, na medialidade como produção e recepção de sentido. Os novos regimes de visualidade, apreensão e circulação da palavra (escrita, som e imagens) têm provocado, especialmente sob o influxo das tecnologias digitais, mudanças expressivas nos modos de nos relacionarmos com o corpo literário. Kittler (1999), ao tratar da máquina de escrever como um dispositivo moderno da escrita – fosse em Nietzsche ou Kafka, analisa o afastamento do objeto exterior ao corpo e o autor. A poesia de Mallarmé, no final do século XIX, tensionaria o caráter material da escrita, por exemplo, a partir de seu modelo representativo e simbólico da letra e do papel. Para Kittler, a chegada de meios técnicos – como a máquina de escrever, o cinema, o gramafone – no século XX, seguidos das tecnologias da computação, inaugura um momento de radicalidade dos sistemas de notação da escrita. Para além das relações miméticas, a literatura sob a proposição de ser, ela própria, um medium, levanta questões importantes acerca das relações entre as artes e as mídias diversas. O paradigma das Interartes abre-se, nesse sentido, para os Media Studies e Media Arts. Nesse volume da Estação Literária, serão acolhidos trabalhos que discutam, sob a perspectiva do conceito-mídia, pesquisas direcionadas às relações entre literatura e outras mídias.

KITTLER, Friedrich A. Gramophone, Film, Typewriter. Stanford/California: Stanford University Press, 1999.

______. Mídias ópticas: curso em Berlim, 1999. Rio de Janeiro: Contraponto, 2016.

 

Barbara C. Marques

PPGL – Universidade Estadual de Londrina