A língua estrangeira de hoje, de ontem e de amanhã ensinada na educação básica

Andréia da Cunha Malheiros Santana, Edson do Carmo Inforsato

Resumo


Este estudo tem como objetivo trazer uma visão histórica para o ensino da língua estrangeira, mostrar que a opção por uma língua ou outra não apresenta motivos pedagógicos e sim políticos. Trata-se da reflexão sobre a implantação do ensino de língua estrangeira no Brasil, mais especificamente no estado de São Paulo, quando começou, suas razões, suas escolhas e  abrangência, ressalta também a importância das diversas tendências metodológicas apresentadas durante os anos, qual a repercussão que elas tiveram, suas características e a influência que ainda exercem no ensino de língua estrangeira atualmente. O referencial teórico retoma a legislação federal e estadual sobre o ensino da língua estrangeira e  alguns estudiosos que pensaram sobre a linguagem como Saussure (2006), Chomsky (1975), Vygotsky (1989) e Bakhtin (1988). A partir desta realidade pretende-se reforçar a importância do estudo desta disciplina para formar um cidadão crítico, consciente e respeitador à cultura alheia, perceber que mais do que a gramática de uma língua é  importante entender  as visões de mundo que a determinam e repensar a língua como um importante aspecto da cultura de um povo e algo fundamental para a sua identidade.


Palavras-chave


Ensino; Língua Estrangeira; Razões Históricas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1519-5392.2012v12n1p



Revista Entretextos

Pós-Graduação em Estudos da Linguagem

Universidade Estadual de Londrina

Londrina - PR

ISSN: 1519-5392

 

Email:

entretextos@uel.br


 

 Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional