As formas de denominação e pronomes pessoais empregados em textos jurídicos

Silvia Mara de Melo

Resumo


Este trabalho tem como objetivo apresentar o resultado de uma pesquisa realizada no campo discursivo jurídico, em que textos forenses foram empregados como corpus, mais precisamente o vocabulário com efeito de erudição encontrado em petições, audiências, sentenças elaboradas por juristas. Com base no referencial teórico da Análise do Discurso Francesa e da Lexicologia, pode-se compreender o vocabulário jurídico a partir dos sujeitos constituídos ideologicamente em condições de produção específicas. Fizeram parte das análises as expressões que compõem as formas de denominação e os pronomes de tratamento em peças processuais.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1519-5392.2011v11n2p



Revista Entretextos

Pós-Graduação em Estudos da Linguagem

Universidade Estadual de Londrina

Londrina - PR

ISSN: 1519-5392

 

Email:

entretextos@uel.br


 

 Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional