Inglês como língua franca: um olhar sobre programas disciplinares de um curso de formação inicial de professores de inglês

Michele Salles El Kadri

Resumo


A expansão da língua inglesa no mundo a tem posicionado como língua franca global. Este estatuto traz questionamentos e mudanças para o ensino de inglês, que tem sido tradicionalmente encarado como língua estrangeira e com ênfase no modelo do falante nativo. Pesquisas que tratam a respeito do estatuto do inglês como língua franca tem ressaltado que as implicações deste estatuto para o ensino e a descentralização do modelo do falante nativo, e, portanto, para a ampliação da base de conhecimento do professor bilíngue. Desse modo, esta pesquisa tem por objetivo verificar se um curso conceituado de formação de professores de língua inglesa no Brasil tem acompanhado e/ou incorporado estas discussões no seu currículo. Analisam-se, portanto, os programas das disciplinas obrigatórias e optativas do referido curso por meio da análise documental com base nos pressupostos da análise de conteúdo de Bardin (1977). Os resultados apontam que tentativas isoladas têm procurado privilegiar a questão, mas que parece não existir um posicionamento geral do curso em relação a esta perspectiva.


Palavras-chave


Inglês-Língua franca. Formação de Professores. Currículo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1519-5392.2010v10n2p



Revista Entretextos

Pós-Graduação em Estudos da Linguagem

Universidade Estadual de Londrina

Londrina - PR

ISSN: 1519-5392

 

Email:

entretextos@uel.br


 

 Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional