“Ter ou não ter? eis a questão!” Crenças de alunos de secretariado executivo sobre o sotaque do falante nativo

Fernando Silvério de Lima

Resumo


O presente trabalho analisa as crenças de vinte e um alunos de secretariado executivo sobre o sotaque do falante nativo em uma disciplina de língua inglesa de uma universidade federal localizada em Minas Gerais. As crenças foram levantas a partir de questionários e o mapeamento delas se deu a partir da análise de conteúdo, uma vez que foram categorizadas tematicamente, revelando traços marcantes sobre como os universitários concebem o papel da pronúncia e o sotaque do falante nativo de inglês em sua aprendizagem da nova língua. Os resultados mostram que a pronúncia é vista como um aspecto muito importante para a maioria deles, no entanto, quando comparada com as demais atividades fica em segundo plano, pois para os alunos a oralidade e a compreensão auditiva são os aspectos que eles esperam desenvolver naquela disciplina. O sotaque do falante nativo é considerado como parâmetro da pronúncia correta, o que justifica a maioria do grupo idealizá-lo como objetivo. Os alunos justificam essa crença afirmando que isto será bastante útil para obtenção de empregos e sucesso profissional. O estudo aponta para a necessidade de que alunos e professores reflitam sobre as consequências de suas crenças e que a disciplina de língua inglesa pode ser espaço para essas discussões.

Palavras-chave


Crenças. Sotaques. Falante Nativo. Falante Estrangeiro. Universitários.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1519-5392.2017v17n1p95

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista Entretextos

Pós-Graduação em Estudos da Linguagem

Universidade Estadual de Londrina

Londrina - PR

ISSN: 1519-5392

 

Email:

entretextos@uel.br


 

 Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional