Aprendizagem baseada em tarefas e o desenvolvimento da língua inglesa como segunda língua: Análises a partir da Perspectiva Ecológica

Juarez Aloizo Lopes, Vilson Leffa, Gisele Medina Nunes, Vinícius Oliveira de Oliveira

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar a Aprendizagem Baseada em Tarefas, mais especificamente o ciclo da tarefa, sob a perspectiva da linguística ecológica. Além disso, pretende analisar as affordances (propiciamentos) que influenciaram os caminhos tomados pelos aprendizes no desenvolvimento da língua alvo, neste caso o inglês como segunda língua (doravante L2). Para alcançar tais objetivos, feita uma curta introdução, o presente artigo aborda a aprendizagem baseada em tarefas e, logo após, os principais pontos da perspectiva ecológica para o desenvolvimento de uma L2, concentrando-se em dois temas fundamentais de tal perspectiva: affordances e emergência. Então, a metodologia do estudo é apresentada e depois os dados são descritos com o propósito de identificar características de um sistema complexo ecológico no ciclo da tarefa. A pesquisa constatou a presença das principais classes de interação ecológica: mutualismo, comensalismo, competição e parasitismo. A classe encontrada com mais frequência foi o mutualismo, quando os alunos se beneficiaram igualmente da interação.

Palavras-chave


Aprendizagem Baseada em Tarefas; Linguística Ecológica; Ciclo da Tarefa; Complexidade

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1519-5392.2017v17n2p175

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista Entretextos

Pós-Graduação em Estudos da Linguagem

Universidade Estadual de Londrina

Londrina - PR

ISSN: 1519-5392

 

Email:

entretextos@uel.br


 

 Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional