A abordagem da variação linguística no programa Inglês sem Fronteiras: da teoria à prática

Matheus de Almeida Barbosa

Resumo


O inglês apresenta variações de ordem geográfica, situacional e social. No contexto de ensino de inglês como língua estrangeira, este artigo objetiva investigar o ensino da variação linguística em aulas do Programa Inglês Sem Fronteiras (IsF), na Universidade Federal da Paraíba (UFPB).  Trata-se de um estudo de caráter exploratório, com uso de entrevista semi-estruturada (MANZINI, 2003), a fim de coletar os dados para responder a questão que norteia esta pesquisa: as variações linguísticas são efetivamente tratadas no ensino do inglês como língua estrangeira? Partimos de uma busca por uma visão de língua que comporte os estudos sobre a variação linguística, bem como de uma abordagem de ensino de línguas que inclua o estudo sobre variações nos seus pressupostos. Deste modo, tomando por base os estudos da Sociolinguística e a Abordagem Comunicativa, a partir das pesquisas realizadas por  Labov (2008) e Hymes (1972), enfatizamos a importância do ensino da variação nas aulas de inglês. Os resultados apontam que as professoras do IsF conhecem a variação linguística e consideram importante ensinar diferentes variantes em aula. Além disso, buscam mostrar aos alunos que existem diferenças na forma como a língua é utilizada e estas diferenças são importantes para um uso contextual da língua.


Palavras-chave


Variação Linguística; Inglês como Língua Estrangeira; Inglês sem Fronteiras.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1519-5392.2017v17n2p123

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista Entretextos

Pós-Graduação em Estudos da Linguagem

Universidade Estadual de Londrina

Londrina - PR

ISSN: 1519-5392

 

Email:

entretextos@uel.br


 

 Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional