Uma reflexão sobre a constituição da prática sócio-discursiva na atribuição de nomes aos motéis

João Carlos Cattelan, Luciane Thomé Schröder

Resumo


Este trabalho objetiva mostrar que os nomes atribuídos a motéis, mais do que identificá-los, revela uma visão cultural de práticas sociais que envolvem os sujeitos historicamente situados. Para isso, ter-se-á como corpus de dados alguns nomes de motéis restritos a uma cidade, valendo-se deles para a realização de um estudo a partir da análise de discurso francesa, mais especificamente, dos conceitos de interdiscurso, memória e efeito de sentido. Também, far-se-á acompanhar as reflexões os estudos de Berger (1986), para quem “as estruturas da sociedade tornam-se as estruturas de nossa própria consciência”, assim como a noção de cultura, pois, “Se o homem é, como é de fato, um animal simbólico, segue daí que [ele] vive em um contexto relativo de valores, crenças, concepções e, enfim, de simbolizações que constituem a sua cultura”. (SARTORI, 2001, p. 26), e que, por fim, o constitui.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1519-5392.2007v7n1p



Revista Entretextos

Pós-Graduação em Estudos da Linguagem

Universidade Estadual de Londrina

Londrina - PR

ISSN: 1519-5392

 

Email:

entretextos@uel.br


 

 Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional