Análise dos gêneros discursivos e da enunciação aforizante no discurso de autoajuda para adolescentes

Marília Molina Furlan

Resumo


O objetivo deste artigo é caracterizar as ocorrências de gêneros discursivos e de enunciados aforizados no discurso de autoajuda para adolescente e seus efeitos de sentido na caracterização da cenografia e do ethos discursivo na obra selecionada para análise (IACOCCA; IACOCCA, 2008). O aparato teórico-metodológico inclui as reflexões de Maingueneau (2008a, 2008b, 2008c, 2010) sobre ethos, cenas de enunciação e enunciação aforizante e as de Brunelli (2011) sobre a enunciação aforizante no discurso de autoajuda. Considerou-se que a enunciação aforizante no discurso de autoajuda para adolescentes contribuiu para a atenuação do tom autoritário de enunciados de valor deôntico e para um tom mais informativo ao discurso. Tal constatação reforça a caracterização da cenografia instaurada pelo discurso, a de um almanaque juvenil, construída pelos diversos gêneros discursivos presentes na obra, em que o enunciador, embora apresente um status diferenciado de saber, não impõe ordens e orientações, mas apresenta fatos, informando seus enunciatários sem guiar-lhes diretamente em suas condutas, tal como ocorre nas revistas juvenis.

Palavras-chave


Aforização; autoajuda; adolescentes; cenografia; ethos

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1519-5392.2016v16n1p43



Revista Entretextos

Pós-Graduação em Estudos da Linguagem

Universidade Estadual de Londrina

Londrina - PR

ISSN: 1519-5392

 

Email:

entretextos@uel.br


 

 Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional