A multifuncionalidade de de repente: persistência e gramaticalização

Sirley Ribeiro Siqueira

Resumo


RESUMO: Neste artigo expomos a trajetória de gramaticalização da expressão de repente no português brasileiro, do século XVI ao século XX, consoante a perspectiva funcionalista, conforme propõem Diewald, 2002; Brinton e Traugott, 2006; Bybee, 2010; Traugott, 2011, dentre outros. Pretendemos mostrar que: (i) em todas as sincronias estudadas, de repente mantém sua função de circunstanciador de modo; (ii) o emprego de de repente como modalizador epistêmico, detectado em dados referentes ao século XX, indica um processo de gramaticalização, impulsionado pela subjetivação;(iii) há evidências de que a mudança segue em direção à intersubjetivação, no que diz respeito ao seu uso mais recente como marcador discursivo. A análise baseia-se em dados coletados de língua em uso, modalidades escrita e oral. Recolhemos dados escritos do site Corpus do Português (http://www.corpusdoportugues.org) e amostras de língua oral do acervo do PEUL (Programa de Estudos sobre o Uso da Língua), denominado Amostra Censo (http://www.letras.ufrj.peul/amostras).


Palavras-chave


mudança; gramaticalização; subjetividade

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1519-5392.2015v15n1p



Revista Entretextos

Pós-Graduação em Estudos da Linguagem

Universidade Estadual de Londrina

Londrina - PR

ISSN: 1519-5392

 

Email:

entretextos@uel.br


 

 Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional