Metáfora e gramática: a categorização de um fenômeno multifacetado

Marina Chiara Legroski

Resumo


Este trabalho pretende fazer uma revisão do tratamento dado à metáfora nas gramáticas tradicionais, de cunho normativista, e nas gramáticas contemporâneas, que se pretendem descritivistas. Esta revisão se baseia no pressuposto linguístico de que a metáfora não é um uso especial da linguagem, mas um mecanismo linguístico disponível e utilizado pelos falantes o tempo todo. Desta forma, investigamos o surgimento da metáfora dentro dos estudos gramaticais e a parca modificação da abordagem deste fenômeno ao longo dos tempos. Como dissemos, entendemos que a metáfora não faz parte de uma classe gramatical específica – e nem faria sentido pensar desta forma – e, assim, este trabalho olha para as categorizações disponíveis a fim de propor uma nova maneira de tratá-la, mais condizente com o rumo seguido pela linguística moderna.

Palavras-chave


Metáfora; Gramática; Classes gramaticais.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1519-5392.2015v15n2p73



Revista Entretextos

Pós-Graduação em Estudos da Linguagem

Universidade Estadual de Londrina

Londrina - PR

ISSN: 1519-5392

 

Email:

entretextos@uel.br


 

 Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional