A contradição discursiva no processo de universalização do sujeito de direitos humanos

Diego Barbosa da Silva

Resumo


Neste exercício de análise buscamos compreender a constituição do sujeito universal e seu funcionamento discursivo, através de dois documentos de direitos humanos: a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789) e a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948). Por meio das noções de formação discursiva, de esquecimento e de pré-construído (PÊCHEUX, 2009 [1975]), observamos que na ilusão de uma inclusão total, há uma grave contradição discursiva em que o sujeito universal de direitos humanos não se apresenta tão universal como aparentemente essas declarações afirmam.


Palavras-chave


Análise do Discurso; Direitos humanos; Sujeito universal; Universalismo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1519-5392.2013v13n2p



Revista Entretextos

Pós-Graduação em Estudos da Linguagem

Universidade Estadual de Londrina

Londrina - PR

ISSN: 1519-5392

 

Email:

entretextos@uel.br


 

 Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional