Autobiografia, lirismo e enunciação em três poemas de Ferreira Gullar

Ricardo Magalhães Bulhões, Geraldo Vicente Martins

Resumo


As reflexões propostas tomam, como ponto de partida, a ideia explicitada por Ferreira Gullar, no livro de entrevistas Auto-Retratos, de que seu trabalho poético tem momentos de extrema liberdade interior aliada ao domínio da técnica. Nesse sentido, a inspiração (emoção) seria um elemento imprescindível, mas não suficiente. Pretendemos mostrar como o poeta maranhense consegue conciliar a liberdade interior e a capacidade técnica, o domínio da expressão. Buscaremos, num primeiro momento, resgatar alguns relatos do próprio autor sobre a interferência das chamadas coisas externas, como o cotidiano, a família, doenças de filho, os chamados elementos autobiográficos que, organizados em material linguístico, ajudam a conferir lirismo a seu fazer poético, para, a seguir, articulá-los com a presença de determinados procedimentos enunciativos em seus poemas, em consonância com a concepção de enunciação da semiótica discursiva.

Palavras-chave


Ferreira Gullar. poesia lírica. autobiografia. procedimentos enunciativos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1519-5392.2012v12n2p



Revista Entretextos

Pós-Graduação em Estudos da Linguagem

Universidade Estadual de Londrina

Londrina - PR

ISSN: 1519-5392

 

Email:

entretextos@uel.br


 

 Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional