Guarda compartilhada no brasil e no Uruguai: tensões na instituição da igualdade parental

Carolina de Campos Borges, Anna Paula Uziel, Edna Lúcia Tinoco Ponciano

Resumo


Este trabalho consiste em um estudo teórico-documental realizado como parte de uma pesquisa mais ampla, ainda em andamento, que investiga as relações parentais na guarda compartilhada no Brasil e no Uruguai. Buscou-se compreender como, histórica e juridicamente, a guarda compartilhada foi instituída nesses países e discutir a relação entre sua instituição e igualdade parental, tendo em conta os processos sociais envolvidos na determinação da igualdade entre homens e mulheres. Os resultados apontaram que, no Uruguai, a instituição da guarda compartilhada derivou de direitos adquiridos pelas mulheres enquanto, no Brasil, foi consequência da mobilização de pais, reivindicando seus direitos frente às mães de seus filhos. Em consequência das diferentes posições ocupadas por homens e mulheres na sociedade, a guarda compartilhada é apreendida por eles como lutas distintas. Concluiu-se que, nos dois países, sua instituição representa avanços em prol da convivência familiar, mas não é suficiente para promover a igualdade parental.


Palavras-chave


Guarda compartilhada; Parentalidade; Gênero; Brasil; Uruguai

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, T. (2016). Mulheres no mercado de trabalho: onde nasce a desigualdade? Publicações da consultoria legislativa. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/estudos-e-notas-tecnicas/publicacoes-da-consultoria-legislativa/areas-da-conle/tema7/2016_12416_mulheres-no-mercado-de-trabalho_tania-andrade

Ariès, P. (2006). História social da criança e da família (2ª ed.). Rio de Janeiro: LTC.

Badinter, E. (1998). Um amor conquistado: o mito do amor materno (9ª ed.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Beauvoir, S. (1980). O segundo sexo, 2: a experiência vivida (4ª ed.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Borges, C. C. (2013). Mudanças nas trajetórias de vida e identidades de mulheres na contemporaneidade. Psicologia em Estudo, 18(1), 71-81. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722013000100008.

Bruschini, M.C.A. (2007) Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 537-572, set./dez. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742007000300003.

Canal 180. (2018, octubre 1º). Tenencia compartida: no es dividir el tiempo sino tener el mayor contacto posible. Recuperado de https://www.180.com.uy/articulo/76305_tenencia-compartida-no-es-dividir-el-tiempo-sino-tener-el-mayor-contacto-posible

Cardoso, V. M. (2006). O Abuso do Direito na Perspectiva Civil-Constitucional. In M. C. B., Moraes (Coord.). Princípios do Direito Civil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar. Recuperado de https://bdjur.stj.jus.br/jspui/bitstream/2011/9122/Princ%C3%ADpios_do_Direito_%20Civil%20Contempor%C3%A2neo.pdf

Castro, M.G. (2009). Família, população, sexo e poder. São Paulo: Paulinas.

Código Civil de la República Oriental de Uruguay de 1946. Recuperado de http://www.wipo.int/edocs/lexdocs/laws/es/uy/uy029es.pdf

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

Constitución de la República Oriental del Uruguay de 1967. Recuperado de http://pdba.georgetown.edu/Parties/Uruguay/Leyes/constitucion.pdf

Côté, D. (2016). Guarda compartilhada e simetria nos papéis de gênero: novos desafios para a igualdade de gênero. Revista Observatório, 2(3), 182-198. https://doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2016v2n3p182

Daltro Filho, H. F. (2014). Guarda Compartilhada: realidade contemporânea para proteção dos interesses dos filhos. Revista Jurídica Unic/Emam, 1(2), jan/jun. Recuperado de http://revistaemam.kinghost.net/revista/index.php/unicemam/article/view/147

Decreto-Lei n. 9.701, de 3 de setembro de 1946. Dispõe sobre a guarda dos filhos menores, no desquite judicial. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/Del9701.htm

De Singly, F. (2005). Le soi, le couple et la famille. Paris, França: Armand Colin.

De Singly, F. (2007). L´individualisme est un humanisme. Paris, França: Éditions de l´Aube.

Dumont, L. (1983). Essais sur l´individualisme: une perspective anthropologique sur l´idéologie moderne. Paris, França: Éditions du Seuil.

El País. (2017, agosto 28). Propuesta para velar por mayor equidad en la tenencia de niños. Recuperado de https://www.elpais.com.uy/informacion/propuesta-velar-mayor-equidad-tenencia-ninos.html

Franco, D. A., Magalhães, A. S., & Féres-Carneiro, T. (2018). Luta pela guarda compartilhada: narrativa dos pais. Interação em Psicologia, 22(2), 155-165. http://dx.doi.org/10.5380/psi.v22i2.55760

Freitas, W. M. F., & Silva, A. T. M. C. (2009). Paternidade: responsabilidade social do homem no papel de provedor. Revista de Saúde Pública, 43(1), 85-90. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rsp/v43n1/6868.pdf

Grisard Filho, W. (2014). Guarda compartilhada: um novo modelo de responsabilidade parental (7ª ed). São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.

Hirata, H., & Kergoat, D. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 595-609, set-dez. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742007000300005.

Hirata, H. (2015). Mudanças e permanências nas desigualdades de gênero: divisão sexual do trabalho numa perspectiva comparada.

Friedrich Ebert Stiftung Brasil, 7. Recuperado de https://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/12133.pdf

Howard, W. (1999). Patria Potestad: representación y administración legales. Revista Asociación de Escribanos del Uruguay, 85(7-12), 279-297. Recuperado de http://documentos.aeu.org.uy/080/085-7-279-297.pdf

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2018). Mulheres dedicam muito mais tempo ao trabalho doméstico, mas a diferença cai. Recuperado de http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=34450&Itemid=9

Lash, C. (1991). Refúgio num mundo sem coração. A família: santuário ou instituição sitiada? Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Lei 3.071, de 1º de janeiro de 1916. Código Civil dos Estados Unidos do Brasil. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L3071.htm

Lei 10.783, de 18 de setembro de 1946. Ley de Derecho Civil de las Mujeres. Capacidad civil de la Mujer. Se equiparan sus derechos a los del hombre dandoselas disposiciones atingentes. Recuperado de https://legislativo.parlamento.gub.uy/temporales/leytemp3969200.htm

Lei 6.515, de 26 de dezembro de 1977. Regula os casos de dissolução da sociedade conjugal e do casamento, seus efeitos e respectivos processos, e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6515.htm

Lei 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispões sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069Compilado.htm

Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm

Lei 17.823, de 14 de setembro de 2004. Código de la Niñez y Adolescencia. Recuperado de https://www.oas.org/dil/esp/Codigo_Ninez_Adolescencia_Uruguay.pdf

Lei 11.698, de 13 de junho de 2008. Altera os artigos 1.583 e 1.584 da Lei n.10.406, de 10 de janeiro de 2002 – Código Civil, para instituir e disciplinar a guarda compartilhada. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11698.htm

Lei 12.318, de 26 de agosto de 2010. Dispõe sobre a alienação parental e altera o art. 236 da Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12318.htm

Lei n.13.058, de 22 de dezembro de 2014. Altera os arts. 1.583, 1.584, 1.585 e 1.634 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), para estabelecer o significado da expressão “guarda compartilhada” e dispor sobre sua aplicação. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13058.htm

Leite, E. O. (2003). Famílias monoparentais: a situação jurídica de pais e mães solteiros, de pais e mães separados e dos filhos na ruptura da vida conjugal (2ª ed). São Paulo: Editora Revista dos Tribunais LTDA.

Leite, A. F. D. (2013, junho). Da construção do espaço familiar aos vínculos de afetividade entre os homens/pais e filhos e o compartilhamento da guarda. III Simpósio mineiro de assistentes sociais. Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG, Brasil, 3. Recuperado de https://bit.ly/2FNqUGA

Montaño, C. (2016). Alienação parental e guarda compartilhada: um desafio ao Serviço Social na proteção dos mais indefesos: a criança alienada. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Nardi, H. C. (2008). O estatuto da diversidade sexual nas políticas de educação no Brasil e na França: a comparação como ferramenta de desnaturalização do cotidiano de pesquisa. Psicologia & Sociedade, 20(spe), 12-23. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822008000400004.

Pailegal. (2019). Pailegal, pai legal ou pai legal? Quem somos? Recuperado de http://www.pailegal.net/index.php/quem-somos

Ponciano, E. L. T., & Féres-Carneiro, T. (2017). Conjugalidade, parentalidade e separação: repercussões no relacionamento pais e filhos (as). Psicologia em estudo, 22(2), 277-287.

http://dx.doi.org/10.4025/psicolestud.v22i2.32808

Portal Montevideo. (2018). Uruguay, sexto en el mundo en derechos políticos y libertades civiles. Recuperado de https://bit.ly/35Nv2kz

Prado, C. G. S., & Barros, J. N. (2016). O abandono afetivo e a guarda compartilhada como garantia da convivência familiar. Revista Universitári@, 7, 278-287. Recuperado de http://www.salesianolins.br/universitaria/artigos/no15/artigo47.pdf

Prost, A., & Vincent, G. (Orgs.). (1999). Histoire de la vie privée: de la première guerre mondiale à nos jours. Paris, França: Éditions du Seuil.

Resolução n. 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em ciências humanas e sociais. Recuperado de http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf

Rocha-Coutinho, M. L. (2000). Dos contos de fadas aos superheróis: mulheres e homens brasileiros reconfiguram identidades. Psicologia Clínica, 12(2), 65-82. Recuperado de http://pesquisa.bvsalud.org/brasil/resource/pt/psi-34372

Rother, E. T. (2007). Revisão sistemática vs revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, 20(2), v-vi. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001.

Silva, A.M.M. (2008). A Lei sobre Guarda Compartilhada (2ª ed). São Paulo: Leme J.H Mizuno.

Silva, E. L. (2005). Guarda de filhos: aspectos psicológicos. In Associação de pais e mães separados (Org.). Guarda compartilhada: aspectos psicológicos e jurídicos (pp.13-32). Porto Alegre: Equilíbrio.

Silva, D.M.P. (2011). Mediação e guarda compartilhada: conquistas para a família. Curitiba: Juruá.

Simão, R. B. C. (2005). O abuso de direito no exercício do poder familiar. In Associação de pais e mães separados (Org.). Guarda compartilhada: aspectos psicológicos e jurídicos (pp. 33-52). Porto Alegre: Equilíbrio.

Simmel, G. (1989). Philosophie de la modernité: la femme, la ville, l´individualisme. Saint-Armand-Montrond, França: Éditions Payot.

Soares, C., & Sabola, A, L. (2007). Tempo, trabalho e afazeres domésticos: um estudo com base nos dados da pesquisa nacional por amostra de domicílios de 2001 e 2005. Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Recuperado de https://bit.ly/2NoudbH

SOS Papá. (2018). Tenencia. Recuperado de http://www.sospapa.com/juridicos_tenencia.html

SOS Papai. (2018). Recuperado de http://www.sos-papai.org/br_index.html

Sottomayor, M.C. (2014). Regulação do exercício das responsabilidades parentais nos casos de divórcio. Coimbra: Almedina.

Sousa, L. P., & Guedes, D. R. (2016). A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos avançados, 30(87), 123-139. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142016.30870008.

Todo por nuestros hijos. (2014). Quienes somos? Recuperado de https://www.todopornuestroshijos.com.uy/quienes-somos-/

Vogel, M., & Verjus, A. (2016). Le droit des pères à faire famille: des mobilisations pour des droits nouveaux… sans obligation nouvelle. In A. Martial, Des pères “en solitaire”: ruptures conjugales et paternité contemporaine (pp.139-151). Aix-Marseille, França: Presses Universitaires de Provence.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n3suplp24

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)