EVIDÊNCIAS DE VALIDADE PARA A ESCALA BAPTISTA DE DEPRESSÃO VERSÃO HOSPITAL-AMBULATÓRIO (EBADEP-HOSP-AMB)

Gabriela da Silva Cremasco, Makilim Nunes Baptista

Resumo


O objetivo do estudo foi buscar evidências de validade baseadas na relação com variáveis externas para a Escala Baptista de Depressão Versão Hospital-Ambulatório (EBADEP-HOSP-AMB). Participaram 210 pacientes renais crônicos em hemodiálise, com idades entre 18 e 82 anos (M=53,40; DP=14,40), sendo 112 (53,3%) do sexo masculino. Foram aplicados um questionário sociodemográfico/saúde, juntamente com a EBADEP-HOSP-AMB, a Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (HADS) e a Escala de Pensamentos Depressivos (EPD). As aplicações ocorreram de forma individual durante as sessões de hemodiálise. Foi verificada a relação entre os instrumentos além de possíveis diferenças de média em função das variáveis sociodemográficas. Os principais resultados indicaram correlações significativas de magnitudes moderadas a altas entre os instrumentos. Também foi observado que as mulheres e aqueles que relataram ter diagnóstico de depressão obtiveram escores mais elevados na maioria das escalas apresentando mais sintomatologia depressiva e pensamentos depressivos, bem como ansiedade.


Palavras-chave


sintomatologia depressiva; doença renal; evidências de validade

Texto completo:

PDF

Referências


American Educational Research Association, American Psychological Association, National Council on Measurement in Education (2014). Standards for Educational and Psychological Testing. Washington, DC: American Psychologichal Association.

American Psychiatric Association. (2002). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders DSM-IV-TR. (4a ed.). Porto Alegre: Artmed.

American Psychiatric Association. (2014). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders DSM-5. (5a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Anderson, E. R., & Hope, D. A. (2008). A review of the tripartite model for understanding the link between anxiety and depression in youth. Clinical Psychology Review, 28(2), 275-287. doi: 10.1016/j.cpr.2007.05.004

Baptista, M. N. (2012). Escala Baptista de Depressão versão Adulto - EBADEP-A. São Paulo: Vetor.

Baptista, M. N. (2013). Escala Baptista de Depressão – (Versão Ambulatório) – EBADEP-HOSP-AMB. Relatório Técnico não publicado. Programa de Pós-Graduação Stricto-Sensu em Psicologia da Universidade São Francisco. Itatiba. São Paulo.

Bastos, M. G., Bregman, R., & Kirsztajn, G., M. (2010). Doença renal crônica: Frequente e grave, mas também prevenível e tratável. Revista da Associação Médica Brasileira, 56(2), 248-253. doi: 10.1590/S0104-42302010000200028

Bautovich, A., Katz, I., Smith, M., Loo, C. K., & Harvey, S. B. (2014). Depression and chronic kidney disease: A review for clinicians. Australian & New Zealand Journal of Psychiatry, 48(6), 530-541. doi: 10.1177/0004867414528589

Beck, A. T., Rush, A. J, Shaw, F. B., & Emery, E. (1997). Terapia cognitiva da depressão. Porto Alegre: Artes Médicas.

Botega, N. J., Bio, M. R., Zomignani, M. A., Garcia Júnior, C., & Pereira, W. A. (1995). Transtornos do humor em enfermaria de clínica média e validação de escala de medida (HAD) de ansiedade e depressão. Revista de Saúde Pública, 29(5), 355-363. doi: 10.1590/S0034-89101995000500004

Carneiro, A. M., & Baptista, M. N. (2016). Escala de Pensamentos Depressivos (EPD). São Paulo: Hogrefe.

Castillo, A. R. G., Recondo, R. Asbahr, F. R., & Manfro, G. G. (2000). Transtornos de ansiedade. Revista Brasileira de Psiquiatria, 22(2), 20-23. doi: 10.1590/S1516-44462000000600006

Clark, L. A., & Watson, D. (1991). Tripartite model of anxiety and depression: Psychometric eveidence and taxonomic implications. Journal of Abnormal Psychology, 100(3), 316-336. doi:10.1037/0021-843X.100.3.316

Cohen, J. (1988). Statistical Power Analysis for the Behavioral Sciences. New York: Academic Press.

Cremasco, G. S., & Baptista, M. N. (2017). Análise de estrutura interna da Escala Baptista de Depressão (Versão Hospital-Ambulatório) EBADEP-HOSP-AMB. Manuscrito não publicado.

Dancey, C. P. & Reidy, J. (2006). Estatística sem matemática para psicologia usando SPSS para Windows. Porto Alegre, RS: Artmed.

Dias, D. R., Shiozawa, P., Miorim, L. A., & Cordeiro, Q. (2015). Prevalência de sintomas depressivos e ansiosos em pacientes com doença renal crônica em programa de he¬modiálise: Um estudo transversal. Arquivos Médicos dos Hospitais e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa São Paulo, 60(2), 65-71. Recuperado de http://www.fcmscsp.edu.br/images/Arquivos_medicos/2015/04-AO83.pdf

Feroze, U., Martin, D., Kalantar-Zadeh, K., Kim, J. C., Reina-Patton, A., & Kopple, J. D. (2012). Anxiety and Depression in Maintenance Dialysis Patients: Preliminary Data of a Cross-sectional Study and Brief Literature Review. Journal of Renal Nutrition, 22(1), 207–210. doi: 10.1053/j.jrn.2011.10.009

Ferster, C. B., Culbertson, S., & Boren, M. C. (1977). Depressão clínica. Em C. B. Ferster, S. Culbertson, & M. C. Boren, Princípios do Comportamento (pp. 699-725). São Paulo: Hucitec.

Lynch, J., Moore, M., Moss-Moris, R., & Kendrick, T. (2011). Are patient beliefs important in determining adherence to treatment and outcome for depression? Development of the beliefs about depression questionnaire. Journal of Affective Disorders, 133(1), 29-41. doi: 10.1016/j.jad.2011.03.019

Marques, M. A. B. (2016). Sintomas da depressão após lesão encefálica: Evidências de validade para EBADEP-HOSP-AMB. (Tese de Doutorado, Universidade São Francisco, Itatiba, S. P.). Recuperado de https://www.usf.edu.br/

Messias, C. R. (2014). Sintomatologia Depressiva e Associações com Dor Crônica, Saúde Geral e Suporte Social em Pacientes Fibromiálgicos e Oncológicos (Dissertação de mestrado, Universidade São Francisco, Itatiba, S.P.) Recuperado de http://www.usf.edu.br

Organização Mundial da Saúde (OMS). (1993). Classificação dos transtornos mentais e do comportamento – CID-10: descrições e diretrizes diagnósticas. (10a ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Pinto, J. C., Martins, P., Pinheiro, T. B., & Oliveira, A. C. (2015). Ansiedade, depressão e stresse: Um estudo com jovens adultos e adultos portugueses. Psicologia, Saúde & Doenças, 16(2), 148-163. doi.org/10.15309/15psd160202

Prieto, G., & Muñiz, J. (2000). Um modelo para evaluar la calidad de los test utilizados em España. Papeles del Psicólogo, 77, 65-72. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=77807709

Stasiak, C. E. S., Bazan, K. S., Kuss, R. S., Schuinski, A. F. M., & Baroni, G. (2014). Prevalência de ansiedade e depressão e suas comorbidades em pacientes com doença renal crônica em hemodiálise e diálise peritoneal. Jornal Brasileiro de Nefrologia, 36(3), 325–331. doi:10.5935/0101-2800.20140047

Theofilou, P. (2011). Depression and anxiety in patients with chronic renal failure: the effect of sociodemographic characteristics. International Journal of Nephrology, 2011, 1-6. doi:10.4061/2011/514070

Watson, D. (2009). Differentiating the Mood and Anxiety Disorders: A Quadripartite Model. Annual Review of Clinical Psychology, 5(1), 221-247. doi:10.1146/annurev.clinpsy.032408.153510

Watson, D., Weber, K., Assenheimer, J. S., Clark, L. A., Strauss, M. E., & McCormick, R. A. (1995). Testing a tripartite model: I. Evaluating the convergent and discriminant validity of anxiety and depression symptom scales. Journal of Abnormal Psychology, 104(1), 3-14. doi: 10.1037/0021-843X.104.1.3

World Health Organization (WHO) (2017). Depression and other common mental disorders: Global health estimates. Recuperado de http://www.who.int/mental_health/management/depression/prevalence_global_health_estimates/en/

Zigmond, A. S., & Snaith, R. P. (1983). The Hospital Anxiety and Depression Scale. Acta Psychiatrica Scandinavica, 67(6), 361-370. doi:10.1111/j.1600-0447.1983.tb09716.x




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n2p80

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.