COMPETÊNCIAS EMOCIONAIS COMO DISPOSITIVO PARA INTEGRALIZAÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE: CONTRIBUIÇÕES PARA O TRABALHO INTERPROFISSIONAL

Michelle Almeida Silva, Érika Leite da Silva Cardoso, Tatjana Teresa de Lima Miranda, Juliana Sampaio

Resumo


A interprofissionalidade promove o aperfeiçoamento da assistência integral à saúde. Porém, o trabalho em equipe, por vezes, é permeado por conflitos, os quais podem ser gerenciados através das competências emocionais. Esse estudo objetiva relatar uma experiência de desenvolvimento de competências emocionais para fortalecimento do processo de trabalho interprofissional, com vistas à integralidade do cuidado. O Programa de Educação pelo Trabalho em Saúde desenvolveu essa experiência em 2015, num serviço de média complexidade. Inicialmente, foi utilizado um jogo, visando explorar fragilidades do serviço, o qual possibilitou identificar o sentimento de inibição de muitos profissionais diante de situações do cotidiano laboral. Posteriormente, objetivando contornar tais inibições, atividades lúdicas foram realizadas por meio de vídeos, jogos e rodas de conversas, que promoveram diálogos interprofissionais, com foco nas competências empatia e assertividade, que resultaram em uma postura mais ativa e questionadora dos profissionais frente às necessidades do processo de trabalho da equipe. 


Palavras-chave


papel profissional; desempenho profissional; assistência integral à saúde; empatia; assertividade.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, J. R. S., Bizerril, D. O., Saldanha, K. G. H., & Almeida, M. E. L. (2016). Educação permanente em saúde: Uma estratégia para refletir sobre o processo de trabalho. Revista ABENO, 16(2), 7-15.

Amestoy, S. C., Backes, V. M. S., Thofehrn, M. B., Martini, J. G., Meirelles, B. H. S., & Trindade, L. L. (2013). Percepção dos enfermeiros sobre seu processo de ensino aprendizagem da liderança. Texto & Contexto Enfermagem, 22(2), 468-475. doi:10.1590/S0104-07072013000200024

Aveleira, J. J. C. B. (2013). A inteligência emocional, o desempenho e a satisfação laboral em funções comerciais. (Dissertação de Mestrado). Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, Lisboa.

Barreira, L. N. (2014). Inteligência emocional: Associação com job engagement em enfermeiros no contexto da oncologia. (Dissertação de Mestrado). Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa.

Cardoso, A. C., Corralo, D. J., Krahl, M., & Alves, L. P. (2015). O estimulo à prática da interdisciplinaridade e do multiprofissionalismo: A extensão universitária como uma estratégia para a educação interprofissional. Revista ABENO, 15(2), 12-19.

Cunha, P. J., & Zagonel, I. P. S. (2008). As relações interpessoais nas ações de cuidar em ambiente tecnológico hospitalar. Escola Paulista de Enfermagem, 21(3), 412-419. doi:10.1590/S0103-21002008000300005

Diário Oficial da União. (2008, agosto 27). Portaria Interministerial nº 1.802 – Programa de Educação pelo Trabalhador para a Saúde – PET Saúde. Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/pri1802_26_08_2008.html

Domingues, A. R. S. (2009). Inteligência emocional, empatia e satisfação no trabalho em médicos. (Dissertação de Mestrado). Universidade do Porto, Porto.

Formozo, G. A., Oliveira, D. C., Costa, T. L., & Gomes, A. M. T. (2012). As relações interpessoais no cuidado em saúde: Uma aproximação ao problema. Revista Enfermagem UERJ, 20(1), 124-127. Recuperado de: http://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/4006/2775.

Goleman, D. (2011). Inteligência emocional: A teoria revolucionária que define o que é ser inteligente. Rio de Janeiro, RJ: Objetiva.

Guebur, A. Z., Poletto, C. A., & Vieira, D. M. S. (2007). Inteligência emocional no trabalho. Revista Intersaberes, 2(3), 71–96.

Gregório, F. A. S. (2008). Competência emocional e satisfação profissional dos enfermeiros. (Dissertação de Mestrado). Universidade do Algarve, Algarve.

Kalichman, A. O., & Ayres, J. R. C. M. (2016). Integralidade e tecnologias de atenção: Uma narrativa sobre contribuições conceituais à construção do princípio da integralidade no SUS. Caderno de Saúde Pública, 32(8), 1-13. doi:10.1590/0102-311X00183415

Koval, R., & Kaplan, L. T. (2008). O poder da gentileza: Descubra como a simpatia e a delicadeza podem transformar sua vida. Rio de Janeiro, RJ: Sextante.

Marchezini-Cunha, V., & Tourinho, E. Z. (2010). Assertividade e autocontrole: Interpretação analítico-comportamental. Psicologia Teoria e Pesquisa, 26(2), 295-304. doi:10.1590/S0102-37722010000200011

Merhy, E. E., & Feuerwerker, L. C. M. (2009). Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: Uma necessidade contemporânea. In A. C. S. Mandarino, & E. Gomberg, Leituras e Novas Tecnologias e Saúde (pp. 29-74). São Cristóvão, SE: Editora UFS.

Merhy, E. E., & Franco, T. B. (2003). Por uma composição técnica do trabalho centrada nas tecnologias leves e no campo relacional e nas tecnologias leves. Apontando mudanças para os modelos tecnoassistenciais. Revista Saúde em Debate, 27(65), 316-327.

Minutos psíquicos. (2015, agosto 27). Gentileza gera gentileza, ou o vírus da gentileza [Video file].

Recuperado de: https://www.youtube.com/watch?v=nexOPbgQkHk

Minutos psíquicos. (2015, dezembro 14). Agressivo, passivo ou assertivo? [Video file]. Recuperado de: https://www.youtube.com/watch?v=rd1mCZVNnxE

Morreti-Pires, R. O., & Campos, D. A. (2010). Equipe multiprofissional em saúde da família: do documental ao empírico no interior da Amazônia. Revista Brasileira de Educação Médica, 34(3), 379-389. doi:10.1590/S0100-55022010000300007

Paschoal, T., Torres, C. V., & Barreiros, J. P. (2010). Felicidade no trabalho: Relações com suporte organizacional e suporte Social. Revista de Administração Contemporânea, 14(6), 1054-1072. doi:10.1590/S1415-65552010000700005

Paulino, H. H., Souza, P., Codato, L. A. B., Muraguchi, E. M. O., Higasi, M. S., Casaroto, P., & Raminelli, M. (2013). Grupo de gestantes: Uma estratégia de intervenção do PET-Saúde da Família. Revista ABENO, 13(2), 76-81.

Santos, R. R., Lima, E. F. A., Freitas, P. S. S., Galavote, H. S., Rocha, E. M. S., & Lima, R. C. D. (2016). A influência do trabalho em equipe na atenção primária à saúde. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde, 18(1), 130-139.

Silva, P. A., Silva, G. M. L., Rodrigues, J. D., Moura, P. V., Caminha, I. O., & Ferreira, D. K. S. (2013). Atuação em equipes multiprofissionais de saúde: Uma revisão sistemática. Conscientiae Saúde, 12(1), 153-160. doi:10.5585/conssaude.v12n1.3987

Tavares, L. (2013). Inteligência emocional e a satisfação no trabalho. (Dissertação de Mestrado). Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa.

Valente, M. N., & Monteiro, A. P. (2016). Inteligência emocional em contexto escolar. Revista Eletrônica de Educação e Psicologia, 7, 1-11.

Viana, D. M., Araujo, R. S., Vieira, R. M., Nogueira, C. A., Oliveira, V. C., & Renno, H. M. S. (2015). A educação permanente em saúde na perspectiva do enfermeiro na estratégia de saúde da família. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, 5(2), 1658-1668. doi:10.19175/recom.v0i0.470

Weisinger, H. (2001). Inteligência emocional no trabalho: Como aplicar os conceitos revolucionários da I. E. nas suas relações profissionais, reduzindo o estresse, aumentando sua satisfação, eficiência e competitividade. Rio de Janeiro, RJ: Objetiva.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n2p226

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.