MUDANÇAS NA COMUNICAÇÃO AO LONGO DA TERAPIA DE ABORDAGEM SISTÊMICA: UM ESTUDO DE CASO

Ivania Jann Luna, Amanda Nórcio Scapini

Resumo


Resumo

O artigo visa explorar a mudança na comunicação de um jovem adulto e suas repercussões no contexto individual e familiar no decorrer da terapia de abordagem sistêmica. Para tal, foi realizado um estudo de caso clínico de um processo psicoterapêutico com duração de nove meses. O estudo de caso está composto pela história da família, as queixas e demandas, bem como as estratégias terapêuticas utilizadas para trabalhar os aspectos comunicacionais do paciente e a relação com sua família. Os resultados são discutidos com base no Modelo da Pragmática da Comunicação Humana e das dimensões da comunicação entre pais e filhos. Conclui-se que os recursos da psicoterapia de abordagem sistêmica contribuíram para a consolidação de mudanças nas formas de comunicação, e que eles repercutiram tanto no pleno desenvolvimento social, psíquico e relacional da pessoa atendida, quanto na dinâmica familiar.


Palavras-chave


terapia familiar; teoria da comunicação; jovens adultos.

Texto completo:

PDF

Referências


Alarcão, M. (2006). (Des)equilíbrios Familiares (3ª ed.). Coimbra: Quarteto.

Beja, M. J. G. P (2009). Escola e família: Da inevitabilidade da comunicação à construção de uma realidade relacional. (Tese de doutorado). Universidade da Madeira, Portugal.

Boechat, I. T., Cabral, H. L. T. B., & Souza, C. H. M. (2015). A comunicação na família caracterizada pela pseudomutualidade e pelo duplo vínculo. Revista Transformar, (7), 227-238.

Boscolo, L., & Bertrando, P. (2013). Terapia sistêmica individual: Manual prático na clínica. Belo Horizonte, MG: Artesã.

Bowen, M. (1998). A reação da família à morte. In. F. Walsh, & M. McGoldrick (1998). Morte na família: Sobrevivendo às perdas (pp. 105-117). Porto Alegre, RS: Artmed.

Camicia, E. G., Silva, S. B. D., & Schmidt, B. (2016). Abordagem da transgeracionalidade na terapia sistêmica individual: Um estudo de caso clínico. Pensando famílias, 20(1), 68-82.

Carter, B., & McGoldrick, M. (1995). As mudanças no ciclo de vida familiar: Uma estrutura para a terapia familiar. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Esteves de Vasconcelos, M. J. (2007). A “teoria da comunicação humana" na abordagem sistêmica da família. In J. G. Aun, Vasconcellos E. M. J., & S. V. Coelho, Atendimento Sistêmico de Famílias e Redes Sociais. O Processo de Atendimento Sistêmico (pp. 487-519). 2ª ed. Belo Horizonte, MG: Ophicina da Arte & Prosa.

Gomes, L. B., Bolze, S. D. A., Bueno, R. K., & Crepaldi, M. A. (2014). As origens do pensamento sistêmico: Das partes para o todo. Pensando Famílias, 18(2), 3-16.

Heiman, T., Zinck, L. C., & Heath, N. L. (2008). Parents and youth with learning disabilities. Perceptions of relationships and communication. Journal of Learning Disabilities, 41(6), 524-534. doi:10.1177/0022219408317860.

Moutinho, K., & De Conti, L. (2017). Análise narrativa, construção de sentidos e identidade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(2), 1-8. doi:10.1590/0102-3772e322213

Ochoa, G. M., Lopez, E. E., & Emler, N. P. (2008). Adjustment problems in the family and school contexts, attitude towards authority, and violent behaviour at school in adolescence. Family Therapy, 35(2), 93-108.

Papp, P. (1992). O dilema da mudança. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Pellegrini, P. G., Silva, I. M., Barreto, M., & Crepaldi, M. A. (2015). Diferenciação do adulto jovem: Um estudo de caso em atendimento familiar. Pensando Famílias, 19(1), 114-129.

Portugal, A., & Alberto, I. (2010). O Papel da Comunicação no Exercício da Parentalidade: Desafios e especificidades. Psychologica, (2), 387-400.

Portugal, A., Isabel, A. M. (2013). A comunicação parento-filial: Estudo das dimensões comunicacionais realçadas por progenitores e por filhos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(3), 479-48. doi:10.1590/S0102-79722013000300007.

Rosset, S. M. (2006). 123 Técnicas de Psicoterapia Relacional Sistêmica. Belo Horizonte, MG: Editora Artesã.

Segrin, C., & Flora, J. (2005). Family communication. London: Lawrence Erlbaum.

Serralta, F. B., Nunes, M. L. T., & Eizirik, C. L. (2011). Considerações metodológicas sobre o estudo de caso na pesquisa em psicoterapia. Estudos de Psicologia, 28(4), 501-510. doi:10.1590/S0103-166X2011000400010.

Watzlawick, P., Beavin, J. H., & Jackson, D. D. (1967). Pragmática da comunicação humana: Um estudo dos padrões, patologias e paradoxos da interação. São Paulo, SP: Editora Cultrix.

Watzlawick, P., Beavin, J. H., & Jackson, D. (1973). Pragmática da comunicação humana: Um estudo dos padrões, patologias e paradoxos da interação (9ª ed.). São Paulo, SP: Cultrix.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. São Paulo, SP: Bookman editora.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n2p210

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.