Estudo normativo do R-1: Teste Não Verbal de Inteligência para uma região da Bahia-Brasil

Marlene Alves Silva, Irai Cristina Boccato Alves

Resumo


O R-1: Teste Não Verbal de Inteligência é um instrumento que foi construído com base no Teste de Matrizes Progressivas de Raven de acordo aos pressupostos teóricos da análise fatorial de Spearman, teoria bifatorial. O presente artigo objetivou apresentar normas para o R-1 para uma amostra de motoristas e candidatos a Carteira Nacional de Habilitação de uma região do sudoeste da Bahia - Brasil. A amostra foi composta de 1507 adultos, de ambos os sexos e três níveis de escolaridade, que realizaram avaliação psicológica em uma clínica credenciada ao DETRAN-BA. Para determinar a influência do sexo e da escolaridade foram realizados testes estatísticos, que indicaram diferenças significativas nas pontuações em função dessas variáveis. Os resultados apontaram a necessidade de estabelecer normas por sexo e por nível de escolaridade para a população estudada. Tais estudos contribuem para o avanço nas pesquisas em avaliação psicológica no contexto do trânsito.


Palavras-chave


Teste de Inteligência Não Verbal; Padronização do teste; Psicologia do Trânsito

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, I. C. B. (1998). Variáveis significativas na avaliação da inteligência. Psicologia Escolar e Educacional, 2(2), 109-114. doi:10.1590/S1413-85571998000200005

Alves, I. C. B. (2002). R-1: Teste Não Verbal de Inteligência: Manual. São Paulo, SP: Vetor Editora.

Alves, I. C. B. (2009). R-1: Teste Não Verbal de Inteligência: Manual. (3ª ed. ampliada). São Paulo, SP: Vetor Editora.

Anastasi, A. & Urbina, S. (2000). Testagem psicológica. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Brasil (1997). Lei 9.503/19977 de 23 de setembro de 1997 institui o Código de Trânsito Brasileiro. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis /L9503.htm

Conselho Federal de Psicologia. (2018). Resolução CFP 09/2018. Estabelece diretrizes para a realização da Avaliação Psicológica no exercício profissional da psicóloga e do psicólogo, regulamenta o Sistema de Avaliação de Testes Psicológicos – SATEPSI e revoga as Resoluções no 022/2003, nº006/2004 e nº 005/2012 e Notas Técnicas nº 01/2017 e 02/2017. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Conselho Nacional de Trânsito - CONTRAN – (2012). Resolução 425 de 27/11/2012: Dispõe sobre o exame de aptidão física e mental, a avaliação psicológica e o credenciamento das entidades públicas e privadas de que tratam o art. 147, I e §§ 1º a 4º e o art. 148 do Código de Trânsito Brasileiro. Disponível em: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=247963

Dancey, C., & Reidy, J. (2006). Estatística sem matemática para Psicologia: Usando SPSS para Windows. (3a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da Vetor Editora Psico-Pedagógica Novas Tabelas de normas: Testes da Vetor Editora. São Paulo, SP: Vetor.

Esteves, C. (2007). Estudo de validade da avaliação de inteligência pelo Psicodiagnóstico Miocinético – PMK. (Dissertação de Mestrado). Instituto de Psicologia da Instituto de Psicología da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Esteves, C., Silva, F. C., & Cardoso, T. (2014). Tabelas normativas: Avaliação psicológica no contexto de trânsito. São Paulo, SP: Vetor.

Gottsfritz, M. O. (2007). O Desenho da Figura Humana e o Teste R-1 em adultos não alfabetizados. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Gottsfritz, M. O., & Alves, I. C. B. (2009). Normas do Teste de Inteligência Não Verbal R-1 em adultos não alfabetizados. Interação em Psicologia, 13(1), 59-68. (impresso e online).

Hildreth, G. H., & Griffiths, N. L. (1966). Teste Metropolitano de Prontidão. Forma R. Manual. São Paulo, SP: Vetor.

Mira, A. M. G. (1984). Psicodiagnóstico Miocinético – PMK. São Paulo, SP: Vetor Editora

Nakano, T. C., Sampaio, M. H. L., & Silva, A. B. (2011). Atenção e inteligência em candidatos à primeira carteira nacional de habilitação. Boletim de Psicologia, 61(134), 63-78.

Nascimento, E., & Alves, I.C.B. (2005). Análise fatorial do Teste de Inteligência Não Verbal R-1. Programa e Resumos do EMAP: VII Encontro Mineiro de Avaliação Psicológica: 100 anos de criação de Testes Psicológicos. Teorização e Prática. Belo Horizonte, MG: Universidade Federal de Minas Gerais, p. 14.

Oliveira, R. (1973). R-1: Teste Não Verbal de Inteligência. Manual. São Paulo, SP: Vetor Editora.

Raven, J. C. (1950). Tests de Matrices Progresivas. Escala General. Manual. (Bernstein trad.). Buenos Aires: Paidós.

Rueda, F. J. M., & Castro, N. R. (2010). Atención dividida e inteligencia em el contexto del trànsito. Ciencias Psicológicas, 4(1),17-26.

Rueda, F. J. M., & Castro, N. R. (2012). Evidências de validade convergente e pela comparação com construtos relacionados para o Teste de Inteligência. Psicologia em Pesquisa, 6(2), 101-110.

Silva, E. R. & Rueda, F. J.M. (2016). Avaliação da inteligência por meio do Psicodiagnóstico Miocinético – PMK. Boletim de Psicologia, 66(145), 199-209.

Silva, M. A. (2014). Estudo sobre a dimensionalidade do R-1: Teste Não Verbal de Inteligência. Boletim de Psicologia, 64(140), 91-130.

Sisto, F. F., Ferreira, A., & Matos, M. P. B. (2006). TCR e R-1: Duas medidas do fator g. PSIC - Revista de Psicologia da Vetor Editora, 7(1), 69-77.

Spearman, C. (1955). Las habilidades do homem: Su naturaleza e medición. Buenos Aires: Paidós. (Original publicado em 1927).

SPSS, I. (2012). Statistical package for the social sciences. Data analysis software packages. Version, 21.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2018v9n3suplp38

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.