ESTUDOS PSICOLÓGICOS BRASILEIROS SOBRE PRECONCEITO CONTRA DIVERSIDADE SEXUAL E DE GÊNERO

Icaro Bonamigo Gaspodini, Denise Falcke

Resumo


Nesta revisão sistemática da literatura, investigou-se como pesquisadores/as brasileiros/as em Psicologia abordaram o preconceito contra diversidade sexual e de gênero entre janeiro/2006 e junho/2016. Foram selecionados 23 artigos científicos de 16 bases de dados, por meio de três portais (Portal de Periódicos da CAPES, EBSCOHost e Biblioteca Virtual em Saúde). A maioria dos estudos revisados investiga o preconceito em amostras jovens, compostas por estudantes e/ou universitários e mulheres, população geralmente associada à menor expressão de preconceito. Além disso, priorizam a investigação do preconceito expressado contra a homossexualidade e escolhem o termo “sexo” para designar o gênero de participantes na descrição metodológica. Sugere-se que as pesquisas ampliem o foco para além da homossexualidade e passem a incluir outras orientações sexuais e identidades ou expressões de gênero não cisgêneras.


Palavras-chave


preconceito; sexismo; homofobia; discriminação sexual

Texto completo:

PDF

Referências


Allport, G. W. (1954). The nature of prejudice. Reading, MA: Addison-Wesley.

American Psychological Association. (2011). Definition of terms: Sex, gender, gender identity, sexual orientation. Recuperado de http://www.apa.org/pi/lgbt/resources/sexuality-definitions.pdf

Ansara, Y. G., & Hegarty, P. (2014). Methodologies of misgendering: Recommendations for reducing cisgenderism in psychological research. Feminism & Psychology, 24(2), 259-270. doi:10.1177/0959353514526217

*Araújo, L. F. de, Oliveira, J. da S. C. de, Sousa, V. C. de, & Castanha, A. R. (2007). Adoção de crianças por casais homoafetivos: Um estudo comparativo entre universitários de Direito e de Psicologia. Psicologia & Sociedade, 19(2), 95-102. doi:10.1590/s0102-71822007000200013

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa, PT: Edições 70.

*Carrieri, A. de P., Souza, E. M. de, & Aguiar, A. R. C. (2014). Trabalho, violência e sexualidade: Estudo de lésbicas, travestis e transexuais. Revista de Administração Contemporânea, 18(1), 78-95. doi:10.1590/S1415-65552014000100006

*Cerqueira-Santos, E., Calvetti, P. U., Rocha, K. B., Moura, A., Barbosa, L. H., & Hermel, J. (2010). Percepção de usuários gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros, transexuais e travestis do Sistema Único de Saúde. Interamerican Journal of Psychology, 44(2), 235-245. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=28420641004

*Cerqueira-Santos, E., Winter, F. D. S., Salles, L. A., Longo, J. L., & Teodoro, M. (2007). Contato interpessoal e crenças sobre homossexualidade: Desenvolvimento de uma escala. Interação em Psicologia, 11(2), 221-229. doi:10.5380/psi.v11i2.6639

Costa, A. B., Bandeira, D. R., & Nardi, H. C. (2015). Avaliação do preconceito contra diversidade sexual e de gênero: Construção de um instrumento. Estudos de Psicologia, 32(2), 163-172. doi:10.1590/0103-166x2015000200002

Costa, A. B., & Nardi, H. C. (2015). Homofobia e preconceito contra diversidade sexual: Debate conceitual. Temas em Psicologia, 23(3), 715-726. doi:10.9788/tp2015.3-15

Costa, A. B., Peroni, R. O., Bandeira, D. R., & Nardi, H. C. (2013). Homophobia or sexism? A systematic review of prejudice against non-heterosexual orientation in Brazil. International Journal of Psychology, 48(5), 900-909. doi:10.1080/00207594.2012.729839

*Costa, A. B., Peroni, R. O., Camargo, E. S. de, Pasley, A., & Nardi, H. C. (2015). Prejudice toward gender and sexual diversity in a Brazilian public university: Prevalence, awareness, and the effects of education. Sexuality Research and Social Policy. doi:10.1007/s13178-015-0191-z

Costa, A. B., Zoltowski, A. P. C., Koller, S. H., & Teixeira, M. A. P. (2015). Construção de uma escala para avaliar a qualidade metodológica de revisões sistemáticas. Ciência & Saúde Coletiva, 20(8), 2441-2452. doi:10.1590/1413-81232015208.10762014

Crenshaw, K. (1991). Mapping the margins: Intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stanford Law Review, 43(6), 1241-1299. doi:10.2307/1229039

Dovidio, J., Hewstone, M., Glick, P., & Esses, V. (2010). The SAGE handbook of prejudice, stereotyping and discrimination. London, UK: SAGE.

Fairclough, N. (1992). Discurso e mudança social. Brasília, DF: Editora UNB.

Fernandes, S. C. S. & Almeida, S. S. M. (2008). Estudo correlacional entre locus de controle e valores humanos. Interação em Psicologia, 2(12), 215-222. doi:10.5380/psi.v12i2.8133

Fiske, S. T. (1998). Stereotyping, prejudice and discrimination. In D. T. Gilbert & S. T. Fiske (Eds.), The handbook of social psychology (pp. 357-411). Boston, MA: McGrawHill.

*Fleury, A. R. D., & Torres, A. R. R. (2007). Análise psicossocial do preconceito contra homossexuais. Estudos de Psicologia, 24(4), 475-486. doi:10.1590/s0103-166x2007000400007

*Formiga, N. S. (2007). Valores humanos e sexismo ambivalente. Revista do Departamento de Psicologia – UFF, 19(2), 381-396. doi:10.1590/s0104-80232007000200009

Formiga, N. S., Gouveia, V. V., & Santos, M. N. (2002). Inventário de sexismo ambivalente: Sua adaptação e relação com o gênero. Revista Psicologia em Estudo, 7(1), 105-111. doi:10.1590/s1413-73722002000100013

*Formiga, N. S., & Silva Neta, A. B. da. (2009). Precisão preditiva das novas formas de sexismo a partir das orientações valorativas em brasileiros. Psico, 40(2), 174-183. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/fo/ojs/index.php/revistapsico/article/view/4038

Foucault, M. (2013). A ordem do discurso. São Paulo, SP: Edições Loyola.

*Gato, J., Fontaine, A. M., & Leme, V. B. R. (2014). Validação e adaptação transcultural da Escala Multidimensional de Atitudes Face a Lésbicas e a Gays. Psicologia: Reflexão e Crítica, 27(2), 257-271. doi:10.1590/1678-7153.201427206

Glick, P., & Fiske, S. T. (1996). The ambivalent sexism inventory: Differentiating hostile and benevolent sexism. Journal of Personality and Social Psychology, 70(3), 491-521. doi:10.1037//0022-3514.70.3.491

*Gouveia, V. V., Mendes, L. A. de C., Freire, S. E. de A., Freires, L. A., & Barbosa, L. H. G. M. (2014). Medindo associação implícita com o FreeIAT em Português: um exemplo com atitudes implícitas frente ao poliamor. Psicologia: Reflexão e Crítica, 27(4), 679-688. doi:10.1590/1678-7153.201427408

*Gouveia, V. V., Souza, L. E. C. de, Vione, K. C., Cavalcanti, M. de F. B., Santos, W. S. dos, & Medeiros, E. D. de. (2011). Motivações para responder sem preconceito: Evidências de uma medida frente a gays e lésbicas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 24(3), 458-466. doi:10.1590/S0102-79722011000300006

Henrich, J., Heine, S. J., & Norenzayan, A. (2010). The weirdest people in the world? Behavioral and Brain Sciences, 33(2-3), 61-83. doi:10.1017/s0140525x0999152x

Herek, G. M. (2000). The psychology of sexual prejudice. Current Directions in Psychological Science, 9(1), 19-22. doi:10.1111/1467-8721.00051

Herek, G. M. (2009). Sexual stigma and sexual prejudice in the United States: A conceptual framework. In D. A. Hope (Ed.), Contemporary perspectives on lesbian, gay, and bisexual identities (pp. 65-111). doi:10.1007/978-0-387-09556-1

Herek, G. M., & McLemore, K. A. (2013). Sexual prejudice. Annual Review of Psychology, 64, 309-333. doi:10.1146/annurev-psych-113011-143826

Jesus, J. G. de. (2012). Orientações sobre identidade de gênero: Conceitos e termos (2a ed.). Recuperado de http://www.diversidadesexual.com.br/wp-content/uploads/2013/04/gênero-conceitos-e-termos.pdf

Jesus, J. G. de. (2013). O conceito de heterocentrismo: Um conjunto de crenças enviesadas e sua permanência. Psico-USF, 18(3), 363-372. doi:10.1590/s1413-82712013000300003

Kitzinger, C. (1987). The social construction of lesbianism. Beverly Hills, CA: SAGE.

Lacerda, M., Pereira, C. R., & Camino, L. (2002). Um estudo sobre as formas de preconceito contra homossexuais na perspectiva das representações sociais. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(1), 165-178. doi:10.1590/s0102-79722002000100018

Lima, M. E. (2002). Normas sociais e racismo: Efeitos do individualismo meritocrático e do igualitarismo na infra-humanização dos negros. Tese de Doutorado, Instituto Superior de Ciência do Trabalho e da Empresa, Lisboa.

Madureira, A. F. do A. (2007). The psychological basis of homophobia: Cultural construction of a barrier. Integrative Psychological & Behavioral Science, 41(3-4), 225-247. doi:10.1007/s12124-007-9024-9

*Madureira, A. F. do A., & Branco, A. M. C. U. de A. (2007). Identidades sexuais não-hegemônicas: Processos identitários e estratégias para lidar com o preconceito. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(1), 81-90. doi:10.1590/S0102-37722007000100010

*Madureira, A. F. do A., & Branco, A. M. C. U. de A. (2015). Gênero, sexualidade e diversidade na escola a partir da perspectiva de professores/as. Temas em Psicologia, 23(3), 577-591. doi:10.9788/tp2015.3-05

*Mesquita Filho, M., Eufrásio, C., & Batista, M. A. (2011). Estereótipos de gênero e sexismo ambivalente em adolescentes masculinos de 12 a 16 anos. Saúde e Sociedade, 20(3), 554-567. doi:10.1590/s0104-12902011000300003

Meyer, I. H. (2003). Prejudice as stress: Conceptual and measurement problems. American Journal of Public Health, 93(2), 262-265. doi:10.2105/ajph.93.2.262

Meyer, I. H. (2005). Prejudice, social stress, and mental health in lesbian, gay, and bisexual populations: Conceptual issues and research evidence. Psychological Bulletin, 129(5), 674-697. doi:10.1037/0033-2909.129.5.674

Minayo, M. C. de S. (1996). Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes.

*Oliveira, L. L. de, Jesus, D. C. A. de, Arruda, M. A. D. L., Cunha, M. C. da, & Araújo, R. M. (2010). Estereótipos de gênero em adolescentes: Uma análise da influência escolar sobre a formação, manutenção e mudanças dos estereótipos. Interação em Psicologia, 14(2), 554-567. doi:10.5380/psi.v14i2.7829

*Pereira, A. S. L. S., Alfaia, A. J. B., Souza, L. E. C. de, & Lima, T. J. S. (2014). Preconceito contra homossexuais no contexto do futebol. Psicologia & Sociedade, 26(3), 737-745. doi:10.1590/S0102-71822014000300022

*Pereira, A. S. L. S., Monteiro, M. B., & Camino, L. (2009). Estudo da validação das escalas de crenças sobre a natureza da homossexualidade e de preconceito contra homossexuais. Laboratório de Psicologia, 7(1). doi:10.14417/lp.683

*Pereira, C. R., Torres, A. R. R., Falcão, L., & Pereira, A. S. L. S. (2013). O papel de representações sociais sobre a natureza da homossexualidade na oposição ao casamento civil e à adoção por famílias homoafetivas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 29(1), 79-89. doi:10.1590/s0102-37722013000100010

*Pereira, C. R., Torres, A. R. R., Pereira, A. S. L. S., & Falcão, L. C. (2011). Preconceito contra homossexuais e representações sociais da homossexualidade em seminaristas católicos e evangélicos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(1), 73-82. doi:10.1590/S0102-37722011000100010

Plant, E. A., & Devine, P. G. (1998). Internal and external motivation to respond without prejudice. Journal of Personality and Social Psychology, 75(3), 811-832. doi:10.1037/0022-3514.75.3.811

*Rabelo, A. A., & Nascimento, A. R. A. do. (2013). Vivência do preconceito e construção da identidade para homens homoafetivos. Psicologia e Saber Social, 2(1), 131-141. Recuperado de http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/psi-sabersocial/issue/view/523

Reyes-Lagunes, I. (1995). Género y control: conceptualización y medición etnopsicológica. Ciudad de México, DF: CONACYT.

Rios, R. R. (2007). O conceito de homofobia na perspectiva dos direitos humanos e no contexto dos estudos sobre preconceito e discriminação. In F. Pocahy (Ed.), Rompendo o silêncio: Homofobia e heterossexismo na sociedade contemporânea. Porto Alegre, RS: Nuances, 2007.

*Santos, A. F., & Fernandes, S. C. S. (2009). Enfrentamento, locus de controle e preconceito: Um estudo com pessoas de orientação sexual homoafetiva. Psicologia em Revista, 15(3), 101-119. doi:10.5752/p.1678-9563.2009v15n3p101

Seidl, E. M. F., Tróccoli, B. T., & Zannon, C. M. L. da C. (2001). Análise fatorial de uma medida de estratégias de enfrentamento. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 17(3), 225-234. doi:10.1590/S0102-37722001000300004

Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior. (2015). Mapa do ensino superior no Brasil. Recuperado de http://convergenciacom.net/pdf/mapa-ensino-superior-brasil-2015.pdf

Smith, J. A., & Eatough, V. (2010). Análise fenomenológica interpretativa. In G. M. Breakwell, C. Fife-Schaw, S. Hammond & J. A. Smith (Eds.). Métodos de pesquisa em psicologia (pp. 321-339). Porto Alegre, RS: Artmed.

Smith, K. T. (1971). Homophobia: A tentative personality profile. Psychological Reports, 29, 1091-1094. doi:10.2466/pr0.1971.29.3f.1091

*Souza, E. de J., Silva, J. P., & Santos, C. (2015). Homofobia na escola: As representações de educadores/as. Temas em Psicologia, 23(3), 635-647. doi:10.9788/tp2015.3-09

*Souza, E. M. de, & Pereira, S. J. N. (2013). (Re)produção do heterossexismo e da heteronormatividade nas relações de trabalho: A discriminação de homossexuais por homossexuais. RAM – Revista de Administração Mackenzie, 14(4), 76-105. doi:10.1590/s1678-69712013000400004

Weinberg, G. (1972). Society and the healthy homosexual. New York, NY: St. Martin’s Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n2p59

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.