Perfil das crianças usuárias do ambulatório de saúde mental do município de Içara – SC

Maísa Pedro da Silva Serafim, Dipaula Minotto da Silva, João Luiz Brunel, Karin Martins Gomes

Resumo


O objetivo deste estudo foi delinear o perfil das crianças atendidas no Ambulatório de Saúde Mental de Içara - SC. Portanto, realizou-se uma pesquisa documental, de abordagem quantitativa e de natureza exploratória. A coleta de dados deu-se através dos prontuários das crianças de 6 a 11 anos atendidas no período de 2013 a junho de 2016. Observou-se que 58,3% eram do sexo masculino, 38,3% tem idade entre 8 e 9 anos e 27% são encaminhados por suspeita de transtorno do neurodesenvolvimento. Sobre o trabalho realizado no local, pode-se inferir que 53% são atendidas pela psicóloga, 31% fazem psicoterapia, 21% usam medicação e 12% associam psicoterapia com psicofármaco. É necessário pensar em ações para esta demanda sob uma lógica biopsicossocial. Conhecer o usuário torna possível encontrar subsídios para repensar as práticas atuais e formular melhores métodos de atuação. 

 


Palavras-chave


políticas públicas; infância; saúde mental.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Psiquiátrica Americana. (2013). Transtorno do Neurodesenvolvimento. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (5ª ed.). Arlington, VA: American Psychiatric Publishing.

Bolsoni-Silva, A. T., Loureiro, S. R., & Marturano, E. M. (2016). Comportamentos internalizantes: Associações com habilidades sociais, práticas educativas, recursos do ambiente familiar e depressão materna. Psico, 47(2), 111-120. doi:10.15448/1980-8623.2016.2.20806.

Caminha, R. M., Wainer, R., Oliveira, M., & Piccoloto, N. (2003). Psicoterapias cognitivo-comportamentais: Teoria e prática. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Couto, M. C. V., & Delgado, P. G. G. (2015). Crianças e adolescentes na agenda política da saúde mental brasileira: Inclusão tardia, desafios atuais. Psicologia Clínica, 27(1), 17-40. doi:10.1590/0103-56652015000100002

Couto, M. C. V., Duarte, C. S., & Delgado, P. G. G. (2008). A saúde mental infantil na Saúde Pública brasileira: Situação atual e desafios. Revista Brasileira de Psiquiatria, 30(4), 390-398. doi:10.1590/S1516-44462008000400015.

D'Abreu, L. C. F. (2012). O desafio do diagnóstico psiquiátrico na criança. Contextos Clínicos, 5(1), 2-9. doi:10.4013/ctc.2012.51.01

Decotelli, K. M., Bohre, L. C. T., & BICALHO, P. P. G. (2013). A droga da obediência: Medicalização, infância e biopoder – notas sobre clínica e política. Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, 33(2), 446-459. doi:10.1590/S1414-98932013000200014.

Delvan, J. D. S., Portes, J. R. M., Cunha, M. P., Menezes, M., & Legal, E. J. (2010). Crianças que utilizam os serviços de saúde mental: Caracterização da população em uma cidade do sul do Brasil. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 20(2), 228-237. Recuperado em 30 de abril de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822010000200006&lng=pt&tlng=pt.

Duarte, C. P., Santos, A. S. A., Madeira, K. H., Lazzari, A., & Lasta, J. B. (2015). Perfil epidemiológico das crianças atendidas no ambulatório de saúde mental de uma cidade do litoral norte do RS. Revista de Iniciação Científica da ULBRA, 1(13), 71-79. Recuperado em 30 de abril de 2019, de http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/ic/article/view/1449/1194.

Garcia, G. Y. C. (2015). Panorama de assistência em saúde mental infanto-juvenil em Centros de Atenção Psicossocial no Brasil. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Bahia, Salvador. Recuperado em 30 de abril de 2019, de https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/17913/1/Diss%20Final.%20Grey%20Yuliet%20Garcia.%20%202015.pdf.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, SP: Atlas.

Gonçalves, H. A., Pureza, J. R., & Prando, M. L. (2011). Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade: Breve revisão teórica no contexto da neuropsicologia infantil. Neuropsicologia Latinoamericana, 3(3), 20-24. doi:10.5579/rnl.2011.0076.

Gonzalez, A. F. C. (2016). O estigma das perturbações mentais: Um estudo qualitativo pela voz das crianças. (Dissertação de Mestrado). Instituto Universitário Ciências Psicológicas, sociais e da vida. Recuperado de http://repositorio.ispa.pt/bitstream/10400.12/5066/1/9439.pdf.

Goulart, A. P., Jordani, V., Sakae, T. M., Sakae, G. R. F. M., Schaefer, T. F., & Meyer, H. F. (2016). Perfil epidemiológico de crianças e adolescentes atendidos em um ambulatório de psiquiatria no sul do Brasil no período de 2004 a 2012. Arquivos Catarinenses de Medicina, 45(3), 17-34. Recuperado em 20 de abril de 2019, de http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/108/99.

Hales, R. & Yudofsky, S. (2004). Tratado de Psiquiatria Clinica. Espanha, Barcelona: Masson.

Halpern, R., & Figueiras, A. C. (2004). Influências ambientais na saúde mental da criança. Jornal de Pediatria, 80(2), 104-110. doi:10.1590/S0021-75572004000300013.

Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (2011a). Resolução de Diretoria Colegiada - Rdc nº 63, de 25 de novembro de 2011. Dispõe sobre os requisitos de boas práticas de funcionamento para os Serviços de Saúde. Recuperado em 30 de abril de 2019, de http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/rdc0063_25_11_2011.pdf/94c25b42-4a66-4162-ae9b-bf2b71337664.

Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro (2002). Portaria nº 336, de 19 de fevereiro de 2002. Recuperado em 30 de abril de 2019, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.html.

Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro (2011b). Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília-DF: Diário Oficial da União, n.° 96.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. (2004). Saúde Mental no SUS: Os centros de atenção psicossocial. Brasília, DF: Autor. Recuperado em 30 de abril de 2019, de http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf.

Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Assistência à Saúde (1992). Portaria/SNAS nº 224, de 29 de janeiro de 1992. Estabelece diretrizes e normas para o atendimento em saúde mental. Brasília-DF: Diário Oficial da União 1994, n.° 147.

Michel, M. H. (2005). Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais: Um guia para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. São Paulo, SP: Atlas.

Marconi, M. D. A., & Lakatos, E. M. (2010). Fundamentos de metodologia científica. São Paulo, SP: Atlas.

Organização das Nações Unidas. (2012). Objetivos de desenvolvimento do milênio: Mapa do progresso de 2012. Nova York, NY: Divisão de Estatística do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais.

Organização Mundial da Saúde. (1993). Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10: Descrições e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Ortega, F, Barros, D., Caliman, L., Itaborahy, C., Junqueira, L., & Ferreira, C. P. (2010). A Ritalina no Brasil: Produções, discursos e prática. Interface, 14(34), 499-510. doi:10.1590/S1414-32832010005000003.

Paiano, M., Maftum, M., Haddad, M. C. L., Marcon, S.S. (2016) Ambulatório de Saúde Mental: Fragilidades apontadas por profissionais. Texto & Contexto- Enfermagem, 25(3). doi: 10.1590/0104-07072016000040014.

Papalia, D. E., & Feldman, R. D. (2013). Desenvolvimento humano. (12ª ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Pereira, T. T. S. O., Barros, M. N. D. S., & Augusto, M. C. N. D. A. (2011). O cuidado em saúde: O paradigma biopsicossocial e a subjetividade em foco. Mental, 9(17), 523-536. Recuperado em 30 de abril de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-44272011000200002&lng=pt&tlng=pt.

Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos (2001). Lei n. 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Recuperado em 30 de abril de 2019, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm.

Sinibaldi, B. (2013). Saúde mental infantil e atenção primária: Relações possíveis. Revista de Psicologia da UNIFESP, 12 (2), 60-72.

Taño, B. L., & Matsukura, T. S. (2015). Saúde mental infanto-juvenil e desafios do campo: Reflexões a partir do percurso histórico. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, 23(2), 439-447. doi:10.4322%2F0104-4931.ctoAR0479

Teixeira, R. M., & dos Santos Jucá, V. J. (2014). Caracterização dos usuários de um centro de atenção psicossocial infanto-juvenil do município de Salvador (BA). Revista de Psicologia, 5(2), 70-84. Recuperado em 30 de abril de 2019, de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/1477/1375.

Thiengo, D.L., Cavalcante, M.T., & Lovisi, G.M. (2014). Prevalência de transtornos mentais em crianças e adolescentes fatores associados: uma revisão sistemática. Jornal Brasileira de Psiquiatria. 63(4), 360-372. doi.org/10.1590/0047-2085000000046




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n2p192

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.