Uma leitura psicanalítica da gravidez na adolescência

Amanda Carvalho Dias, Mary Yoko Okamoto

Resumo


Tanto a gestação quanto a adolescência são vividas de diferentes formas nos diversos contextos sociais e culturais. A partir da constituição familiar que a adolescente se sentirá mulher em determinados grupos. Buscamos entender o desejo pela gestação e o lugar ocupado pelo filho no imaginário materno, e assim, compreender quais ideias de ego familiar constituíram-se em torno da filiação e como se construíram em suas vidas. Para isso, realizamos entrevistas semidirigidas e elaboramos uma Linha do Tempo Familiar com seis gestantes de 14 a 18 anos. A análise destas nos mostrou a gestação na adolescência como um desejo e uma possibilidade de ascensão social. O filho traz a esperança da reconstrução das vivências infantis das entrevistadas e a sensação de segurança e vínculo inabalável. Com isso, reafirmamos a necessidade de uma reformulação nos projetos sociais para a população de baixa renda, que considere os jovens globalmente, possibilitando-lhes autonomia e reflexões.


Palavras-chave


adolescência; gestação; família; desejo; maternidade

Texto completo:

PDF

Referências


Aberastury, A., & Knobel, M. (1981). Adolescência normal: um enfoque psicanalítico. Porto Alegre, RS: Artmed.

Albuquerque-Souza, A. X., Nóbrega, S. M., & Coutinho, M. P. L. (2012). Representações sociais de adolescentes grávidas sobre a gravidez na adolescência. Psicologia e Sociedade, 24(3), 588-596. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822012000300012

Alves, C. A., & Brandão, E. R. (2009). Vulnerabilidades no uso de métodos contraceptivos entre adolescentes e jovens: interseções entre políticas públicas e atenção à saúde. Ciências Saúde Coletiva, 14(2), 661-670. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000200035

Aquino, E. M. L., Heilborn, M. L., Knauth, D. R., Bozon, M., Almeida, M. C. C., Araújo, M. J., & Menezes, G. M. S. (2003). Adolescência e reprodução no Brasil: a heterogeneidade dos perfis sociais. Cadernos de Saúde Pública, 19(2), 377-388. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000800019

Burd, M., & Baptista, C. (2010). Anamnese da família: genograma e linha do tempo. In J. Mello Filho & M. Burd (Eds.), Doença e família (pp. 93-110). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Calligaris, C. (2000). A adolescência. São Paulo, SP: Publifolha.

Dadoorian, D. (2003). Gravidez na adolescência: um novo olhar. Psicologia: ciência e profissão, 23(1), 84-91. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932003000100012

Dias, A. C. G, & Teixeira, M. A. P. (2010). Gravidez na adolescência: um olhar sobre um fenômeno complexo. Paidéia, 20(45), 123-131. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2010000100015

Falcão, D. V. S., & Salomão, N. M. R. (2006). Mães adolescentes de baixa renda: um estudo sobre as relações familiares. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 58(2), 11-23. Recuperado em 23 de janeiro de 2017, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672006000200003&lng=pt&tlng=pt

Ferreira, R. A., Ferriani, M. G. C., Mello, D. F., Carvalho, I. P., Cano, M. A., & Oliveira, L. A. (2012). Análise espacial da vulnerabilidade social da gravidez na adolescência. Cadernos de Saúde Pública, 28(2), 313-323. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000200010

Freud, S. (1914/1996). A história do movimento psicanalítico. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Frizzo, G. B., Kahl, M. L. F., & Oliveira, E. A. F. (2005). Aspectos psicológicos da gravidez na adolescência. Psico, 36(1), 13-20. Recuperado em 23 de janeiro de 2017, de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/1370/1070

Kreutz, C. M. (2001). A experiência da maternidade e a interação mãe-bebê em mães adolescentes e adultas. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Levandoswsky, D. C. (2011). Mamãe, acho que estou... ligeiramente grávida: Uma reflexão sobre a gravidez na adolescência. In A. Wagner (Ed.), Desafios psicossociais da família contemporânea: pesquisas e reflexões (pp. 123-135). Porto Alegre, RS: Artmed.

Levisky, D. L. (1998). Adolescência: reflexões psicanalíticas. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Marin, I. A. K. (2003). Violência e transgressão: Interrogando a adolescência. Revista Latinoamericana Psicopatologia Fundamental, 6(3), 94-109. http://dx.doi.org/10.1590/1415-47142003003007

Nascimento, E. M. V. (2002). Maternidade, desejo e gravidez na adolescência. Salvador, BA: EDUFBA.

Rangel, D. L. O., & Queiroz, A. B. A. (2008). A representação social das adolescentes sobre a gravidez nessa etapa da vida. Escola Anna Nery, 12(4), 780-788. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452008000400024

Rosa, A. J., & Reis, A. O. A. (2016). Maternidades sucessivas na adolescência: Do destino ao desejo. In R. G. Salgado, C. L. S. Mariano & L. L. Souza (Eds.), Gênero, sexualidade, diversidade e educação (pp. 131-145). Cuiabá, MT: EdUFTM.

Santos, K. D. (2011). Um estudo psicanalítico sobre a maternidade na adolescência: histórias de abandono, violência e esperança na trajetória de três jovens mães. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47133/tde-20072011-150734/publico/Delfini_me.pdf.

Schoen-Ferreira, T. H., Aznar-Farias, M., & Silvares, E. F. M. (2010). Adolescência através dos séculos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(2), 227-234. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000200004

Serra, E. (1997). Adolescência: Perspectiva evolutiva (pp. 24-28). Anais do VII Congreso INFAD, Oviedo, Espanha.

Silva, M. C. P. (Eds.). (2014). A construção da parentalidade em mães adolescentes: um modelo de intervenção e prevenção. São Paulo, SP: Escuta.

Szejer, M., & Stward, R. (1997). Nove meses na vida de uma mulher: uma abordagem psicanalítica da gravidez e do nascimento. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Tachibana, M., Santos, L. P., & Duarte C. A. M. (2006). O conflito entre o consciente e o inconsciente na gravidez não planejada. Psyquê, 10(19), 149-167. Recuperado em 23 de janeiro de 2017, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-11382006000300010&lng=pt&tlng=pt

Turato, E. R. (2003). Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa. Petrópolis, RJ: Vozes.

Violante, M. L. V. (2007). Desejo de ter filhos ou desejo de maternidade ou paternidade?. Jornal de Psicanálise, 40(72), 153-164. Recuperado em 23 de janeiro de 2017, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-58352007000100011&lng=pt&tlng=pt

Winnicott, D. W. (1975). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Zornig, S. M. A. (2010). Tornar-se pai, tornar-se mãe: O processo de construção da parentalidade. Tempo Psicanalítico, 42(2), 453-470. Recuperado em 23 de janeiro de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382010000200010&lng=pt&tlng=pt




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n1p190

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.