Uma nova possibilidade de construção do conhecimento em Psicologia

Leonardo Santos de Souza, Cinthia de Sousa Noguchi, Lucas Bondezan Alvares

Resumo


O número de ligas acadêmicas, definidas como organizações estudantis sem fins lucrativos, vêm crescendo no Brasil. No entanto, têm operado muitas vezes de modo incoerente com os objetivos preconizados pelo tripé universitário: ensino, pesquisa e extensão, sendo motivo de críticas constantes quando implementadas sem um processo crítico-reflexivo. O presente relato visa apresentar a experiência da Liga Acadêmica de Psicologia da Saúde (LAPS) em uma universidade no interior do Estado de São Paulo, destacando as práticas realizadas, os desafios e relevância deste novo recurso na formação do futuro psicólogo. Foi possível identificar que a LAPS contribuiu para a população local por meio da educação em saúde e que seus os desafios estão especialmente voltados à pesquisa. Nesse sentido, são necessários investimentos em produção científica e nos órgãos de representatividade das ligas universitárias, uma vez que as mesmas estão se apresentando como importantes ferramentas para a qualificação do futuro profissional.


Palavras-chave


ligas acadêmicas; psicologia da saúde; educação em saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Angerami-Camon, V. A. (2000). Psicologia da saúde: Um novo significado para a prática clínica. São Paulo, SP: Pioneira.

Angerami-Camon, W. A. (2006). O psicólogo no hospital. In W. A. Angerami-Camon, F. A. R. Trucharte, R. B. Knijnik, & R. W. Sebastiani (Eds.), Psicologia hospitalar: Teoria e prática (pp. 15-28). São Paulo, SP: Thomson Learning.

Araújo, A. L. L. S, & Quilici, A. P. (2012). O que é simulação e por que simular. In A. P. Quilici, K. Abrão, S. Timerman, & F. Gutierrez (Eds.), Simulação clínica: Do conceito à aplicabilidade (pp. 1-16). São Paulo, SP: Atheneu.

Bastos, M. L. S., Trajman, A., Teixeira, E G., Selig, L., & Belo, M. T. C. T. (2012). O papel das ligas acadêmicas na formação profissional. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 38(6), 803-805. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132012000600018.

Borges, M. C, Chachá, S. G. F., Quintana, S. M., de Freitas, L. C. C., & Rodrigues, M. D. L. V. (2014). Aprendizado baseado em problemas. Medicina, 47(3), 301-307. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v47i3p301-307.

Borochovicius, E., & Tortella, J. C. B. (2014). Aprendizagem Baseada em Problemas: Um método de ensino-aprendizagem e suas práticas educativas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 22(83), 263-294. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362014000200002.

Brandão, C. F., Collares, C. F., & Marin, H. F. (2014). A simulação realística como ferramenta educacional para estudantes de medicina. Scientia Medica, 24(2), 187-192. Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/scientiamedica/article/view/16189/11485.

Burjato Júnior, D. (1999). História da liga de combate à sífilis e a evolução da sífilis na cidade de São Paulo (1920-1995). (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Castro, E. K., & Bornholdt, E. (2004). Psicologia da saúde x psicologia hospitalar: Definições e possibilidades de inserção profissional. Psicologia: Ciência e Profissão, 24(3), 48-57. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932004000300007.

DeMarco, M. A. (2006). Do modelo biomédico ao modelo biopsicossocial: Um projeto de educação permanente. Revista Brasileira de Educação Médica, 30(1), 60-72. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022006000100010.

Dourado, A. S. S., & Giannella, T. R. (2014). Ensino baseado em simulação na formação continuada de médicos: Análise das percepções de alunos e professores de um Hospital do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Educação Médica, 38(4), 460-469. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022014000400007.

Gorayeb, R. (2010). Psicologia da saúde no Brasil. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(especial), 115-122. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000500010.

Hamamoto Filho, P. T. (2011). Ligas Acadêmicas: Motivações e críticas a propósito de um repensar necessário. Revista Brasileira de Educação Médica, 35(4), 535-543. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022011000400013.

Hamamoto Filho, P. T., Villas-Bôas, P. J. F., Corrêa, F. G., Muñoz, G. O. C., Zaba, M., Venditti, V. C., ... Schellini, S. A. (2010). Normatização da abertura de ligas acadêmicas: A experiência da Faculdade de Medicina de Botucatu. Revista Brasileira de Educação Médica, 34(1), 160-167. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022010000100019.

Kaneko, R. M. U., Couto, T. B., Coelho, M. M., Taneno, A. K., Barduzzi, N. N., Barreto, J. K. S., ... Carvalho, F. S. (2015). Simulação in Situ, uma metodologia de treinamento multidisciplinar para identificar oportunidades de melhoria na segurança do paciente em uma unidade de alto risco. Revista Brasileira de Educação Médica, 39(2), 286-293. http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v39n2e00242014.

Kodjaoglanian, V. L., Benites, C. C. A., Macário, I., Lacoski, M. C. E. K., Andrade, S. M. O., Nascimento, V. N. A., ... Machado, J. L. (2003). Inovando métodos de ensino-aprendizagem na formação do psicólogo. Psicologia: Ciência e Profissão, 23(1), 2-11. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932003000100002.

Magalhães, E. P., Rechtman, R., & Barreto, V. (2015). A liga acadêmica como ferramenta da formação em Psicologia: Experiência da LAPES. Psicologia Escolar e Educacional, 19(1), 135-141. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3539/2015/0191813.

Marques, G. H., & Vieira, V. C. A. L (2012). Liga de psicologia hospitalar: Uma experiência na promoção de saúde no município de Sobral. Scientia, 1(1), 1-8. Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://www.faculdade.flucianofeijao.com.br/site_novo/scientia/servico/pdfs/psicologia/Revista_Scientia_PSI_03.pdf.

Mello, C. C. B., Alves, R. O., & Lemos, S. M. A. (2014). Metodologias de ensino e formação na área da saúde: Revisão de literatura. Revista CEFAC, 16(6), 2015-2028. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0216201416012.

Monteiro, L., Cunha, M., Oliveira, W., Bandeira, N., & Menezes, J. (2008). Ligas acadêmicas: O que há de positivo? Experiência de implantação da Liga Baiana de Cirurgia Plástica. Revista Brasileira de Cirurgia Plástica, 23(3), 158-161. Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://www.rbcp.org.br/export-pdf/405/23-03-05.pdf.

Neves, F. B. C. S., Vieira, P. S., Cravo, E. A., Dias, M., Bitencourt, A., Guimarães, H. P., ... Orlando, J. M. C. (2008). Inquérito nacional sobre as ligas acadêmicas de medicina intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 20(1), 43-48. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-507X2008000100007.

Puttini, R. F., Pereira, A. Jr., & Oliveira, L. R. (2010). Modelos explicativos em saúde coletiva: Abordagem biopsicossocial e auto-organização. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 20(3), 753-767. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312010000300004.

Santana, A. C. D. A. (2012). Ligas acadêmicas estudantis: O mérito e a realidade. Medicina, 45(1), 96-8. Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://revista.fmrp.usp.br/2012/vol45n1/PV_Ligas%20Acad%EAmicas%20Estudantis.pdf.

Santos, E. C., & Sato, S. N. (2012). Simulação na graduação de profissionais da saúde. In A. P. Quilici, K. Abrão, S. Timerman, & F. Gutierrez (Eds.). Simulação clínica: Do conceito à aplicabilidade (pp. 27-47). São Paulo, SP: Atheneu.

Sastrías, J. M. F. (2012). Debriefing. In A. P. Quilici, K. Abrão, S. Timerman, & F. Gutierrez (Eds.). Simulação clínica: Do conceito à aplicabilidade (pp. 87-92). São Paulo, SP: Atheneu.

Scliar, M. (2007). História do conceito de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 17(1), 29-41. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312007000100003.

Silva, S. A., & Flores, O. (2015). Ligas acadêmicas no processo de formação dos estudantes. Revista Brasileira de Educação Médica, 39(3), 410-417. http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v39n3e02592013.

Silva, K. A., Viana, H.A., & Paulino, L. R. S. R. (2011). Perspectivas, reflexões e desafios dos modelos biomédico e biopsicossocial em psicologia. Actas do 16ª Encontro Nacional da ABRAPSO, Recife, PE. Recuperado em 29 de abril e 2019, de http://www.encontro2011.abrapso.org.br/trabalho/view?q=YToyOntzOjY6InBhcmFtcyI7czozNjoiYToxOntzOjExOiJJRF9UUkFCQUxITyI7czo0OiIyMzczIjt9IjtzOjE6ImgiO3M6MzI6ImRjZTYyODBhYmFlZjI5MWEwNmNiMTk4YTNmZjAzMWQxIjt9

Straub, R. O. (2014). Psicologia da saúde: Uma abordagem biopsicossocial. Porto Alegre, RS: Artmed Editora.

Taquette, S. R., Costa-Macedo, L. M. D., & Alvarenga, F. D. B. (2003). Currículo paralelo: Uma realidade na formação dos estudantes de medicina da UERJ. Revista Brasileira Educação Médica, 27(3), 171-176.

Vignochi, C. M., Benetti, C. D. S., Machado, C. L. B., & Manfroi, W. C. (2009). Considerações sobre aprendizagem baseada em problemas na educação em saúde. Revista HCPA. Porto Alegre. 29(1), 45-50. Recuperado em 29 de abril de 2019, de https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/157866/000829624.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

World Health Organization. (1989). Constitution of the world health organization (37 ed.). Geneva: World Health Organization. (Original publicado em 1948).




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n1p237

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.