BLOQUEIO NO DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL: DIÁLOGO ENTRE AS CONCEPÇÕES DE COURAÇA E FALSO SELF

Henrique Uva do Amaral, Diana Pancini de Sá Antunes Ribeiro, Jorge Luís Ferreira Abrão

Resumo


Ao longo da literatura psicanalítica, observamos casos em que o analista encontra dificuldade ao lidar com certos tipos de pacientes, estes que apresentam pouca melhora sem um manejo especial. Baseando-se nisso, consideramos que Donald Winnicott e Wilhelm Reich trazem importantes contribuições para o tema, principalmente quando introduzem os conceitos de falso self e couraça. Nosso objetivo, portanto, delineia-se em estabelecer um breve diálogo entre estes conceitos, destacando algumas aproximações e distanciamentos. A metodologia de pesquisa se faz por meio do levantamento bibliográfico, sendo de natureza qualitativa e histórica. Ao final do trabalho, concluímos que os conceitos de couraça e falso self mais se aproximam do que se distanciam, na medida em que dizem respeito ao bloqueio emocional, da motilidade, da agressividade e da espontaneidade.


Palavras-chave


psicanálise; Donald Winnicott; Wilhelm Reich; couraça; falso self.

Texto completo:

PDF

Referências


Abrão, J. L. F. (2007). Por um modelo metodológico de historiografia da psicanálise. Revista Pulsional, 20(189), 5-16.

Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2004). Ser e fazer: Enquadres diferenciados na clínica winnicottiana. Aparecida: Idéias e Letras.

Albertini, P. (1993). Reich: História das Idéias e Formulações para a Educação. São Paulo: Ágora.

Castel, P. V. (2008). O afeto: uma unidade psicossomática: Freud, Reich e Winnicott (Dissertação de Mestrado). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Cornell, W. F. (1998). Se Reich tivesse encontrado Winnicott: O gesto interrompido. Revista Reichiana, 7, 80-97.

Cotta, J. A. M. (2010). Memórias de um desterro: corporeidade na clínica contemporânea (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Cruz, W. F. O.; Viana, T. C. (2012). Limites – A Questão do Manejo Clínico Hoje. Psicologia Clínica, 24(11), 27-41. doi:10.1590/S0103-56652012000200003.

Dadoun, R. (1991). Cem Flores para Wilhelm Reich. São Paulo: Moraes (trabalho original publicado em 1975).

Fulgencio, L. (2013). Metodologia de pesquisa em psicanálise na universidade. In C. A. Serralha, & F. Scorsolini-Comin (Eds.), Psicanálise e universidade: Um encontro na pesquisa (pp. 25-66). Curitiba: CRV.

Loparic, Z. (2006). De Freud a Winnicott: aspectos de uma mudança paradigmática. Winnicott E-Prints, 1(1), 1-29. Recuperado em 01 de abril de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-432X2006000100004&lng=pt&tlng=pt.

Loparic, Z. (2008). O Paradigma Winnicottiano e o Futuro da Psicanálise. Revista Brasileira de Psicanálise, 42(1), 137-150. Recuperado em 01 de abril de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0486-641X2008000100014&lng=pt&tlng=pt.

Malan, D.; Selva, P. C. D. (2008). Psicoterapia dinâmica intensiva breve: um método inovador. Porto Alegre: Artmed.

Mezan, R. (1996). Paradigmas e modelos na Psicanálise atual. In Pellanda, N. M. C.; Pellanda, L. E. C. (Org.), Psicanálise Hoje: Uma Revolução do Olhar (pp. 347-355). Petrópolis: Vozes.

Naffah Neto, A. N. (2007). A problemática do falso self em pacientes de tipo borderline: revisitando Winnicott. Revista Brasileira de Psicanálise, 41(4), 77-88. Recuperado em 01 de abril de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0486-641X2007000400008&lng=pt&tlng=pt.

Rego, R. A. (2003). A clínica pulsional de Wilhelm Reich: uma tentativa de atualização. Psicologia USP, 14(2), 35-59.

Rego, R. A. (2005). Psicanálise e Biologia: uma discussão da pulsão de norte em Freud e Reich (Tese de Doutorado). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Reich, W. (1975). A Função do Orgasmo: Problemas Econômico-Sexuais da Energia Biológica. São Paulo: Círculo do Livro. (Trabalho original publicado em 1942).

Reich, W. (2001). Análise do Caráter. São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1933).

Reich, W. (2009). A Biopatia do Câncer. São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1948).

Wagner, C. M. (1996). Freud e Reich: Continuidade ou Ruptura?. São Paulo: Summus.

Winnicott, D. W. (1983). Distorção do ego em termos de falso e verdadeiro self. In D. W. Winnicott (Org.), O ambiente e os processos de maturação: Estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional (pp. 128-139). Porto Alegre: Artes Médicas. (Trabalho original publicado em 1960).

Winnicott, D. W. (1988). Desenvolvimento emocional primitivo. In D. W. Winnicott (Org.), Textos Selecionados: da Pediatria à Psicanálise (pp. 269-285). Rio de Janeiro: Francisco Alves. (Trabalho original publicado em 1945).

Winnicott, D. W. (1988). A mente e sua relação com o psique-soma. In D. W. Winnicott (Org.), Textos Selecionados: da Pediatria à Psicanálise (pp. 409-425). Rio de Janeiro: Francisco Alves. (Trabalho original publicado em 1949a).

Winnicott, D. W. (1988). Recordações do nascimento, trauma do nascimento e ansiedade. In D. W. Winnicott (Org.), Textos Selecionados: da Pediatria à Psicanálise (pp. 313-340). Rio de Janeiro: Francisco Alves. (Trabalho original publicado em 1949b).

Winnicott, D. W. (1988). Agressão e sua relação com o desenvolvimento emocional. In D. W. Winnicott (Org.), Textos Selecionados: da Pediatria à Psicanálise (pp. 355-374). Rio de Janeiro: Francisco Alves. (Trabalho original publicado em 1950-1955).

Winnicott, D. W. (1988). Psicose e cuidados maternos. In D. W. Winnicott (Org.), Textos Selecionados: da Pediatria à Psicanálise (pp. 375-388). Rio de Janeiro: Francisco Alves. (Trabalho original publicado em 1952).

Winnicott, D. W. (1988). Aspectos clínicos e metapsicológicos da regressão dentro do setting psicanalítico. In D. W. Winnicott (Org.), Textos Selecionados: da Pediatria à Psicanálise (pp. 459-482). Rio de Janeiro: Francisco Alves. (Trabalho original publicado em 1954-1955).

Winnicott, D. W. (1988). Variedades clínicas da transferência. In D. W. Winnicott (Org.), Textos Selecionados: da Pediatria à Psicanálise (pp. 483-490). Rio de Janeiro: Francisco Alves. (Trabalho original publicado em 1955-1956).

Winnicott, D. W. (1990). Natureza Humana. Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1988).

Winnicott, D. W. (1994). O Medo do Colapso. In C. Winnicott, R. Shepherd & M. Davis (Orgs.), Explorações psicanalíticas (pp. 70-76). Porto Alegre: Artes Médicas. (Trabalho original publicado em 1963).




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n2p116

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.