A experiencia emocional de autoras de mommy blogs

Andréia de Almeida Schulte, Sueli Regina Gallo-Belluzzo, Tânia Maria José Aiello-Vaisberg

Resumo


A presente pesquisa objetiva investigar psicanaliticamente a experiência emocional de mulheres que vivenciam a maternidade em contextos nos quais a opressão feminina apresenta caráter estrutural. Justifica-se tendo em vista a produção de conhecimentos relevantes para a clínica psicológica, vertentes psicoterapêuticas e psicoprofiláticas, e para debates que visam transformações sociais. Organiza-se ao redor do uso do método psicanalítico no estudo de dez postagens de mommy blogs, cuja consideração permitiu a produção interpretativa de dois campos de sentido afetivo-emocional ou inconsciente relativo às condutas: “dedicando-se exclusivamente” e “conciliando atividades”. O quadro geral sugere uma forte vinculação entre maternidade e sofrimento, ligando-se às exigências contemporâneas de uma maternidade enquanto única missão e destino feminino, mas de também desenvolver carreira profissional e contribuir financeiramente de modo significativo para o sustento familiar. Trata-se de uma situação que ocorre em diferentes classes, contextos culturais e situações geopolíticas, afetando não apenas a mulher, mas toda a família.


Palavras-chave


maternidade; contemporaneidade; sofrimento; psicanálise-metodologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Affonso, R. M. L., & Mota, E. G. (2002). A relação pais-filhos: Um estudo da dinâmica familiar. Psikhe, 7(1), 48-56.

Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2001). A função social da psicologia clínica da contemporaneidade. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 3(1), 93-99. Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/view/1103/814.

Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2017). Estilo Clínico ser e fazer: Resposta crítico-propositiva a despersonalização e sofrimento social. Boletim: Academia Paulista de Psicologia, 37(92), 41-62. Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2017000100005&lng=pt&tlng=pt.

Amaral, M. F., & Bispo, T. C. F. (2016). Mães e filhos atrás das grades: Um olhar sobre o drama do cuidar de filhos na prisão. Revista de Enfermagem Contemporânea, 5(1), 51-58. http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v5i1.836.

Ambrósio, F. F., Aiello-Fernandes, R., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2013, Dezembro). Pesquisando sofrimentos sociais com o método psicanalítico: Considerações conceituais. In L. S. L. P. C. Tardivo, & T. M. Aiello-Vaisberg, J. (Eds.), Anais da XI Jornada Apoiar Adolescência: Identidade e sofrimento na clínica social. Instituto de Psicologia/USP. São Paulo, SP.

Ancona-Lopez, M. (1983). Considerações sobre o atendimento fornecido por clínicas-escola de psicologia. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 35(2), 123–135. Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abp/article/view/18922/17664.

Badinter, E. (1985). Um amor conquistado: O mito do amor materno. Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira.

Badinter, E. (2010). Le conflit: La femme et la mère. Paris, França: Flammarion.

Beauvoir, S. (1980). O Segundo Sexo (Vols. 1-2). (S. Milliet, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira. (Original publicado em 1949).

Bleger, J. (1984). Psicologia da conduta. (E. O. Diehl, Trad.). Porto Alegre, RS: Artes Médicas. (Original publicado em 1963).

Chodorow, N. (1978). The reproduction of mothering. Berkley, CA: University of California Press.

Collin, F., & Laborie, F. (2009). Maternidade. In H. Hirata, F. Laborie, H. Doaré, & D. Senotier (Eds.), Dicionário critico do feminismo. (pp. 133-138). São Paulo, SP: Editora UNESP.

Corbett, E. (2014) Contos sem fadas: mães e filhos em situação de violência doméstica (Tese de doutorado, PUC-Campinas). Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/bitstream/tede/462/1/Elisa%20Corbett.pdf.

Couto, T. H. A. M., Tachibana, M., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2007) A mãe, o filho e a síndrome de Down. Paidéia (Ribeirão Preto), 17(37), 265-272. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2007000200010.

Dejours, C. (1993) Travail, usure mentale. De la psychopathologie à la psychodynamique du travail. Paris, França: Bayard. (Original publicado em 1980).

Dejours, C. (1998). Souffrance en France: La banalisation de l'injustice sociale. Paris, França: Editions du Seuil.

Fougeyrollas-Schwebel (2009). Movimentos feministas. In H. Hirata, F. Laborie, H. Doaré, & D. Senotier (Eds.), Dicionário critico do feminismo. (pp. 144-149). São Paulo, SP: Editora UNESP.

Freud, S. (1996). Estudos sobre histeria: Emmy von N. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. II). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1895).

Freud, S. (1996). A história do movimento psicanalítico. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. XIV). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1914).

Freud, S. (1996). Conferência XXII: Algumas ideias sobre desenvolvimento e regressão: Etiologia. In S. Freud, Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (vol. XVI). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1917).

Freud, S. (1996). Dois verbetes de enciclope?dia. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. XVIII). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1922).

Freud, S. (1996). Algumas consequências psíquicas da distinção anatômica entre os sexos. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. XIX). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1925).

Gallo-Belluzzo, S. R., Corbett, E., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2013). The first experience of clinical practice on psychology students’ imaginary. Paidéia (Ribeirão Preto), 23(56), 389-396. doi:10.1590/1982-43272356201313

Garcia, C. C. (2011). Breve história do feminismo. São Paulo, SP: Claridade.

Gottlieb, A. (2012). Tudo começa na outra vida. A cultura dos recém-nascidos no oeste da África. São Paulo, SP: Editora Fap-Unifesp.

Granato, T. M. M., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2009). Maternidade e colapso: Consultas terapêuticas na gestação e pós-parto. Paideia, 19(44), 395-401. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2009000300014.

Granato, T. M. M., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2011). Uso terapêutico de narrativas interativas com mães em situação de precariedade social. Psico, 42(4), 494-502. Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/7122/7456.

Herrmann, F. (2004). Pesquisando com o método psicanalítico. In F. Herrmann, & T. Lowenkron (Eds.), Pesquisando com o método psicanalítico. (pp. 43-83). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo. (Original publicado em 1979).

Hollway, W. (2006). The capacity to care: Gender and ethical subjectivity. London, England: Routledge.

Kleinman, A., Das, V., & Lock, M. (Eds.). (1997). Social Suffering, Berkeley, CA: University of California Press.

Luccio, F., & Nicolacida-Costa, A. (2010). Blogs: de diários pessoais a comunidades virtuais de escritores/leitores. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(1), 132-145. http://dx.doi.org/10.1590/s1414-98932010000100010.

Melo, S. A., & Perfeito, H. (2006). Características da população infantil atendida em triagem no período de 2000 a 2002 numa clínica-escola. Estudos de Psicologia (Campinas), 23(3), 239-249. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2006000300003.

Merg, M. M. G. (2008). Características da clientela infantil em clínica-escola. (Dissertação de Mestrado), PUC do Rio Grande do Sul, RS. Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/4972/1/000411813-Texto%2bCompleto-0.pdf.

Miguel, L. F., & Biroli, F. (2014) Feminismo e política: Uma introdução. São Paulo, SP: Boitempo.

Nascimento, A. O., & Faro, A. (2015). Estratégias de enfrentamento e o sofrimento de mães de filhos com paralisia cerebral. Revista Latinoamericana de Psicologia de la Salud y Social, 6 (3), 195-210. http://dx.doi.org/10.22199/S07187475.2015.0003.00001.

Petersen, E. J. (2015). Mommy bloggers as rebels and community builders: A generic description. Journal of the Motherhood Initiative for Research and Community Involvement, 6(1), 9-30. Recuperado em 29 de abril de 2019, de https://jarm.journals.yorku.ca/index.php/jarm/article/view/40238/36420.

Pinsky, C. B., & Pedro, J. M. (ed.) (2012). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo, SP: Contexto.

Politzer, G. (1998). Crítica dos fundamentos da psicologia: A psicologia e a psicanálise. (M. Marcionilo, & Y. M. C. T. da Silva, Trads.). Piracicaba, SP: Editora Unimep. (Original publicado em 1928).

Renault, E. (2004). L’expérience de l’injustice. Reconaissance et clinique de l’injustice. Paris, França: La Découverte.

Renault, E. (2008). Souffrances sociales. Sociologie, psychologie et politique. Paris, França: La Découverte.

Rogoff, B. (2005). A natureza cultural do desenvolvimento humano. (R. C. Costa, Trad.). Porto Alegre, RS: Artmed. (Original publicado em 2003).

Scabio, J. (2016). Sofrimento, fé e justiça: Um estudo sobre um grupo de mães de vítimas de acidentes de trânsito e de violência policial. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, 9(1), 111-140. Recuperado em 29 de abril de 2019, de https://revistas.ufrj.br/index.php/dilemas/article/view/7675/6187.

Scavone, L. (2001) Maternidade: Transformações na família e nas relações de gênero. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 5(8), 47-60. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832001000100004.

Scavone, L. (2004). Dar a vida e cuidar da vida: Feminismo e ciências sociais. São Paulo, SP: Editora Unesp.

Schulte, A. A. (2016). Maternidade contemporânea como sofrimento social em blogs brasileiros. (Dissertação de Mestrado, PUCCampinas). Recuperado em 29 de abril de 2019, de: http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/bitstream/tede/892/2/Andreia%20de%20Almeida%20Schulte.pdf

Schulte, A. A., Gallo-Belluzzo, S.R., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2016a, Dezembro). Experiência emocional sobre a maternidade veiculada em blogs brasileiros: Considerações iniciais. In L. S. L. P. C. Tardivo, & T. M. J. Aiello-Vaisberg (Eds.), Anais da XIV Jornada Apoiar “Saúde mental e interdisciplinaridade: Propostas e pesquisas, IP/USP. São Paulo, SP.

Schulte, A. A., Gallo-Belluzzo, S. R., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2016b). Postagens em blogs pessoais: Aproximação do acontecer humano em pesquisas psicanalíticas. Psicologia Revista, 25(2), 227-241. Recuperado em 29 de abril de 2019, de https://revistas.pucsp.br/psicorevista/article/view/30138/21350.

Segeren, L., & Françozo, M. F. C. (2014). As vivências de mães de jovens autistas. Psicologia em Estudo, 19(1), 39-46. http://dx.doi.org/10.1590/1413-7372207840004.

Tain, L. (2005). Um filho quando eu quiser? O caso da França contemporânea. Estudos Feministas, 13(1), 53-67. Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://www.scielo.br/pdf/ref/v13n1/a04v13n1.pdf.

Vázquez, G. (2014). Maternidade e feminismo: Notas sobre uma relação plural. Revista Trilhas da História, 3(6), 167-181. Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://seer.ufms.br/index.php/RevTH/article/view/472/273.

Visintin, C. D. N., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2017). Motherhood and social suffering in Brazilian mommy blogs. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 19(2), 108-116. http://dx.doi.org/10.5935/1980-6906/psicologia.v19n2p108-116.

Webb, L. M., & Lee, B. S. (2011). Mommy blogs: The centrality of community in the performance of online maternity. In M. Moravec (Ed.), Motherhood online (pp. 244-257). Newcastle upon Tyne, UK: Cambridge Scholars Publishing.

Winnicott, D. W. (2000). Desenvolvimento emocional primitivo. In D. W. Winnicott. Da pediatria à psicanálise: Obras escolhidas. (D. Bogomeletz, Trad.). (pp. 218-232). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1945).

Winnicott, D. W. (2000). Preocupação materna primária. In D. W. Winnicott. Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas. (D. Bogomeletz, Trad.). (pp. 340-405). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1956).

Winnicott, D. W. (1998). O relacionamento inicial da mãe com o filho. In D. W. Winnicott. A família e o desenvolvimento do indivíduo, Belo Horizonte, MG: Interlivros. (Original publicado em 1960).

Winnicott, D. W. (1983). Comunicação e falta de comunicação levando ao estudo de certos opostos. In D. W. Winiccott. O ambiente e os processos de maturação: Estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional. (I.C.S. Ortiz, Trad.). (pp. 163-174). Porto Alegre, RS: Ed. Artmed. (Original publicado em 1963).

Winnicott, D. W. (1999). A mãe dedicada comum. In D. W. Winnicott. Os bebês e suas mães. (J. L. Camargo, Trad.). (pp. 1-11). São Paulo, SP: Martins Fontes. (Original publicado em 1966).

Yoshida, E. M. P., Gatti, A. L., & Xavier, I. A. (1994). Avaliação do perfil e das queixas de crianças encaminhadas para psicoterapia dinâmica breve. Estudos de Psicologia, 11(3), 27-33.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n1p107

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.