Juventude e formação: a política pública de formação profissional como cenário

Manuella Castelo Branco Pessoa, Maria de Fatima Pereira Alberto, Orlando Junior Viana Macêdo, Antonia Picornell Lucas

Resumo


O estudo objetivou caracterizar a formação oferecida pela Política Pública de Formação Profissional por meio de uma pesquisa documental nos programas que a compõem. Foram acessados: relatórios, legislação, manuais, atas, projetos políticos pedagógicos, dados de inserção e sites. Realizou-se uma Análise de Conteúdo Temática e os dados foram analisados meio do programa QDA Miner. Os resultados apontaram que a Política colabora com a qualificação profissional juvenil, mas também serve ao capital na medida em que massifica os cursos profissionalizantes e utiliza-os como forma de enriquecimento e produção de mão de obra barata. Conclui-se ser necessário superar a visão reducionista de que a falta de qualificação é a responsável pelo desemprego, deixando-se desviar das determinações estruturais e de precarização. Discute-se a necessidade de ultrapassar a certificação vazia, contemplando o jovem como sujeito socialnesse processo de formação, para que, assim, esta possa acontecer concretamente.


Palavras-chave


jovens; formação profissional; políticas públicas

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, L. A. M. (2013). Ensino técnico: Uma necessidade ou uma falácia? Notas para a compreensão da filosofia do ensino técnico em Portugal e no Brasil. Historia e Educação, 41(17), 103-122. http://dx.doi.org/10.1590/S2236-34592013000300007.

Amorim, M. L. (2013). Exigência para o desenvolvimento das nossas indústrias: O ensino técnico no contexto da lei orgânica do ensino industrial. História e educação, 41(17), 123-138. http://dx.doi.org/10.1590/S2236-34592013000300008.

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. Edições 70: Lisboa, Portugal.

Bernardim, M. L. (2013). Juventude, escola e trabalho: Sentidos atribuídos ao ensino médio integrado por jovens da classe trabalhadora (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Dalarosa, A. A., & Souza, J. P. (2014). Orientações internacionais nas políticas de educação e trabalho para a juventude no contexto brasileiro. Conjectura: Filosofia e Educação, 19(2), 84-107. Recuperado em 29 de abril de 2019, de http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conjectura/article/view/2486/pdf_245.

Frigotto, G. (2013). Educação e qualificação de jovens e adultos pouco escolarizados: Promessa integradora num tempo histórico de produção destrutiva. Perspectiva, 31(2), 389-404. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2013v31n2p389.

Linhares, M. I. S. B. (2014). Aprendendo a ser trabalhador: Na cadência do primeiro passo. Revista Contraponto, 1(1), 7-22. Recuperado em 29 de abril de 2019, de https://seer.ufrgs.br/contraponto/article/view/46226/28809.

Nascimento, N. I. M. (2014). Exclusão social versus oportunidades: A estratégia discursiva das políticas públicas de juventude no Brasil. Revista Perspectivas Sociais, 3(1), 1-22. Recuperado em 29 de abril de 2019, de https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/percsoc/article/view/2459/2771.

Netto, J. P. (2011). Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Pelissari, L. B. (2012) O fetiche da tecnologia e o abandono escolar na visão de jovens que procuram a educação profissional técnica de nível médio. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba. Recuperado em 29 de abril de 2019, de https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/27670/R%20-%20D%20-%20PELISSARI%2c%20LUCAS%20BARBOSA.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Porchman, M. (2013). Juventudes na transição para a sociedade pós-industrial. In J. Macambira, & F. R. B. Andrade (Eds.), Trabalho e formação profissional: Juventudes em transição. (pp. 37-56). Fortaleza: IDT, UECE.

Puerta, B. M. G., & Aznarte, M. T. D. (2013). Reforma laboral en España: Precariedad, desigualdad social y funcionamiento del mercado de trabajo. Estudios Socio-juridicos, 15(2), 41-71. Recuperado em 29 de abril de 2019, de https://revistas.urosario.edu.co/index.php/sociojuridicos/article/viewFile/2519/2320.

Sá-Silva, J. R, Almeida, C. D., & Guindani, J. F. (2009). Pesquisa documental: Pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 1(1), 1-15. Recuperado em 29 de abril de 2019, de https://www.rbhcs.com/rbhcs/article/view/6/pdf.

Silva, L. P. (2010). Formação profissional no Brasil: O papel do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI. História (São Paulo), 29(1), 394-417. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-90742010000100022

Souza, C., Paiva, I. L., & Oliveira, I. F. (2014). Que política é essa? Um olhar sobre as políticas de juventude no Brasil. In I. L. Paiva, M. A. Bezerra, G. S. N. Silva, & P. D. Nascimento (Eds.), Infância e Juventude em contextos de vulnerabilidades e resistências. São Paulo: Zagodoni.

Sposati, A. (2010) Topografia social da cidade de João Pessoa. Cedest/IEE/PUCSP.

Tommasi, L. (2014). Juventude, projetos sociais, empreendedorismo e criatividade: Dispositivos, artefatos e agentes para o governo da população jovem. Passagens. Revista Internacional de História Política e Cultura Jurídica, 6(2), 287-311. Recuperado em 29 de abril de 2019, de https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=337330681005.

Vygotski, L. S. (2006). Obras escogidas. Madrid: Visor.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n1p153

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.