Escala de projetos de vida para adolescentes: evidências de validade de conteúdo

Jessica Particelli Gobbo, Tatiana de Cássia Nakano, Letícia Lovato Dellazzana-Zanon

Resumo


A temática dos projetos de vida de adolescentes tem se mostrado um tema relevante na Psicologia, especificamente, na Psicologia do Desenvolvimento. Diante da lacuna de instrumentais que tenham esse objetivo, o presente estudo consistiu na investigação das evidências de validade de conteúdo da Escala de Projetos de Vida para Adolescentes (EPVA), em desenvolvimento. Para isso, cinco peritos no assunto atuaram como juízes, classificando os 116 itens do instrumento em sete dimensões: relacionamentos afetivos, estudo, trabalho, aspirações positivas, bens materiais, religião/espiritualidade e sentido da vida. A análise dos coeficientes de concordância demonstraram a adequação dos itens, sendo possível manter 88% da escala inicial. As análises dos coeficientes de Kappa evidenciaram índice de concordância acima de 0,75 para todos os juízes. Os resultados apontaram para a adequação da escala ao construto e dimensões que pretende avaliar.


Palavras-chave


projetos de vida; validade de conteúdo; avaliação psicológica; coeficiente kappa

Texto completo:

PDF

Referências


Alexandre, N. M. C., & Coluci, M. Z. O. (2011). Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Ciência e Saúde, 16(7), 3061-3068. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000800006.

Alves, G. A. S., Souza, M. S., & Baptista, M. N. (2011). Validade e precisão de testes psicológicos. In R. A. M. Ambiel, I. S. A. Rabelo, S. V. Pancanaro, G. A. S. Alves, & I. F. A. S. Leme (Eds.), Avaliação Psicológica: Guia de consulta para estudantes e profissionais de psicologia (pp. 109-128). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Araújo, U. F., Arantes, V. A., Danza, H. C., Pinheiro,V.P. G., & Garbin, M. (2016). Principles and methods to guide education for purpose: A Brazilian experience. Journal of Education for Teaching, 42(5), 556-564. https://doi.org/10.1080/02607476.2016.1226554.

Beckstead, J. W. (2009). Content validity is naught. International Journal of Nursing Studies, 46, 1274-1283. https://psycnet.apa.org/doi/10.1016/j.ijnurstu.2009.04.014.

Bock, A. M. M., & Liebesny, B. (2003). Quem eu quero ser quando crescer: Um estudo sobre o projeto de vida de jovens em São Paulo. Em S. A, Ozella (Ed.), Adolescências construídas a visão da psicologia sócio-histórica (pp. 203-222). São Paulo: Cortez.

Bronk, C, K. (2014). Purpose in life. A critical component of optimal youth development. Netherlands: Springer.

Bundick, M., Andrews, M., Jones, A., Mariano, J. M., Bronk, K. C., & Damon, W. (2006). Revised youth purpose survey. Stanford, CA: Stanford Center on Adolescence.

Cardoso, C. P., & Cocco, M. I. M. (2003). Projeto de vida de um grupo de adolescentes à luz de Paulo Freire. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 11(6), 778-785. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692003000600012.

Crumbaugh, J. C. (1968). Cross-validation of Purpose in Life test based on Frankl’s concepts. Journal of Individual Psychology, 24, 74–81.

Crumbaugh, J. C., & Maholick, L. T. (1964). An experimental study in existentialism: The psychometic approach to Frankl’s concept of noogenic neurosis. Journal of Clinical Psychology, 20, 200–207. https://psycnet.apa.org/doi/10.1002/1097-4679(196404)20:2%3C200::AID-JCLP2270200203%3E3.0.CO;2-U.

D´Aurea-Tardeli, D. (2008). A manifestação da solidariedade em adolescentes: um estudo sobre a personalidade moral. Psicologia: Ciência e Profissão, 28(2), 288-303.

D´Aurea-Tardeli. D. (2010). Identidade e adolescência: Expectativas e valores do projeto de vida. Revista Eletrônica Pesquiseduca, 2(3), 65-74. Recuperado em 29 de maio de 2019, de http://periodicos.unisantos.br/index.php/pesquiseduca/article/view/76/pdf_1.

Damon, W. (1995). Greater expectations: Overcoming the culture ofindulgence in our homes and schools. New York: Free Press.

Damon, W. (2009). O que o jovem quer da vida? Como pais e professores podem orientar e motivar os adolescentes (J. Valpassos, Trad.). São Paulo, SP: Summus.

Damon, W., Menon, J. & Bronk, K.C. (2003). The development of purpose during adolescence. Applied Developmental Science, 7, 119-128. https://doi.org/10.1207/S1532480XADS0703_2.

Dellazzana-Zanon, L. L. (2016). Avaliação das propriedades psicométricas da Escala de Projeto de Vida para Adolescentes (EPVA) e suas relações com felicidade subjetiva e comportamento de risco (Projeto de pesquisa aprovado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

Dellazzana-Zanon, L. L., & Freitas, L. B. L. (2015). Uma revisão de literatura sobre a definição de projeto de vida na adolescência. Interação em Psicologia, 19(2), 281-292. http://dx.doi.org/10.5380/psi.v19i2.35218.

Erikson, E. (1976). Identidade, juventude e crise (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Zahar. (Trabalho original publicado em 1968).

Farias Júnior, J. C., Nahas, M. V., Barros, M. V. G., Loch, M. R., Oliveira, E. S. A., ..., & Lopes, A. S. (2009). Comportamentos de risco à saúde em adolescentes no Sul do Brasil: Prevalência e fatores associados. Revista Panamericana de Salud Pública, 25(4), 344-352. Recuperado em 29 de maio de 2019, de https://scielosp.org/pdf/rpsp/2009.v25n4/344-352/pt.

Feijó, R. B., & Oliveira, E. A. (2001). Comportamento de risco na Adolescência. Jornal de Pediatria, 77(2), 125-134. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.300.

Fleiss, J. L., Levin, B., & Paik, M. C. (2003). The Measurement of Interrater Agreement. In J. L. Fleiss, B. Levin, & M. C. Paik (Eds.), Statistical Methods for Rates and Proportions (pp. 598-626). New York, NY: John Wiley & Sons Inc.

Furlani, D. D., & Bomfim, Z. A. C. (2010). Juventude e afetividade: Tecendo projetos de vida pela construção dos mapas afetivos. Psicologia & Sociedade, 22(1), 50-59. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822010000100007.

Gonçalves, H. S., Borsoi, T. S., Santiago, M. A., Lino, M. V., Lima, I. N., & Federico, R. G. (2008). Problemas da juventude e seus enfrentamentos: Um estudo de representações sociais. Psicologia e Sociedade, 20(2), 217-225. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822008000200009.

Graf, L. P., & Diogo, M. F. (2009). Projeções juvenis: Visões ocupacionais e marcas de gênero. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 10(1), 71-82. Recuperado em 29 de maio de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902009000100009&lng=pt&tlng=pt.

Hablas, R., & Hutzell, R. (1982). The Life Purpose Questionnaire: An alternative to the Purpose in Life test for geriatric, neuropsychiatric patients. In S. A. Wawrytko (Ed.), Analecta Frankliana: The proceedings of the First World Congress of Logotherapy: 1980 (pp. 211–215). Berkeley: Strawberry Hill.

Inhelder, B., & Piaget, J. (1976). Da lógica da criança a lógica da adolescente: Ensaio sobre a construção das estruturas operatórias formais (D. M. Leite, Trad.). São Paulo: Pioneira. (Trabalho original publicado em 1958).

La Taille, Y de. (2009). Formação ética: Do tédio ao respeito de si. Porto Alegre, RS: Artmed.

Law, B. M. (2012). Psychometric properties of the existence subscale of the Purpose in Life questionnaire for Chinese adolescents in Hong Kong. The Scientific World Journal.

Leão, G., Dayrell, J. T., & Reis, J. B. (2011). Juventude, projetos de vida e Ensino Médio. Educação & Sociedade, 32(117), 1067-1084. ttp://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302011000400010.

Miranda, F. H. F. (2007). Projetos de vida na adolescência: Um estudo na área da ética e da moralidade. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Brasil.

Pacico, C.J., & Hutz, C.S. (2015). Validade. In C.S Hutz, D. R Bandeira, & C.M Trentini. (Eds.), Psicometria (pp. 71-84). Porto Alegre, RS: Artmed.

Paredes, E. C., & Pecora, A. R. (2004). Questionando o futuro: As representações sociais de jovens estudantes. Psicologia: Teoria e Prática, Edição Especial, 49-65. Recuperado em 29 de maio de 2019, de http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/view/1174/873.

Pasquali, L. (2010). Instrumentação psicológica: Fundamentos e práticas. Porto Alegre, RS: Artmed.

Perroca, M.G., & Gaidzinski, R. R. (2003). Avaliando a confiabilidade interavaliadores de um instrumento para classificação de pacientes: Coeficiente Kappa. Revista Escola de Enfermagem USP, 37(1), 72-80. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342003000100009.

Piaget, J. (2007). Seis estudos de Psicologia (24th ed.) (M. A. M. D’Amorim, & P. S. L Silva, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária. (Original publicado em 1964).

Pratta, E. M. M., & Santos, M. A. (2007). Opiniões dos adolescentes do ensino médio sobre o relacionamento familiar e seus planos para o futuro. Paidéia, 17(36), 103-114. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2007000100010.

Santos, M. I. (2002). Projeto de vida e perspectivas futuras: Um estudo sobre as representações sociais do tempo futuro presente. (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Slocurnb, E. M., & Cole, F. L. (1991). A Practical Approach to Content Validity. Applied Nursing Research, 4(4), 192-200.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n1p20

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.