Estudos brasileiros sobre o cotidiano no contexto da docência: uma revisão sistemática

Andreia Martins, Camila Trindade, Maria Chalfin Coutinho

Resumo


O presente trabalho apresenta uma pesquisa de revisão sistemática em estudos brasileiros sobre a temática do cotidiano em contextos de docência, mais especificamente, sobre as abordagens teórico-metodológicas utilizadas nos mesmos. Foram selecionadas publicações indexadas nas bases de dados Portal de Periódicos da CAPES/MEC e no Scielo, no período de 2006 a 2015. Apesar da diversidade teórica de perspectivas sobre o cotidiano, verificou-se que os estudos produzidos no cenário brasileiro se ancoram nas teorias sobre o cotidiano de Michel de Certeau e de Agnes Heller. Em relação aos aspectos metodológicos os estudos analisados evidenciaram o uso de vários instrumentos de pesquisa, sendo a entrevista e a observação, as técnicas mais utilizadas. No que concerne à análise das informações em estudos brasileiros sobre o cotidiano, no contexto da docência, observou-se que a maioria dos estudos não reportam de forma detalhada como procederam a apreciação e o tratamento de seus dados.


Palavras-chave


cotidiano; docência; métodos de pesquisa

Texto completo:

PDF

Referências


Adami, M. J. (2009). O Projeto Ciência na Escola no cotidiano escolar: Uma prescrição ou uma contribuição aos professores? (Dissertação de mestrado). Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Aguiar, W. M. J., & Ozella, S. (2013). Núcleos de significação: Aprimorando a proposta dos núcleos de significação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94(236), 299-322. http://dx.doi.org/10.1590/198053142818.

Aliane, P. P., Mamede, M. V., & Furtado, E. F. (2011). Revisão sistemática sobre fatores de risco associados à depressão pós-parto. Psicologia em Pesquisa, 5(2), 146-155. Recuperado em 28 de maio de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-12472011000200007&lng=pt&tlng=pt.

Alvarenga, C. F. (2008). Relações de gênero e trabalho docente: Jornadas e ritmos no cotidiano de professoras e professores. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Annibal, S. F. (2009). Aspectos mediadores e a identidade docente na sociedade contemporânea: O contexto do ensino de língua portuguesa. (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista, Marília.

Aragão, M., & Freitas, A. G. B. de (2012). Práticas des castigos escolares: Enlaces históricos entre normas e cotidiano. Conjectura, 17(2), 17-36. Recuperado em 28 de maio de 2019, de http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conjectura/article/view/1648/1024.

Azanha, J. M. P. (1992). Uma Idéia de Pesquisa Educacional. São Paulo, SP: Editora da Universidade de São Paulo.

Bell, J. (2008). Projeto de pesquisa: Guia para pesquisadores iniciantes em educação, saúde e ciências sociais. (4ª ed). Porto Alegre, RS: Artmed.

Berger, P. L., & Luckmann, T. (2011) Os fundamentos do conhecimento na vida cotidiana. In: P. L. Berger, & T. Luckmann, A construção social da realidade. (33ª ed). Petrópolis, Vozes.

Bezerra, B. S. (2009). Saberes docentes no cotidiano escolar: Uma análise no cenário dos ciclos e da progressão continuada. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Camargo, P. E. B. de (2013). No compartilhar das palavras: Experiências de um professor de Geografia. (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

Carreri, A. V. (2007). Cotidiano escolar e políticas curriculares: Táticas entre professores consumidores. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Certeau, M. de. (2008). A invenção do Cotidiano: 1. Artes de Fazer (15ª ed). Petrópolis, RJ: Vozes.

Corrêa, R. M. (2009). Na escuta: Encontros e diálogos dos/com os professores sobre os dilemas do cotidiano escolar. (Tese de doutorado). Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Coutinho, M. C., Oliveira, F., & Sato, L. (2016). Olhar o cotidiano: Percursos para uma psicologia social do trabalho. Psicologia USP, 27(2), 130-136. doi:10.1590/0103-656420140053.

Duran, M. C. G. (2007). Maneiras de pensar o cotidiano com Michel de Certeau. Diálogo Educacional, 7(22), 115-128. Recuperado em 28 de maio de 2019, de https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/4177/4096.

Guedes-Pinto, A. L., & Fontana, R. A. C. (2006). Apontamentos teórico metodológicos sobre a prática de ensino na formação inicial. Educação em Revista, 44, 69-87. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982006000200004.

Heller, A. (2014). Cotidiano e História. 10. ed. São Paulo, SP: Paz & Terra.

Horibe, A. C. B. (2012). Formação profissional e saberes docentes: Um estudo com professores da educação básica. (Dissertação de mestrado). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Lara, A. F. L., Tanamachi, E. de R., & Junior, J. L. (2006). Concepções de desenvolvimento e de aprendizagem no trabalho do professor. Psicologia em Estudo, 11(3), 473-482. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722006000300003.

Lopretti, T. A. P. (2007). A produção de saberes e conhecimentos no cotidiano escolar: Imagens de limites e possibilidades da ação educativa. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Luchese, T. Â., & Grazziotin, L. S. (2015). Memórias de docentes leigas que atuaram no ensino rural da Região Colonial Italiana, Rio Grande do Sul (1930 - 1950). Educação e Pesquisa, 41(2), 341-358. http://dx.doi.org/10.1590/s1517-97022015041795.

Maffesoli, M. (1988). Conhecimento comum: Compêndio de sociologia compreensiva. (Trad. Aluizio Ramos Trinta). São Paulo, SP: Brasiliense.

Martins, J. S. (1998). O senso comum e a vida cotidiana. Tempo Social, 10(1), 1-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20701998000100001.

Martins, J. S. (2015). A sociabilidade do homem simples: Cotidiano e história na modernidade anômala. (3ª ed). São Paulo, SP: Contexto.

Mielke, P. E. (2010). Princípios da educação ambiental nas práticas e discursos de professores do ensino fundamental. (Dissertação de mestrado). Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro.

Oliveira, C. M. de S. (2012). As implicações da implementação do currículo oficial do Estado de São Paulo no cotidiano de uma escola. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Presidente Prudente.

Pais, J. M. (2009). Sociologia da vida quotidiana. (5ª ed). Lisboa: ICS.

Patto, M. H. S. (1993). O conceito de cotidianidade em Agnes Heller e a pesquisa em educação. Perspectivas, 16, 119-141. Recuperado em 28 de maio de 2019, de https://periodicos.fclar.unesp.br/perspectivas/article/view/775/636.

Pierini, A. S. (2007). A (des)constituição da orientadora pedagógica na escola pública: Uma trama de muitos fios, vários laços e alguns nós. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Pinto, A. L. G., & Fontana, R. A. C. (2006). Apontamentos teórico-metodológicos sobre a prática de ensino na formação inicial. Educação em Revista, 44, 69-87. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982006000200004.

Sene, D. G. A. (2010). Rotas alternativas: Histórias de professoras que não puderam cursar os Programas Especiais de Formação Pedagógica Superior em São Paulo. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Sato, L., & Souza, M. P. R. (2001). Contribuindo para desvelar a complexidade do cotidiano através da pesquisa etnográfica em psicologia. Psicologia USP, 12(2), 29-47. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642001000200003.

Shiohara, A. (2009). O registro como mediação criadora de possibilidades. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Silva, J. R. (2012). Artes de fazer o ensino de história: Professor, aluno e livro didático entre os saberes admitido e inventivo. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Silva, L. C. B. (2012). Práticas de usos da leitura e da escrita, situadas na esfera escolar, no âmbito do trabalho docente e da gestão educacional. (Tese de doutorado). Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Silva, M. U. (2008). Avaliação formativa e reflexão pedagógica de um grupo de professores do ensino fundamental II – pesquisa-ação. (Tese de doutorado). Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marília.

Spink, P. K. (2008). O pesquisador conversador no cotidiano. Psicologia & Sociedade, 20, 70-77. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822008000400010.

Tedesco, J. C. (1999). Paradigmas do cotidiano: Introdução à constituição de um campo de análise social. (2ª ed). Passo Fundo, RS: UPF.

Zago, N. (2003). A entrevista e seu processo de construção: Reflexões com base na experiência prática de pesquisa. In N. Zago, M. P. Carvalho, & R. A. T. Vilela (Eds.), Itinerários de pesquisa: Perspectivas qualitativas em Sociologia da Educação (pp. 287-309). Rio de Janeiro, RJ: DP&A.

Zibetti, M. L. T., & Souza, M. P. R. (2010). A dimensão criadora no trabalho docente: Subsídios para a formação de professores alfabetizadores. Educação e Pesquisa, 36(2), 459-473. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022010000200003.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n1p41

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.