Empatia: perfil da produção científica e medidas mais utilizadas em pesquisa

Sonia Maria Lourenço Azevedo, Márcia Maria Peruzzi Elia da Mota, Marsyl Bulkool Mettrau

Resumo


O presente artigo faz uma revisão sistemática da literatura sobre o construto empatia com o objetivo de analisar as publicações neste tema em relação: (a) quantitativo de publicações por ano; (b) áreas das publicações; (c) tipo de estudo empírico; (d) instrumentos mais utilizados nas pesquisas empíricas. Realiza-se esta revisão na literatura nacional utilizando um Programa de busca nos sites acadêmicos no período de 2007 a 2017. A justificativa pela literatura nacional foi para identificar os estudos sobre o construto empatia, as áreas e, os instrumentos mais utilizados em nosso contexto, sendo estes brasileiros ou adaptados para nossa cultura. Os resultados apontaram que o tema “empatia” tem sido investigado em diversos campos e áreas de estudos tais como: psicologia, medicina, enfermagem, odontologia, fisioterapia, fonoaudiologia, educação, engenharia de produção. A maior frequência dos estudos encontra-se na área da psicologia, com uma forte tendência a validação de escala para nossa cultura e na área da saúde.


Palavras-chave


empatia; medida, psicologia; revisão sistemática

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, C. S., Formiga, N. S., & Cantinilo, A. (2017). Personality traits and empathic abilities: A predictive study on medical students. Boletim: Academia Paulista de Psicologia, 37(92), 129-138.

Batson, C. D., Fultz, J., & Schoenrade, P. A. (1987). Distress and empathy: Two qualitatively distinct vicarious emotions with different motivational consequences. Journal of Personality, 55, 19-39. doi:10.1111/j.1467-6494.1987.tb00426.x.

Belancieri, M. F., Beluci, M. L., Silva, D. V. R., & Gasparelo, E. A. (2010). A resiliência em trabalhadores da área da enfermagem. Estudos de Psicologia (Campinas), 27(2), 227-233. doi:10.1590/S0103-166X2010000200010.

Bryant, B. K. (1982). An index of empathy for children and adolescents. Child Development, 53(2), 413-425. doi:10.2307/1128984

Castro, M. S., Silva, N. L., Monteiro, W., Palma, A., & Resende, H. G.. (2010). Motivos de permanência dos praticantes nos programas de exercícios físicos oferecidos pelo Serviço Social do Comércio ? Brasil. Motricidade, 6(4), 23-33. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1646-107X2010000400004&lng=pt&tlng=pt.

Cosenza, R. M., Pereira, D. J., & Rabello L. F. M. F. (2010). Resolução de problemas interpessoais: Promovendo o desenvolvimento sociocognitivo na escola. Psicologia em Estudo, 15(4), 831-839. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722010000400019.

Costa, F. D., & Azevedo, R. C. S. (2010). Empatia, relação médico-paciente e treinamento médico: Uma visão qualitativa. Revista Brasileira de Educação Médica, 34(2), 261-269. doi:10.1590/S0100-55022010000200010.

Cox, C. L., Uddin, L. Q., Di Martino, A., Castellanos, F. X., Milham, M. P., & Kelly, C. (2012). The balance between feeling and knowing: Affective and cognitive empathy are reflected in the brain’s intrinsic functional dynamics. Social Cognitive and Affective Neuroscience, 7(6), 727-737. doi:10.1093/scan/nsr051.

D´Aurea-Tardeli, D. (2008). A manifestação da solidariedade em adolescentes: Um estudo sobre a personalidade moral. Psicologia: Ciência e Profissão, 28(2), 288-303. doi:10.1590/S1414-98932008000200006.

Damásio, A. R. (2009). Em busca de Espinosa: Prazer e dor na ciência dos sentimentos. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Davis, M. H. (1980). A Multidimensional approach to individual differences in empathy. Catalog of Selected Documents in Psychology, 10, p. 85. Recuperado de http://www.ucp.pt/site/resources/documents/ICS/GNC/ArtigosGNC/AlexandreCastroCaldas/24_Da80.pdf.

Davis, M. H. (1983a). Measuring individual difference in empathy: Evidence for a multidimensional approach. Journal of Personality and Social Psychology, 44, 113-126. doi:10.1037/0022-3514.44.1.113

Davis, M. H. (1983b). The effects of dispositional empathy: Evidence for a multidimensional approach. Journal of Personality and Social Psychology, 51(2), 167-184. doi:10.1111/j.1467-6494.1983.tb00860.x

Davis, M. H., & Oathout, H. A. (1992). The effect of dispositional empathy on romantic relationship behaviors: Heterosocial anxiety as a moderating influence. Journal of Personality and Social Psychology Bulletin, 18, 76-83. doi:10.1177/0146167292181011

De Greck M., Wang G., Yang X., Wang X., Northoff G., & Han, S. (2012). Neural substrates underlying intentional empathy. Social Cognitive and Affective Neuroscience, 7(2), 135-144. doi:10.1093/scan/nsq093

Del Prette, Z. A. P., Barreto, S., & Freitas, L. (2011). Habilidades sociais na comorbidade entre dificuldades de aprendizagem e problemas de comportamento: Uma avaliação multimodal. Psico, 42(4), 503-510. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/7593/7457.

Falcone, E. (1999). A avaliação de um programa de treinamento da empatia com universitários. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 1(1), 23-32. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55451999000100003&lng=pt&tlng=pt.

Falcone, E. M. O., Gil, D. B., & Ferreira, M. C. (2007). Um estudo comparativo da frequência de verbalização empática entre psicoterapeutas de diferentes abordagens teóricas. Estudos de Psicologia (Campinas), 24(4), 451-461. doi:10.1590/S0103-166X2007000400005.

Falcone, E. M. O., Ferreira, M. C., Luz, R. C. M., Fernández, C. S, Faria, C. A., & D’Augustin, J. F. (2008). Inventário de Empatia (IE): Desenvolvimento e validação de uma medida brasileira. Avaliação Psicológica, 7(3), 321-334. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v7n3/v7n3a06.pdf.

Falcone, E. M. O., Pinho, V. D. de, Ferreira, M. C., Fernandes, C. S., D'Augustin, J. F., Krieger, S. ... Pinheiro, L. C. (2013). Validade convergente do Inventário de Empatia (IE). Psico-USF, 18(2), 203-209. doi:10.1590/S1413-82712013000200004.

Ferreira, B. C., Del Prette, Z. A. P., & Lopes, D. C. (2009). Habilidades empáticas de crianças videntes e cegas e a possível influência de variáveis sociodemográficas. Interação em Psicologia, 13(1), p. 49-58. Recuperado de https://revistas.ufpr.br/psicologia/article/download/11745/10485.

Formiga, N. S. (2012, 29 de setembro). Os estudos sobre empatia: Reflexões sobre um construto psicológico em diversas áreas científicas. Portal Psicologia.pt. Recuperado de http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0639.pdf.

Formiga, N. S., Rique, J., Galvão, l., Camino, C., Mathias, A., & Medeiros, F. (2011). Escala Multidimensional de Reatividade Interpessoal - EMRI: consistência estrutural da versão reduzida. Revista Psicologia Trujill, 13(2), 171-184. Recuperado de http://revistas.ucv.edu.pe/index.php/R_PSI/article/download/171/83.

Freitas, L. C., & Del Prette, Z. A. P. (2010). Validade de critério do sistema de avaliação de habilidades sociais (SSRS-BR). Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(3), 430-439. doi:/10.1590/S0102-79722010000300003.

Freud, S. (2006). Os chistes e sua relação com o inconsciente. In J. Salomão (Trad.), Edição Standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (vol. 8). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1905).

Galvão, L. K. S., Camino, C. P. S., Gouveia, V. V., & Formiga, N. S. (2010). Proposta de uma medida de empatia focada em grupos: Validade fatorial e consistência interna. Psico-PUCRS, 41(3), 399-405. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/5923/5862.

Goleman, D. (1995). Inteligência emocional. Rio de Janeiro, RJ: Objetiva

Gouveia, V. V., Guerra, V. M., Santos. W. S., Rivera, G. A., & Singelis, T. M. (2007). Escala de Contágio Emocional: adaptação ao contexto Brasileiro. Psico-PUCRS, 38(1), 45-54. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/1923/1429.

Harzing, A. W. (2007). Google Scholar: A new data source for citation analysis. Ethics in Science and Environmental Politics, 8(1), 61-73. doi:10.3354/esep00076.

Hoffman, M. (1981). Is altruism part of human nature? Journal of Personality and Social Psychology, 40, 121-137. doi:10.1037/0022-3514.40.1.121

Hoffman, M. (1990). The contribution of empaty to justice and moral judgment. In N. Eisenberg, & J. Strayer (Eds.), Empathy and its development (pp. 47-80). Cambridge, MA: Cambridge University Press.

Hora, H. R. M., Moura, L. A. T., & Vieira, G. B. S. V. (2009). Análise da qualidade de serviços de um shopping center, na percepção dos clientes internos. Revista Eletrônica Produção & Engenharia, 2(2), 126-138. Recuperado de http://www.fmepro.org/ojs/index.php/rpe/article/view/141/72.

Ickes, W. (1997). Introduction. In W. Ickes (Ed.), Emphatic accuracy (pp. 1-16). New York, NY: The Guilford Press.

Ickes, W. & Simpson, J. A. (1997). Managing empathic accuracy in close relashionships. In W. Ickes (Ed.), Emphatic accuracy (pp. 218-250). New York, NY: The Guilford Press.

Kirst-Conceição, A. da C., & Martinelli, S. de C. (2014). Análises psicométricas iniciais de uma escala de empatia infantojuvenil (EEmpa-IJ). Avaliação Psicológica, 13(3), 351-358. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v13n3/v13n3a07.pdf.

Koller, S. H., Camino, C., & Ribeiro, J. (2001). Adaptação e validação de duas escalas de empatia para uso no Brasil. Estudos de Psicologia, 18(3), 43-53. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2001000300004.

Lopes, D. C.; Del Prette, Z. A. P., & Del Prette, A. (2013). Recursos multimídia no ensino de habilidades sociais a crianças de baixo rendimento acadêmico. Psicologia Reflexão e Crítica, 26(3), 451-458. doi:10.1590/S0102-79722013000300004.

Oliveira, M., Falcone, E., & Ribas Jr., R. (2009). A avaliação das relações entre a empatia e a satisfação conjugal: Um estudo preliminar. Interação em Psicologia, 13(2). doi:10.5380/psi.v13i2.8025.

Oliveira, O. J., & Ferreira, E. C. (2008). Adaptação e aplicação da escala SERVQUAL na educação superior. Gestão da Produção, Operações e Sistemas – GEPROS, 3(3), 133-146. https://doi.org/10.15675/gepros.v3i3.473.

Parasuraman, A., Zeithami, V. A., & Berry, L. L. (1988). ServQual: A multiple-item scale for measuring consumer peceptions of service quality. Journal Retailing, 64(1), 12-40.

Prass, R. M., Sant’Anna, L. C., & Godoy, L. P. (2010). Avaliação da qualidade de serviços prestados na área educacional através do modelo Servqual. Revista Gestão Industrial, 6(2), 213-231. doi:10.3895/S1808-04482010000200012

Ramos, T., M., B., Pedrão, L. J., & Furegato, A., R., F. (2009). A relação de ajuda não-diretiva junto ao cuidador de um idoso incapacitado. Revista Eletrônica de Enfermagem, 11(4), 923-31. Recuperado de https://www.fen.ufg.br/revista/v11/n4/pdf/v11n4a18.pdf.

Rodrigues, M. C., & Ribeiro, N. N. (2011). Avaliação da empatia em crianças participantes e não participantes de um programa de desenvolvimento sociocognitivo. Psicologia: Teoria e Prática, 13(2), 114-126. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v13n2/v13n2a09.pdf.

Rogers, C. R. (1992). Terapia centrada no cliente. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Rogers, C. R. (2001). Tornar-se pessoa (5.ed.). São Paulo, SP: Martins Fontes.

Sampaio, L. R., Camino, C. P. dos S., & Roazzi, A. (2009). Revisão de aspectos conceituais, teóricos e metodológicos da empatia. Psicologia: Ciência e Profissão, 29(2), 212-227. doi:10.1590/S1414-98932009000200002.

Sampaio, L. R., Guimarães, P. R. B, Camino, C. P. S., Formiga, N. S., & Menezes, I. G. (2011). Estudos sobre a dimensionalidade da empatia: Tradução e adaptação do Interpersonal Reactivity Index (IRI). Psico, 42(1), 67-76. Recuperado de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/6456/6302.

Sardinha, A., Falcone, E. M. de O., & Ferreira, M. C. (2009). As relações entre a satisfação conjugal e as habilidades sociais percebidas no cônjuge. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(3), 395-402. doi:10.1590/S0102-37722009000300013.

Silva, P. R. R. da. (2016). Empatia e reciprocidade em ratos Wistar: Um paradigma para avaliar comportamento pró-social. (Dissertação em Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. Recuperado de https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/21584?locale=en.

Silva, M., Batista, A. P., Oliveira, J. P., & Dassie-Leite, A. P. (2012). Habilidades sociais em crianças disfônicas. Jornal da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 24(4), 361-367. doi:10.1590/S2179-64912012000400012.

Woyciekoski, C., & Hutz, C. S. (2010). Inteligência emocional avaliada por autorrelato difere do construto personalidade? Psico-USF, 15(2), 151-159. doi:10.1590/S1413-82712010000200003.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2018v9n3p03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.