Adoecimento mental em professores brasileiros: revisão sistemática da literatura

Liciane Diehl, Angela Helena Marin

Resumo


A saúde do professor é um tema que adquire crescente relevância científica, pois tal profissão é considerada como uma das mais estressantes. A presente revisão sistemática da literatura analisou produções científicas nacionais publicadas entre 2010 e 2015, com vista a identificar principais sintomas e/ou adoecimentos psíquicos entre professores brasileiros. Recorreu-se às bases LILACS, SciELO, Index Psicologia, Educ@ e PePSIC. Os critérios de elegibilidade e análise seguiram as diretrizes do PRISMA. Dos 97 artigos encontrados, 15 foram analisados, os quais indicaram interesse multidisciplinar pela temática, predominância de estudos descritivos e correlacionais e recorrência de investigações em escolas públicas e de Ensino Fundamental. O principal adoecimento mental investigado é a síndrome de burnout e os sintomas prevalentes foram o estresse e a ansiedade. Espera-se que esses resultados direcionem novas pesquisas e estimulem o planejamento de intervenções eficazes voltadas para a saúde mental de professores.


Palavras-chave


trabalho docente; saúde ocupacional; saúde mental; distúrbios mentais

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, E. R., Nunes, M. F. R., Farah Neto, M., & Abramovay, M. (2004). O perfil dos professores brasileiros: o que fazem, o que pensam, o que almejam/Pesquisa Nacional UNESCO. São Paulo, SP: Moderna.

Barros, M. E., Zorzal, D. C., Almeida, F. S., Iglesias, R. Z., & Abreu, V. G. V. (2007). Saúde e trabalho docente: a escola como produtora de novas formas de vida. Trabalho, Educação e Saúde, 5(1), 103-123. doi: 10.1590/S1981- 77462007000100005

Batista, J. B. V., Carlotto, M. S., Coutinho, A. S., & Augusto, L. G. S. (2010). Prevalência da síndrome de Burnout e fatores sociodemográficos e laborais em professores de escolas municipais da cidade de João Pessoa, PB. Revista Brasileira de Epidemiologia, 13(3), 502-512. doi: 10.1590/S1415- 790X2010000300013

Borsoi, I. C. F. (2012). Trabalho e produtivismo: saúde e modo de vida de docentes de instituições públicas de ensino superior. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 15(1), 81-100. doi: 10.11606/issn.1981-0490.v15i1p81- 100

Brasil. Conferência Nacional de Educação (CONAE) (2014). Construindo o Sistema Nacional articulado de Educação: o Plano Nacional de Educação, diretrizes e estratégias de ação. Recuperado de http://conae2014.mec.gov.br/

Brasil. Ministério da Educação e Cultura. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Recuperado de http://www.mec.gov.br/sef/legisla.shtm

BRASIL. Lei n. 13.005, 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação- PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF. Recuperado em: http://www.senado.gov.br/

Brasil. Ministério da Saúde. (2001). Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Breakwell, G. M., & Rose, D. (2010). Teoria, método e delineamento de pesquisa. In: G. M. Breakwell, C. Fife-Schaw, S. Hammond, & J. A. Smith. (Orgs.), Métodos de pesquisa em psicologia (F. R. Elizalde, Trad.) (3rd ed., pp. 22-41). Porto Alegre, RS: Artmed.

Brum, L. M. et al. (2012). Qualidade de vida dos professores da área de ciências em escola pública no Rio Grande do Sul. Trabalho, Educação e Saúde, 10(1), 125-145. doi: 10.1590/S1981-77462012000100008

Campos, M. O., & Rodrigues Neto, J. F. (2014). Qualidade de vida: um instrumento para promoção de saúde. Revista Baiana de Saúde Pública, 32(2), 232-240.

Caran, V. C. S., Freitas, F. C. T. D., Alves, L. A., Pedrão, L. J., & Robazzi, M. L. D. C. C. (2011). Riscos ocupacionais psicossociais e sua repercussão na saúde de docentes universitários. Revista Enfermagem UERJ, 19(2), 255- 261.

Carlotto, M. S. (2010). Síndrome de Burnout: diferenças segundo níveis de ensino. Psico, 41(4), 495-502.

Carlotto, M. S. (2012). Síndrome de Burnout em professores: avaliação, fatores associados e intervenção. Porto, Portugal: LivPsic.

Carlotto, M. S., & Palazzo, L. S. (2006). Síndrome de Burnout e fatores associados: um estudo epidemiológico com professores. Cadernos de Saúde Pública, 22(5), 1017-1026. doi: 10.1590/S0102-311X2006000500014

Cassandre, M. P. (2011). A saúde de docentes de pós-graduação em universidades públicas: os danos causados pelas imposições do processo avaliativo. Revista Mal Estar e Subjetividade, 11(2), 779-816.

Correia, T., Gomes, A. R., & Moreira, S. (2010). Stresse ocupacional em professores do Ensino Básico: um estudo sobre as diferenças pessoais e profissionais. Actas do VII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia, Portugal, 1477-1493.

Costa, L. S., Gil-Monte, P. R., Possobon, R. D. F., & Ambrosano, G. M. (2013). Prevalência da Síndrome de Burnout em uma amostra de professores universitários brasileiros. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(4), 636-642. doi: 10.1590/S0102-79722013000400003

Cozby, P. C. (2009). Métodos de pesquisa em ciências do comportamento. 4a ed. São Paulo, SP: Atlas.

Cruz, R. M., & Lemos, J. C. (2005). Atividade docente, condições de trabalho e processos de saúde. Motrivivência, 17(24), 59-80.

Dalagasperina, P., & Monteiro, J. K. (2014). Preditores da Síndrome de Burnout em docentes do ensino privado. Psico-USF, 19(2), 263-275. doi: 10.1590/1413-82712014019002011

Davis, A., & Bremner, G. (2010). O método experimental em psicologia. In: G. M. Breakwell, C. Fife-Schaw, S. Hammond, & J. A. Smith. (Orgs.), Métodos de pesquisa em psicologia (F. R. Elizalde, Trad.) (3rd ed., pp. 78-99). Porto Alegre, RS: Artmed.

Diehl, L., & Carlotto, M. S. (2014). Conhecimento de professores sobre a Síndrome de Burnout: processo, fatores de risco e consequências. Psicologia em estudo, 19(4), 741-752. doi: 10.1590/1413-73722455415

do Vale, P. C. S., & Aguillera, F. (2016). Estresse dos professores de ensino fundamental em escolas públicas: Uma revisão de literatura. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, 5(1), 86-94. doi: 10.17267/2317- 3394rpds.v5i1.712

Esteves-Ferreira, A. A., Santos, D. E., & Rigolon, R. G. (2014). Avaliação comparativa dos sintomas da Síndrome de Burnout em professores de escolas públicas e privadas. Revista Brasileira de Educação, 19(59), 987- 1002.

Fiorotti, C., Tomazelli, J., & Malagris, L. (2009). Transtornos mentais comuns em pacientes hipertensos: estudo em unidade de atenção primária à saúde no Rio de Janeiro. Revista APS, 12(3), 318-327.

Freitas, C. R., & Cruz, R. M. (2008). Saúde e trabalho docente. XXVIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Brasil, 1-15.

Giannini, S. P. P., Latorre, M. R. D. O., & Ferreira, L. P. (2012). Distúrbio de voz e estresse no trabalho docente: um estudo caso-controle. Cadernos de Saúde Pública, 28(11), 2115-2124. doi: 10.1590/S0102-311X2012001100011

Gil-Monte, P. R. (2005). El síndrome de quemarse por el trabajo (“Burnout”). Una enfermedad laboral en la sociedad del bienestar. Madrid: Pirámide. Gray, D. E. (2012). Pesquisa no mundo real. Porto Alegre, RS: Penso.

Hypolito, A. M., & Grishcke, P. E. (2013). Trabalho imaterial e trabalho docente. Educação – Revista do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria, 38(2), 507-522. doi: 10.5902/198464448998

Jennings, P. A., & Greenberg, M. T. (2009).The prosocial classroom: Teacher social and emotional competence in relation to student and classroom outcomes. Review of Educational Research, 79(1), 491-525.

Leite, M. P., & Souza, A. N. (2007). Condições do trabalho e suas repercussões na saúde dos professores da educação básica no Brasil - Estado da Arte. São Paulo, SP: Fundacento/Unicamp.

León, G. L. (2011). Los profesionales de secundaria, como factores de riesgo en el síndrome de Burnout. Revista Electrónica Educare, 15(1), 177-191.

Levy, G. C. T., Nunes Sobrinho, F. P., & Souza, C. A. A. (2009). Síndrome de Burnout em professores da rede pública. Production Journal, 19(3), 458-465. doi: 10.1590/S0103-65132009000300004

Lopes, M. C. R. (2006). “Universidade produtiva” e trabalho docente flexibilizado. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 6(1), 35-48.

Ludermir, A. B., & Melo Filho, D. A. (2002). Condições de vida e estrutura ocupacional associadas a transtornos mentais comuns. Revista de Saúde Pública, 36(2), 213-221. doi: 10.1590/S0034-89102002000200014

Maslach, C., Schaufeli, W. B., & Leiter, M. P. (2001). Job burnout. Annual Review Psychology, 52, 397-422. doi: 10.1146/annurev.psych.52.1.397

Matos, M. G. (2004). Psicologia da Saúde, saúde pública e saúde internacional. Análise psicológica, 3(22), 449-462.

Mazzola, J. J., Schonfeld, I. S., & Spector, P. E. (2011). What qualitative research has taught us about occupational stress. Stress and Health, 27(2), 93-110. doi: 10.1002/smi.1386

Moher, D., Liberati, A., Tetzlaff, J., Altman, D. G., & PRISMA Group (2009). Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses: The PRISMA Statement. Annals of Internal Medicine, 151(4), 264-269. doi: 10.1371/journal.pmed1000097

Neves, M. Y. R., & Silva, E. S. (2006). A dor e a delícia de ser (estar) professora: trabalho docente e saúde mental. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 6(1), 63-75.

Oliveira, D. A. (1997). Gestão democrática da educação: desafios contemporâneos. Petrópolis, RJ: Vozes.

Oliveira, D. A., Gonçalves, G. B. B., Melo, S. D. G., Fardin, V., & Mill, D. (2002). Transformações na organização do processo de trabalho docente e suas consequências para os professores. Trabalho & Educação, 11, 51-65.

Oliveira, D. A., Vieira, L. F., & Augusto, M. H. (2014). Políticas de responsabilização e gestão escolar na educação básica brasileira. Linhas críticas, 20(43), 529-548.

Pereira, É. F., Teixeira, C. S., Andrade, R. D., Bleyer, F. T. D. S., & Lopes, A. D. S. (2014). Associação entre o perfil de ambiente e condições de trabalho com a percepção de saúde e qualidade de vida em professores de educação básica. Cadernos de Saúde Coletiva, 22(2), 113-119. doi: 10.1590/1414- 462X201400020002

Pocinho, M., & Capelo, M. R. (2009). Vulnerabilidade ao estresse, estratégias de coping e autoeficácia em professores portugueses. Revista Educação e Pesquisa, 35(2), 351-367. doi: 10.1590/S1517-97022009000200009

Reis, E. J. F. B., Araújo, T. M., Carvalho, F. M., Barbalho, L., & Silva, M. O. (2006). Docência e exaustão emocional. Educação e Sociedade, 27(94), 229- 253. doi: 10.1590/S0101-73302006000100011

Santos, A. A. D., & Nascimento Sobrinho, C. L. (2011). Revisão sistemática da prevalência da Síndrome de Burnout em professores do ensino fundamental e médio. Revista Baiana de Saúde Pública, 35(2), 299-319.

Santos, E. G., & Siqueira, M. M. (2010). Prevalência dos transtornos mentais na população adulta brasileira: uma revisão sistemática de 1997 a 2009. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 59(3), 238-246. doi: 10.1590/S0047- 20852010000300011

Santos, M. N., & Marques, A. C. (2013). Condições de saúde, estilo de vida e características de trabalho de professores de uma cidade do sul do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 18(3), 837-846. doi: 10.1590/S1413- 81232013000300029

Silva, E. P. (2015). Adoecimento e sofrimento de professores universitários: dimensões afetivas e ético-políticas. Psicologia: teoria e prática, 17(1), 61- 71. doi: 10.15348/1980-6906

Silveira, K. A., Enumo, S. R. F., & Batista, E. P. (2014). Indicadores de estresse e estratégias de enfrentamento em professores de ensino multisseriado. Psicologia Escolar e Educacional, 18(3), 457-465. doi: 10.1590/2175- 3539/2014/0183767

Souza, J. C., & Costa, D. S. D. (2011). Qualidade de vida de uma amostra de profissionais de educação física. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 1(60), 23-27. doi: 10.1590/S0047-20852011000100005

Tabeleão, V. P., Tomasi, E., & Neves, S. F. (2011). Qualidade de vida e esgotamento profissional entre docentes da rede pública de Ensino Médio e Fundamental no sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 27(12), 2401- 2408. doi: 10.1590/S0102-311X2011001200011

Turato, E. R. (2005). Métodos quantitativos e qualitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. Revista de Saúde Pública, 39(3), 507-514. doi: 10.1590/S0034-89102005000300025




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2016v7n2p64

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.