Construção de um material educativo para a prevenção do câncer de colo do útero

Natália Britz de Lima, Elisa Kern de Castro, Ana Carolina Peuker, Karine Freire, Caio Marcelo Miolo

Resumo


O câncer de colo de útero (CCU) é o terceiro tumor mais incidente nas mulheres brasileiras, e as ações de prevenção primária podem reduzir a mortalidade pela doença. Profissionais devem buscar meios para que a comunicação em saúde seja efetiva, utilizando metodologias práticas e científicas. O objetivo deste artigo é descrever o processo de elaboração de um material educativo produzido por profissionais da psicologia, enfermagem e design, direcionado a usuárias da atenção básica. O conteúdo do material foi desenvolvido a partir de uma pesquisa empírica sobre as percepções de mulheres e seus comportamentos frente ao CCU. A construção do material baseou-se nas teorias de autorregulação em saúde e no human-centered design. O produto deste estudo foi a confecção de uma cartilha em formato de flor, com quatro histórias que abarcam os principais conteúdos relacionados aos comportamentos de prevenção do CCU. 


Palavras-chave


Educação em Saúde; Promoção da Saúde; Atenção Primária; Percepção da Doença; Câncer

Texto completo:

PDF

Referências


Bish, A., Ramirez, A., Burgess C., & Hunter, M. (2005). Understandig why women delay in seeking help for breast cancer symptoms. Journal of Psychos Research, 58(4), 321-326. doi: 10.1016/j.jpsychores.2004.10.007

Brito-Silva, K., Bezerra, A.F.B., Chaves, L.D.P., & Tanaka O.Y. (2013). Integralidade no cuidado ao câncer do colo do útero: avaliação do acesso. Revista de Saúde Pública, 48(2), 240-248. Recuperado de: http://www.revistas.usp.br/rsp/article/view/81147/84771.

Castro, E.K., Aretz, M., Lawrens, P., Romeiro, F.B., & Haas, S.A. (2013). Illness perceptions in brasilian women whit a cervical cancer, women with a precursory lesions and healthy women. Psicooncología, 10(2-3), 417-423. doi: 10.1590/1678-7153.20

Corazza, C. (2014). Psicoeducação para a prevenção do câncer de colo de útero: Uma Proposta de Intervenção. Dissertação de Mestrado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo.

Coriolano-Marinus, M.W.L., Pavan, M.I., & Bettencourt A.R.C. (2014). Validação de material educativo para alta hospitalar de pacientes com prescrição de oxigenoterapia domiciliar prolongada. Escola Anna Nery, 18(2), 284-289. doi: 10.5935/1414-8145.20140041

Cruz, L., & Loureiro, R. (2008). A comunicação na abordagem preventiva do câncer do colo do útero: importância das influências histórico-culturais e da sexualidade feminina na adesão às campanhas. Saúde & Sociedade, 17(2), 120-131. doi: 10.1590/S0104-12902008000200012

Da Ros, M.A., Maeyama, M.A., & Leopardi M.T. (2012). Tecnologia na área da saúde. De que tecnologia estamos falando? Saúde & Transformação Social, 3(3), 29-35. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/2653/265323673006.pdf

Figueiras, M., Marcelino, D.S., Claudino, A., Cortes, M.A., Maroco, J., & Weinman, J. (2010). Patients’ illness schemata of hypertension: The role of beliefs for the choice of treatment. Psychology & Health, 25(4), 1-11. doi: 10.1080/08870440802578961.

Freitas, R., Waechter, H., Coutinho, S., & Gubert, F. (2014). Design da Informação, Comunicação, Saúde e prevenção das DST/Aids: estudo sistemático. Comunicação e Sociedade, 35(2), 291-314. doi: 10.15603/2175-7755/cs.v35n2p291-314

Fundação Nacional de Saúde. (2007). Diretrizes de educação em saúde visando à promoção da saúde: documento base (2ª ed.). Brasília, DF: FUNASA.

Gonçalves, M., Barbieri, M., & Gabrielloni, M. (2008). Teste de Papanicolaou: construção e validação de material educativo para usuárias de um serviço de saúde. Saúde Coletiva, 20(5), 39-44. Recuperado de: http://www.redalyc.org/pdf/842/84202003.pdf

Green, H.J., Steinnagel, G., Morris, C., & Laakso, E.L. (2014). Health behaviour models and patient preferences regarding nutrition and physical activity after breast or prostate cancer diagnosis. European Journal Cancer Care, 23(5), 640-652. doi: 10.1111/ecc.12190.

IDEO. (2009). The Human Centred Design Toolkit. Londres: IDEO.

INCA. (2016). Câncer Cervical. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: INCA.

Leventhal, H., Benyamini, Y., Brownlee, S., Diefenbach, M., Leventhal, E., & Patrick-Miller, L. (1997). Illness Representations: Theoretical Foundations. In Petrie K., & Weinman, J. Perceptions of Health & Illness (pp. 19-45). London: Harwood Publishers.

Mantenese, J.C. (2008). Câncer Ginecológico: ovário, útero e vagina. In Carvalho, V.A., Franco, M.H., Kovács M.J., Liberato R.P., Macieira R.C., Veit M.T. ..., & Barros L.H. Temas em Psico-Oncologia (pp. 59-66). São Paulo: Summus editorial.

Marques, S.C., Tyrrell, M.A., & Oliveira, D.C. (2013). As práticas educativas na prevenção do HIV/AIDS das usuárias da rede básica de saúde do Rio de Janeiro/Brasil. REME, 17(3), 538-546. doi: 10.5935/1415-2762.20130040

Marteau T., & Weinman J. (2013). Self-regulation and the behavioural response to DNA risk information: a theoretical analysis and framework for current research and future practice. Social Science & Medicine, 62(6), 1360-1368. doi: 10.1016/j.socscimed.2005.08.005

Ministério da Saúde. (2012). Política Nacional de Atenção Básica (1ª ed.). Brasília, DF: DAB.

Ministério da Saúde. (2013). Controle dos cânceres do colo do útero e da mama (2ª ed.). Brasília, DF: DAB.

Ministério da Saúde. (2015). Começa oferta da vacina contra HPV para meninas de 9 a 11 anos. Recuperado de: http://www.brasil.gov.br/saude/2015/03/comeca-oferta-da-vacina-contra-hpv-para-meninas-de-9-a-11-anos

OMS. (2013). Prevenção e controle de amplo alcance do câncer do colo do útero: um futuro mais saudável para meninas e mulheres (1ª ed.). Washington, DC: OPAS.

Reberte, L., Hoga, L., & Gomes, A. (2012). O processo de construção de material educativo para a promoção da saúde da gestante. Revista Latino Americana de Enfermagem, 20(1), 101-108. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n1/pt_14.pdf

Rees, G., Fru, A., Cull, A., & Sutton S. (2004). Illness perceptions and distress in women at increased risk of breast cancer. Psychology & Health, 19(3), 749-765. Recuperado de http://www.phpc.cam.ac.uk/pcu/wp-content/files/2012/01/Paper94.pdf

Pimenta, D.N. (2008). Disseminação de informação sobre dengue: o ergodesign no desenvolvimento e avaliação de material multimídia para educação em saúde. Tese de Doutorado, Fundação Oswaldo Cruz, Belo Horizonte.

Roam, D. (2008). The back of the napkin: solving problems and selling ideas with pictures. New York: Penguin Group.

Santos, A.K., Monteiro, S., & Rozember B. (2009). Significados e usos de materiais educativos sobre hanseníase segundo profissionais de saúde pública do Município do Rio de Janeiro, Brasil. Caderno de Saúde Pública, 24(4), 857-867. doi: 10.1590/S0102-311X2009000400017

Shiloh, S. (2006). Illness Representations, Self-Regulation, and Genetic Couseling: A Theoretical Review. Journal of Genetic Counseling, 15(5), 325-337. doi: 10.1007/s10897-006-9044-5

Shiloh S., Drori E., Orr-Urtreger A., & Friedman E. (2009). Being ‘at-risk’ for developing cancer: cognitive representations and psychological outcomes. Journal of Behavioral Medicine, 32(2), 197-208. doi: 10.1007/s10865-008-9178-z

Tavafian, S.S. (2012). Predictors of Cervical Cancer Screening: An Application of Health Belief Model. Recuperado de: http://www.intechopen.com/books/topics-on-cervical-cancer-with-an-advocacy-for-prevention

White, J. (2006). Edição de design: para designers, diretores de arte e editores - o guia clássico para ganhar leitores. São Paulo: JSN EDITORIAL LTDA; 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2017v8n2p146

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.