A utilização dos mapas afetivos como possibilidade de leitura do território no CRAS

Diego Menezes Augusto, Maria Zelfa de Souza Feitosa, Zulmira Áurea Cruz Bomfim

Resumo


Baseados em pesquisas e em nossa experiência profissional, nos sentimos impelidos a buscar caminhos para o trabalho no CRAS, no processo de territorialização. Nossa proposta visa superar a mera divisão do território e identificação de equipamentos e beneficiários dos programas de transferência de renda, a partir da discussão de metodologias que envolvam profissionais e usuários, embasadas no compromisso ético-político com a comunidade. Assim, encontramos na Psicologia Ambiental estratégias pertinentes a esta empreitada. Objetivamos neste artigo apresentar o Instrumento Gerador dos Mapas Afetivos como método capaz de auxiliar o psicólogo do CRAS, no processo de territorialização. No CRAS, os Mapas Afetivos proporcionam um desenho do território em sua integralidade, visibilizando a relação usuário-ambiente, a partir dos modos como os sujeitos comunitários implicam-se com seu lugar de moradia. 


Palavras-chave


práticas de psicologia; territorialização; afeto

Texto completo:

PDF

Referências


Augusto, D. M. & Bomfim, Z. A. C. (2014, setembro). A utilização dos Mapas Afetivos como instrumento metodológico na atuação do psicólogo no Centro de Referência de Assistência Social. In V. M. Ximenes, (Org.), Psicologia social no mundo atual: desafios, limites e fazeres. Trabalho apresentado na V Conferência Internacional de Psicologia Comunitária, Fortaleza, CE (p.967). Fortaleza: Universidade Federal do Ceará.

Bertini, F. M. A. (2006). Centro de Fortaleza, lugar de transformações: o idoso e os afetos implicados (Dissertação de Mestrado). Recuperado de http://www.pospsi.ufc.br/index.php/dissertacoes/54-dissertacoes-3

Bomfim, Z. A. C., Nobre, B. H. L., Ferreira, T. L. M., Araújo, L. M. A., Feitosa, M. Z. S., Martins, A. K. S.,..., & Farias, N. F. (2014). Affective maps: validating a dialogue between qualitative and quantitative methods. In R. G. Mira & A. Dumitru (Eds), Urban Sustainability: Innovative spaces, vulnerabilities and opportunities (131-147). Coruña: Institute of Psychosocial Studies and Research “Xoan Vicente Viqueira”.

Bomfim, Z. A. C. (2010). Cidade e Afetividade: Estima e construção dos mapas afetivos de Barcelona e de São Paulo. Fortaleza, CE: Edições UFC.

Brasil. (2012). Orientações Técnicas sobre o PAIF: trabalho social com famílias do Serviço de Proteção e Atenção à Família- PAIF (Vol. 1). Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Brasil. (2010). O CRAS que temos, o CRAS que queremos. Orientações técnicas, Metas de desenvolvimento dos CRAS (Vol. 1). Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Brasil. (2009). Orientações Técnicas: Centro de Referência de Assistência Social – CRAS. Brasília: DF: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Carlson, A. C. R. & Pinheiro, L. S. (2013). Práticas intersetoriais: Novos desafios postos aos psicólogos na atual política de assistência social. In L. R. Cruz, L. rodrigues, & N. M. F. Guareschi (Eds.), Interlocuções entre a Psicologia e a Política Nacional de Assistência Social (pp. 103-117). Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Corraliza, J. A. (1998). Emoción y ambiente. In J. I. Aragonés & M. Amérigo (Eds.) Psicologia ambiental (pp. 59-76). Madrid, Espanha: Ediciones Pirâmide.

Dimenstein, M. D. (2013). Práticas psicológicas e políticas públicas: A vida que emerge na diversidade. In L. R. Cruz, L. rodrigues, & N. M. F. Guareschi (Eds.), Interlocuções entre a Psicologia e a Política Nacional de Assistência Social (pp. 8-10). Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Guareschi, P. (2008). Qual a prática da psicologia social da ABRAPSO? In A. V. Zanella, M. J. T. Silqueira, L. A. Lhullier, & I. S. Molon (Eds.), Psicologia e Práticas Sociais (pp. 3-8). Rio de Janeiro, RJ: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Lougon, A. N., Cruz. M. F. S. & Santos, P. A. (2007, agosto). O Território e a Política de Assistência Social. In Anais da III Jornada Internacional de Políticas Públicas: questão social e desenvolvimento no século XXI (pp. 01- 07). São Luís: Universidade Federal do Maranhão.

Martins, M. L. P. (2009). O Processo de Implantação de CRAS na Região da AMEPAR: Refletindo sobre os caminhos da mudança. (Dissertação de Mestrado) Recuperado de http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?view=vtls000151912

Mira, R. G. (1997). La Aportación de la Psicología Ambiental. In R. G. Mira, La ciudad percibida: Una Psicología Ambiental de los Barrios de A Coruña (pp. 23-36). Coruña, Espanha: Servicio de Publicacións. Moser, G. (1998). Psicologia Ambiental. Estudos de Psicologia, 3(1), 121-130. doi: 10.1590/S1413-294X1998000100008

Oliveira, I. F., Solon, A. F. A. C., Amorim, K. M. O., & Dantas, C. M. B. (2011). A prática psicológica na proteção social básica do SUAS. Psicologia & Sociedade, 23(n. esp), 140-149. doi: 10.1590/S0102-71822011000400017

Pereira, T. D. (2010). Política Nacional de Assistência Social e território: enigmas do caminho. Katálysis, 13(2), 191-200. doi: 10.1590/S1414- 49802010000200006

Pol, E. (1996). La apropiación del espacio. In L. Iñigues & E. Pol, Cognición, representación y apropiación del espacio (pp. 45-62). Barcelona, Espanha: Monografies Sócio/ambientais.

Santos, M. (1999). O dinheiro e o território. GEOgraphia, 1(1), 7-13. Recuperado de http://www.uff.br/geographia/ojs/index.php/geographia/article/view/2/2

Sawaia, B. B. (2009). Psicologia e desigualdade social: Uma reflexão sobre liberdade e transformação social. Psicologia & Sociedade, 21(3), 364-372. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v21n3/a10v21n3.pdf

Spinoza, B. (2005). Ética: demonstrada à maneira dos geômetras. São Paulo, SP: Martin Claret.

Wiesenfeld, E. A. (2005) Psicologia Ambiental e as diversas realidades humanas. Psicologia USP, 16(1-2), 53-69. doi: 10.1590/S0103-65642005000100008




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2016v7n1p145

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)