Relação entre a qualidade de vida e o estresse em acadêmicos da área da saúde

Rita de Cassia Calderani Borine, Kátia da Silva Wanderley, Débora Pastore Bassitt

Resumo


O presente trabalho visou compreender a relação entre a qualidade de vida e o estresse em acadêmicos da área da saúde de uma faculdade privada do interior de Rondônia. Participaram 208 alunos, sendo 133 do sexo feminino e 75 do sexo masculino com idades entre 17 a 55 anos. Para atingir a proposta da pesquisa, foi utilizada a escala Whoqol-Bref para avaliar a qualidade de vida e o Inventário de Sintomas de Stress para Adultos para avaliar o nível de estresse. Conclui-se que os acadêmicos com maior nível de qualidade de vida apresentam menores índices de estresse, sendo os acadêmicos do curso de Medicina Veterinária aqueles com maior índice de qualidade de vida e os acadêmicos do curso de Fisioterapia os que apresentam o maior nível de estresse. Observou-se, também, que o sexo feminino apresentou mais níveis de estresse em comparação ao sexo masculino.


Palavras-chave


qualidade de vida, estresse, universitários.

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, K. L. [et al.] (2002). Estresse ocupacional e Síndrome de Burnout no exercício profissional da psicologia. Psicologia Ciência e Profissão, 22(2), 22-29. doi: 10.1590/S1414-98932002000200004

Albuquerque, L. G., & França, A. C. L. (1998). Estratégias de recursos humanos e gestão de qualidade de vida no trabalho: o stress e a expansão do con

Alves, J. G. B., Tenório, M., Anjos, A. G., & Figueroa, J. N. (2010). Qualidade de vida em estudantes de Medicina no início e final do curso: avaliação pelo Whoqol-bref. Revista brasileira de educação médica, 34 (1), 91-96. doi: 10.1590/S0100-55022010000100011

Areias, M. E. Q., & Guimarães, L. A. M. (2004). Gênero e estresse em trabalhadores de uma Universidade Pública do Estado de São Paulo. Psicologia em Estudo, Maringá, 9(2), 255-262. doi: 10.1590/S1413- 73722004000200011

Baker, S. R. (2003). A prospective longitudinal investigation of social problemsolving appraisals on adjustment to university, stress, health and academic motivation and performance. Personality and Individual Differences, 35, 569-591. doi: 10.1016/S0191-8869(02)00220-9

Calais, S. L., Andrade, L. M. B., & Lipp, M. E. N. (2003). Diferenças de Sexo e Escolaridade na Manifestação de Stress em Adultos Jovens. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(2), 257-263. doi: 10.1590/S0102- 79722003000200005

Cerchiari, E. A. N. (2004). Saúde mental e qualidade de vida em estudantes universitários. (Tese de doutorado / UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas). Recuperado de http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000341653&f d=y

Chiapetti, N., & Serbena, C. A. (2007). Uso de Álcool, Tabaco e Drogas por estudantes da Área de Saúde de uma Universidade de Curitiba. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20(2), 303-313. doi: 10.1590/S0102- 79722007000200017

Chiavenato, I. (1989). Recursos Humanos na empresa (1°. Ed.). São Paulo: Atlas.

Christofoletti, G., Trelha, C. S., Galera, R. M., & Feracin, M. A. (2007). Síndrome de burnout em acadêmicos de fisioterapia. Fisioterapia e pesquisa, 14(2), 35-39. doi: 10.1590/fpusp.v14i2.75857

Elias, M. A., & Navarro V. L. (2006). A relação entre o trabalho, a saúde e as condições de vida: negatividade e positividade no trabalho das profissionais de enfermagem de um hospital escola. Revista Latino-americana de Enfermagem, 14(4), 517-525. doi: 10.1590/S0104-11692006000400008

Ferreira, A. B. H. (1986). Novo dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Fleck, M. P. A., Louzada, S., Xavier, M., Chachamovich, E., Vieira, G., Santos, L., & Pinzon, V. (2000). Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida "WHOQOL-bref". Revista Saúde Pública, 34(2), 178-183. doi: 10.1590/S0034-89102000000200012

Inglés, C. J., Hidalgo, M. D., & Méndez, F. X. (2005). Interpersonal difficulties in adolescence: A new self-report measure. Europe na Journal of Psychologycal Assessment, 21(1), 11–22. doi: 10.1027//1015-5759.21.1.11

Klein, M. (1981). Psicanálise da criança. São Paulo: Mestre Jou. Lacaz, F. A. C. (2000). Qualidade de vida no trabalho e saúde/doença. Ciência e Saúde Coletiva, 5(1), 151-161. doi: 10.1590/S1413-81232000000100013

Levi, L. (1999). Guía sobre el estrés relacionado con el trabajo: La “sal de la vida” o el “beso de la muerte?”. Barcelona: Dirección General de Empleo y Asuntos Sociales de la Comisión Europea de Seguridad y Salud en el Trabajo.

Levisky, D. L. (1995). Adolescência – Reflexões psicanalíticas. Porto Alegre: Artes Médicas. Lipp, M.E. N. (1984). Stress e suas implicações. Estudos de Psicologia, (3), 5-19.

Lipp, M. E. N., Romano, A. S. P. F., Covolan, M. A. & Nery, M. I. (1986). Como enfrentar o stress. São Paulo: Ícone.

Lipp, M. E. N., & Guevara, A. J. H. (1994). Validação empírica do Inventário de Sintomas de Stress. Estudos de Psicologia, 11(3), 42-49.

Lipp, M. E. N. (1997). Pesquisas sobre stress no Brasil. Campinas: Papirus.

Lipp, M. E. N., & Tanganelli, M. S. (2002). Stress e Qualidade de vida em Magistrados da Justiça do trabalho: Diferenças entre homens e mulheres. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(3), 537-548. doi: 10.1590/S0102- 79722002000300008

Loureiro, E., Mcintyre, T. Mota-Cardoso, R. & Ferreira, M. A. (2008). A relação entre o stress e os estilos de vida: nos estudantes de medicina da faculdade de medicina do Porto. Acta Med Port, 21, 209-214.

Miguel, F. K., & Noronha, A. P. P. (2007). Estudo dos Parâmetros Psicométricos da Escala de Vulnerabilidade ao Estresse no Trabalho. Revista Evaluar, (7), 1-18.

Minayo, M. C. de S. (1993). O desafio do Conhecimento. São Paulo: Hucitec.

Moraes, L. F. R., Pereira, L. Z., Lopes, H. E. G., Rocha, D. B., Ferreira, S. A. A., & Portes, P. C. P. (2001). Estresse e qualidade de vida no trabalho da polícia militar do Estado de Minas Gerais. Recuperado de http://www.anpad.org.br/admin/pdf/enanpad2001-grt-359.pdf

Neiva, K. M. C. (2000). Escala de maturidade para a escolha profissional (EMEP) PSIC- São Paulo, 1(3), 28-33.

Organização Mundial da Saúde. (2003) Classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde. São Paulo: Edusp.

Orlandino, A. (2008). O stress ocupacional em professores do Ensino Médio (Dissertação de Mestrado em Educação – Universidade do Oeste Paulista – UNOESTE) Presidente Prudente/SP. Recuperado de http://apeclx.unoeste.br/tede/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=123

Pfuetzenreiter, M. R., & Zylbersztajn, A. (2008). Percepções de estudantes de medicina veterinária sobre a atuação na área da saúde: um estudo baseado na idéia de “estilo de pensamento” de Ludwik Fleck. Ciência & Saúde Coletiva, 13(2), 2105-2114.

Rios, O. F. L. (2006). Níveis de estresse e depressão em estudantes universitários. Dissertação de mestrado. Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

Sadir, M. A., Bignotto, M. M., Lipp, M. E. N. (2010). Stress e qualidade de vida: influência de algumas variáveis pessoais. Paideia, 20(45), 73-81. doi: 10.1590/S0103-863X2010000100010

Saupe, R., Nietche, E. A., Cestari, M. E., Giorgi, M. D. M., Krahl, M. (2004). Qualidade de vida dos acadêmicos de enfermagem. Revista Latinoamericana de Enfermagem, 12(4), 636-342. doi: 10.1590/S0104- 11692004000400009

Seidl, E. M. F., & Zannon, C. M. L. da C. (2004). Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Caderno da Saúde Pública, 20(2), 580-588. doi: 10.1590/S0102-311X2004000200027

Selligman-Silva, E. (1995). Psicopatologia e psicodinâmica no trabalho. In: Mendes R. Patologia do trabalho. Rio de Janeiro: Atheneu. 287-310.

Whoqol group (1994). The development of the World Health Organization quality of life assessment instrument (the WHOQOL). In: Orley J., Kuyken W., (editors). Quality of life assessment: international perspectives. Heigelberg: Springer Verlag. p 41-60.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2015v6n1p100

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)