Atitudes frente à avaliação psicológica de candidatos à obtenção e renovação da CNH

Rodolfo Augusto Matteo Ambiel, Jocemara Ferreira Mognon, Fabiana Mitiko Ishizawa

Resumo


O objetivo deste estudo foi verificar as atitudes acerca do processo de avaliação psicológica pericial no trânsito. Participaram da pesquisa 50 candidatos à obtenção da primeira Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e de renovação, que responderam a um Questionário sociodemográfico e a Escala de Atitudes frente ao Serviço de Avaliação Psicológica. Os resultados indicaram que os participantes apresentaram atitudes favoráveis à avaliação psicológica pericial e os candidatos à primeira CNH que atribuíram maior importância ao processo. Diferentemente, os candidatos com Ensino Superior foram os que atribuíram menor importância ao processo. Não foram encontradas diferenças significativas na comparação das variáveis sexo e idade. Foram encontradas correlações estatisticamente significativas e positivas entre os fatores da Escala de atitudes e às variáveis importância, eficiência e notas atribuídas ao processo. Com base nos resultados, infere-se que apesar das queixas sobre a avaliação psicológica pericial, os candidatos avaliados reconhecem a sua importância para o trânsito.


Palavras-chave


psicologia do trânsito; motoristas; avaliação psicológica.

Texto completo:

PDF

Referências


Anache, A. A. (2011). Notas introdutórias sobre os critérios de validação da avaliação psicológica na perspectiva dos Direitos Humanos. Ano da Avaliação Psicológica: Textos Geradores do Conselho Federal de Psicologia. Recuperado em http://www.pol.org.br/pol/cms/pol/publicacoes/publicacoesDocument os/ anodaavaliacaopsicologica_prop8.pdf

Bartilotti, C., Scopel, E. J., & Gamba, P. C. Avaliação Psicológica de condutores de veículos terrestres no Brasil. Ano da Avaliação Psicológica: Textos Geradores do Conselho Federal de Psicologia. Recuperado em http://www.pol.org.br/pol/cms/pol/publicacoes/publicacoesDocument os/anodaavaliacaopsicologica_prop8.pdf

Castilho, J. D., Zambrogno, L. B., Morais, R. A., Penha, P. P. L., & Nascimento, A. S. (2015). Atendimento e Reintegração Psicossocial às Vítimas de Acidentes de Trânsito: relatos de uma experiência. ABRAMET – Associação Brasileira de Medicina de Tráfego, 32(1), 52-57.

Conselho Federal de Psicologia (2003). Resolução nº 002/2003. Recuperado em http://www.pol.org.br/legislacao/pdf/resolucao2003_2.pdf

Duffy, S. P., McLean, S. L., & Monshipouri, M. (2011). Pearson’s r correlation. Recuperado em http://faculty.quinnipiac. edu/ libarts/polsci/Statistics.html.

Furnham, A. (1986). Response bias, social desirability and dissimulation. Personality and Individual Differences, 7, 385- 400. doi: 10.1016/0191-8869(86)90014-0.

Gouveia, V. V., Silva, D. V., Silva, M. P. V., Andrade, M. W. C. L., Filho Silva, B. S., & Costa, D. M. F. (2002). Atitudes frente à avaliação psicológica para condutores: perspectivas de técnicos, estudante de psicologia e usuários. Psicologia Ciência e Profissão, 22(2), 50-59. doi: 10.1590/S1414- 98932002000200007

Hoffmann R. J. A., & Cruz, R. M. (2007). Síntese Histórica da Psicologia do Trânsito no Brasil. In M. H. Hoffmann, R. M., Cruz, & J. C. Alchieri (Eds). Comportamento Humano no Trânsito (pp.15-17). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lamounier, R., & Rueda, F. J. M. (2005). Avaliação psicológica no trânsito: perspectiva dos motoristas. PSIC - Revista de Psicologia da Vetor Editora, 6(1), 35-42.

Noronha, A. P. P., & Reppold, C. (2010). Considerações sobre a avaliação psicológica no Brasil. Psicologia: Ciência e Profissão, 30, 192-201. doi: 10.1590/S1414-98932010000500009.

Pasquali, L., & Alchieri, J. C. (2001). Os testes psicológicos no Brasil. In L. Pasquali (Ed.), Técnicas de exame psicológico – TEP (pp. 195-211). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Rehbein, R. M., & Zacharias, D. G. (2012). A percepção dos candidatos a carteira nacional de habilitação a respeito da avaliação psicológica no trânsito. In R. B. F. Silva & S. V. C. Areosa (Eds), Avaliação Psicológica: Desafios e possibilidades para a psicologia contemporânea (pp. 24-30). Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Resolução do Conselho Nacional de Trânsito - CONTRAN n. º 425/2012, dispõe sobre a avaliação psicológica e o credenciamento dos psicólogos. Recuperado em http://www.denatran.gov.br/download/Resolucoes/(Resolu%C3%A7%C3% A3o%20425.-1).pdf

Rozestraten, R. J. A. (2007). Psicologia do trânsito: conceitos e processos básicos. São Paulo: EPU.

Rueda, F. J. M. (2011). Psicologia do trânsito ou avaliação psicológica no trânsito: faz-se distinção no Brasil? Ano da Avaliação Psicológica: Textos Geradores do Conselho Federal de Psicologia. Recuperado em http://www.pol.org.br/pol/cms/pol/publicacoes/publicacoesDocumentos/ano daavaliacaopsicologica_prop8.pdf.

Santos, A. A. A. (2011). O possível e o necessário no processo de avaliação psicológica. Ano da Avaliação Psicológica: Textos Geradores do Conselho Federal de Psicologia. Recuperado em http://www.pol.org.br/pol/cms/pol/publicacoes/publicacoesDocumentos/ano daavaliacaopsicologica_prop8.pdf.

Silva, F. H. V. C., & Alchieri, J. C. (2007). Avaliação psicológica da personalidade de condutores: uma revisão de literatura. PSICO-USF, 12(2), 189-196. doi: 10.1590/S1413-82712007000200007.

Silva, F. H. V. C., & Alchieri, J. C. (2010). Validade Preditiva de Instrumentos Psicológicos na Avaliação Psicológica de Condutores. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(4), 695-706.

Teixeira, C. A. (2011). Avaliação Psicológica e sua evolução histórica na Psicologia do Trânsito: A eficácia do roteiro de entrevista na obtenção do apto ou inapto. (Monografia). Centro Universitário de Araras Dr. Edmundo Ulson –UNAR. São Paulo: Araras

Urbina, S. (2007). Fundamentos da Testagem Psicológica. Porto Alegre: Artmed.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2015v6n2p18

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)