Escala de autoeficácia acadêmica para o ensino médio: busca de evidências psicométricas

Soely Polydoro, Daniela Couto Guerreiro Casanova

Resumo


Este artigo objetiva apresentar uma adaptação e a busca de evidências psicométricas de uma escala de autoeficácia acadêmica a ser utilizada com estudantes do ensino médio. Participaram 453 estudantes, com idade média de 15,93 (DP 1,2) anos, distribuídos entre as três séries do ensino médio. A escala adaptada, denominada Escala de Autoeficácia Acadêmica para o Ensino Médio, é composta por 16 itens e está organizada em três fatores: autoeficácia para aprender, autoeficácia para atuar na vida escolar e autoeficácia para decisão de carreira. Por meio de análise fatorial exploratória foi verificado KMO = 0,90 e 56,57% da variância explicada. A consistência interna verificada foi 0,88. Essa escala demonstrou boas condições para identificar a autoeficácia acadêmica dos estudantes do ensino médio.


Palavras-chave


autoeficácia; estudantes; ensino médio; motivação.

Texto completo:

PDF

Referências


Abramovay, M., & Castro, M. C. (Orgs.). (2003). Ensino médio: múltiplas vozes. Brasília: UNESCO, MEC. Azzi, R. G., Guerreiro-Casanova, D. C., & Dantas, M. A. (2010). Autoeficácia acadêmica: possibilidade para refletir sobre o ensino médio. EccoS – Revista Científica, 12(1), 51-67.

Azzi, R. G., Guerreiro-Casanova, D. C., & Dantas, M. A. (2014). Autoeficácia acadêmica: percepções de estudantes brasileiros. In R. G. Azzi, & D.A. Vieira (Org.). Crenças de eficácia em contexto educativo (pp. 67–83). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Azzi, R. G., & Polydoro, S. A. J. (2010). O papel da autoeficácia e autorregulação no processo motivacional. In E. Boruchovitch, J. A. Bzuneck, & S. E. R. Guimarães (Org.) Motivação para aprender: aplicações no contexto educativo (pp. 126-144). Rio de Janeiro: Ed. Vozes.

Azzi, R. G., & Polydoro, S. A. J. (2011). Contribuições da Teoria Social Cognitiva de Albert Bandura ao contexto educativo. In R. G. Azzi, & M. H.T.A. Gianfaldoni (Orgs.). Psicologia e Educação (pp. 177-198). (Série ABEP Formação). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Azzi, R. G., Guerreiro-Casanova, D. C., Dantas, M. A., & Maciel, A. C. (2011, July). Academic self-efficacy and learning and study strategies: Brazilian students’ perceptions. Exposed in the 15th Biennial of the international study association on teachers and teaching, Braga, University of Minho, Portugal.

Bandura, A. (1990). Multidimensional scales of perceived self-efficacy. Stanford, CA: Stanford University.

Bandura, A. (1993). Perceived self-efficacy in cognitive development and functioning. Educational Psychologist, 28(2), 117-148. doi: 10.1207/s15326985ep2802_3

Bandura, A. (1997). Self-efficacy: the exercise of control. New York: W. H. Freeman. Bandura, A. (2006). Adolescent development from an agentic perspective. In F. Pajares, & T. Urdan. Self-efficay beliefs of adolescents (pp. 1-43). Connecticut: Information Age Publishing.

Bong, M. (2006). Asking the right question: how confident are you that you could successfully perform these tasks? In Pajares, F., & Urdan, T. Self-efficay beliefs of adolescents (pp.287-305). USA: Information Age Publishing.

Boruchovitch, E., & Bzuneck, J. A. (2010). Motivação para aprender no Brasil: estado da arte e caminhos futuros. In E. Boruchovitch, J. A. Bzuneck, & S. E. R. Guimarães (Orgs.). Motivação para aprender: aplicações no contexto educativo (pp. 231-250). Petrópolis: Vozes.

Choi, N., Fuqua, D. R., & Griffin, B. W. (2001). Exploratory analysis of the structure of scores from the multidimensional scales of perceived selfefficacy. Educational and Psychological Measurement, 61(3), 475-489. doi: 10.1177/00131640121971338

Cozby, P. C. (2003). Métodos de pesquisa em ciências do comportamento (P. I. C. Gomide, & E. S. J. O. Otta, Trads.). São Paulo: Atlas. Dancey, C. P., & Reidy, J. (2006). Estatística sem matemática para a psicologia: usando SPSS para Windows. Porto Alegre: Artmed.

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS. Porto Alegre: Artmed.

Freitas, M. F. R. L. (2011). Autoeficácia: evidências de validade de uma medida e seu papel moderador no desenvolvimento de dotação e talento. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais.

Guerreiro-Casanova, D. C., Dantas, M. A., & Azzi, R. G. (2011). Autoeficácia de alunos do ensino médio e nível de escolaridade dos pais. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 2(1), 36-55. doi: 10.1590/2175- 3539/2014/0183760

Guerreiro-Casanova, D. C., & Polydoro, S. A. J. (2011a). Autoeficácia e integração ao ensino superior: um estudo com estudantes de primeiro ano. Psicologia: Teoria e Prática, 13(1), 75-88.

Guerreiro-Casanova, D. C, & Polydoro, S. A. J. (2011b). Autoeficácia na formação superior: percepções durante o primeiro ano de graduação. Psicologia: Ciência e profissão, 31(1), 50-65. doi: 10.1590/S1414- 98932011000100006

Martinelli, S. C., Bartholomeu, D., Caliatto, S. G., & Sassi, A. de G. (2009). Children’s self-efficacy scale: initial psychometric studies. Journal of Psychoeducational Assessment, 27, 145-156. doi: 10.1177/0734282908325551

Pastorelli, C., Caprara, G. C., Barbaranelli, C., Rola, J., Rozsa, S., & Bandura, A. (2001). The structure of children’s perceived self-efficacy: a cross-national study. European Journal of Psychological Assessment, 17(2), 87-97. doi: 10.1027//1015-5759.17.2.87

Perez, E. R., & Delgado, M. F. (2006). Inventario de autoeficacia para el estudio: desarrollo y validación inicial. Avaliação Psicológica, 5(2), 135-143.

Polydoro, S. A. J., Azzi, R. G., & Vieira, D. (2010). Orientações de construção e aplicações de escalas na avaliação de crenças de autoeficácia. In A. A. A. Santos, E. Boruchovith, E. Nascimento, & F. F. Sisto (Orgs.). Perspectivas em avaliação psicológica (pp. 189-210). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Polydoro, S. A. J., & Guerreiro-Casanova, D. C. (2010). Escala de Autoeficácia na Formação Superior: construção e estudo de validação. Avaliação Psicológica, 9(2), 267-278.

Sá, A. P. (2006). Propriedades psicométricas de uma escala de auto-eficácia acadêmica e suas relações com desempenho estudantil e interação social. Revista brasileira de terapias cognitivas, 2(2), 61-72.

Sposito, M. P. (2008). Algumas reflexões e muitas indagações sobre as relações entre juventude e escola no Brasil. In H. W. Abramo, & P. P. M. Branco (Orgs.). Retratos da Juventude Brasileira, Análises de uma pesquisa nacional. (pp. 87-127). São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

Teixeira, M. L.T. (2011). Juventude, exclusão e processos educativos. In Azzi, R. G., & M. H.T.A.Gianfaldoni (Orgs.). Psicologia e Educação. (p. 239-253). (Série ABEP Formação). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Vieira, D., Caires, S., & Polydoro, S. A. J. (2011, Julho). Escala de autoeficácia na formação superior (AEFS): análise factorial confirmatória. VIII Congresso Iberoamericano de Avaliação e XV Conferência Internacional Avaliação Psicológica: Formas e Contextos, Lisboa.

Zambom, M. P., Azzi, R. G., Polydoro, S. A. J., De Rose, T. M., & GuerreiroCasanova, D. C. (2011, jun.). Relations entre perceptions de la structure de la classe, auto-efficacité, buts d'accomplissement, stratégies d'apprentissage et performance dans un groupe de brésiliens. Congrès 2011 de l'Association Francophone Internationale de Recherche Scientifique en Education (p. 147-151), UNESCO. Paris, França.

Zibas, D. M. L., Ferretti, C. J., & Tartuce, G. L. B. P. (2006). Micropolítica escolar e estratégias para o desenvolvimento do protagonismo juvenil. Cadernos de pesquisa, 36(127), 51-58. doi: 10.1590/S0100-15742006000100004

Zimmerman, B. J., Bandura, A., & Martinez-Pons, M. (1992). Self-motivation for academic attainment: the role of self-efficacy beliefs and personal goal settings. American Education Research Journal, 29(3), 663-676. doi: 10.3102/00028312029003663

Zimmerman, B. J., & Schunk, D. (2003). Albert Bandura: the scholar and his contributions to educational psychology. Educational psychology: A century of contributions. (pp. 431-457). Mahwah, NJ: Erlbaum.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2015v6n1p36

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.