Educação permanente e cogestão: experiência de um grupo gestor em saúde

Diogo Faria Corrêa da Costa, Gisela Cataldi Flores, Tainara Oliveira Andreeti

Resumo


Este texto apresenta um relato de experiência vivenciado por um grupo de trabalhadores do Núcleo Regional de Ações em Saúde da 4ª. Coordenadoria Regional de Saúde da Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul no município de Santa Maria. O artigo apresenta uma experiência de reorganização do processo de trabalho no intuito de enfrentar a histórica fragmentação das ações no campo da gestão em saúde, além de disparar processo de aprendizagem para realizar apoio institucional aos trinta e dois municípios pertencentes à área de abrangência administrativa dessa coordenadoria. Para tanto, apostamos nas estratégias de cogestão e educação permanente em saúde enquanto ferramentas para desencadear processos de mudança e invenção de outros modos de conceber e realizar o trabalho em saúde. Com essa experiência, conseguimos desacomodar lugares instituídos, inventar novas formas de trabalhar em equipe e de maneira interdisciplinar, visando fortalecer esse grupo de trabalhadores e suas práticas. 


Palavras-chave


educação permanente; saúde coletiva; sistema único de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Barros, M. E. B. & Barros, R. B. (2007). A potência formativa do trabalho em equipe no campo da saúde. In Pinheiro, R., Barros, M. E. B. & Matos, R. A. Trabalho em equipe sob o eixo da integralidade: valores, saberes e práticas (p. 75-84). Rio de Janeiro, RJ: CEPESC-IMS/UERJ.

Barros, R. B. (1995). Clínica Grupal. Revista do Departamento de Psicologia da UFF, 7(1), 5-11.

Brasileiro, P. G. L. (2014). O que pode a Educação Permanente em Saúde? Dissertação de mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Campos, G.W.S. (2000). Um método para análise e cogestão de coletivos. São Paulo: Hucitec.

Ceccim, R. B. (2005). Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 9(16), 161-177. doi: 10.1590/S1414-32832005000100013

Cecílio, L. C. O. (2005). É possível trabalhar o conflito como matéria-prima da gestão em saúde? Cadernos de Saúde Pública, 21(2), 508-516. doi: 10.1590/S0102-311X2005000200017

Costa, D. F. C., Paulon, S. M. (2012). Participação social e protagonismo em saúde mental: a insurgência de um coletivo. Saúde em Debate, 36(95), 572-582. doi: 10.1590/S0103-11042012000400009

Cunha, G. & Campos, G.W.S. (2010). Método Paidéia para cogestão de coletivos organizados para o trabalho. ORG & DEMO, 11(1), 31-46.

Escóssia, L. & Tedesco, S. (2009). O coletivo de forças como plano de experiência cartográfica. In Passos, E., Kastrup, V., Da Escóssia, L. Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (p. 92-108). Porto Alegre, RS: Sulina.

Gros F. (2010). Caminhar, uma filosofia. São Paulo, SP: É Realizações Editora, Livraria e Distribuidora Ltda.

Guattari, F. & Rolnik, S. (2010). Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis, RJ: Vozes.

Onocko Campos, R. & Campos, G. W. S. (2008). Co-construção de autonomia: o sujeito em questão. In Campos, G. W. S., Minayo, M. C. S., Akerman, M., Junior, M. D., Carvalho, Y. M. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo, SP: Hucitec.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2015v6n1p119

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)