O papel da supervisão na formação de terapeutas comportamentais: Estudo de caso

Raquel Martins Sartori

Resumo


O processo terapêutico requer do terapeuta habilidades que vão além de conhecimentos teóricos e técnicas, sendo a relação terapêutica uma variável imprescindível para o sucesso da psicoterapia comportamental. A supervisão de atendimentos clínicos é um recurso pedagógico fundamental para o desenvolvimento de habilidades do futuro terapeuta, bem como, para aumentar as condições de oferta de um atendimento psicoterapêutico mais adequado ao cliente. O presente artigo relata uma experiência de supervisão em que o primeiro cliente de uma terapeuta em formação apresentava padrões comportamentais de agressividade. O padrão do cliente produzia comportamentos e sentimentos na terapeuta que dificultavam o progresso e o sucesso terapêutico. A supervisão ocupou assim um papel de analisar e modelar comportamentos da terapeuta como estratégia para aumentar as chances de sucesso do caso. Em resultado às estratégias adotadas em supervisão, houve mudanças no padrão da interação da terapeuta em formação com seu cliente e avanços no caso.

Palavras-chave


supervisão; formação de terapeutas; habilidades terapêuticas

Texto completo:

PDF

Referências


Banaco, R. A. (1993). O impacto do atendimento sobre a pessoa do terapeuta. Temas em Psicologia, 2, 71-79.

Braga, G. L. B. & Vandenberghe, L. (2006). Abrangência e função da relação terapêutica na terapia comportamental. Estudos de Psicologia, 23(3), 307- 314.

Castanheira, S. S. (2002). O primeiro cliente a gente nunca esquece. In H. J. Guilhardi, M. B. B. P. Madi, P. P. Queiroz & M. C. Scoz (Orgs.), Sobre comportamento e cognição: Contribuições para a construção da teoria do comportamento (pp.357-366). Santo André: ESETec.

Falcone, E. M. O. (2006). A dor e a delícia de ser um terapeuta: Considerações sobre o impacto da psicoterapia na pessoa do profissional de ajuda. In H. J. Guilhardi, & N. C. Aguirre (Orgs.), Sobre comportamento e cognição: Expondo a variabilidade (pp.135-145). Santo André: ESETec Editores Associados.

Guilhardi, H. J. (2001). Com que contingências o terapeuta trabalha em sua atuação clínica? In R. A. Banaco (Org.), Sobre comportamento e cognição: Aspectos teóricos, metodológicos e de formação em análise do comportamento e terapia cognitivista. (pp.316-331). Santo André: ESETec Editores Associados.

Guilhardi, H. J. (2002). Autoestima, autoconfiança e responsabilidade. In M. Z. Brandão, F. S. C Conte & S. M. B. Mezzaroba (Orgs), Comportamento humano: Tudo (ou quase tudo) que você precisa saber para viver melhor (pp. 66-98). Santo André: ESETec Editores Associados.

Kohlenberg, R. J. & Tsai, M. (2006) Psicoterapia analítica funcional: Criando relações terapêuticas intensas e curativas. Santo André: ESETec Editores Associados.

Meyer, S. & Vermes, J. S. (2001). Relação terapêutica. In B. Rangé. Psicoterapias cognitivo-comportamentais: Um diálogo com a psiquiatria. Porto Alegre: Artmed.

Neno, S. (2003) Análise funcional: Definição e aplicação na terapia analíticocomportamental. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 5(2), 151-165.

Silveira, J. M. & Kerbauy, R. R. (2000). A interação terapêutica: Uma investigação com base na queixa clínica. In R. Kerbauy (Org), Sobre comportamento e cognição (Vol. 5, pp. 213-221). Santo André: ESETec.

Skinner, B. F. (2003). Ciência e comportamento humano. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1953).

Skinner, B. F. (2004). Sobre o behaviorismo. São Paulo: Cultrix. (Original publicado em 1974). Vandenberghe, L. (1997). Uma abordagem contextual para supervisão clínica. In R. A. Banaco (Org.), Sobre comportamento e cognição: Aspectos teóricos, metodológicos e de formação em análise do comportamento e teoria cognitivista (pp. 496-591). São Paulo: Arbytes.

Velasco, S. M. & Cirino, S. D. (2002). A relação terapêutica como foco da análise na prática clínica comportamental. In A. M. S. Teixeira; M. R. B. Assunção; R. R. Starling & S. S. Castanheira (Orgs.), Ciência do comportamento: Conhecer e avançar (pp. 34-42). Santo André: ESETec.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2014v5n1p96

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)