O novo lugar do pai como cuidador da criança

Sérgio Luiz Saboya Arruda, Manuela Caroline Ferreira Lima

Resumo


Atualmente, observa-se um período de transição e de importantes mudanças no que diz respeito à função parental, à paternidade, aos valores e modos de vida, tanto no contexto individual, como no ambiente da família. Nessa conjuntura, é feito um estudo teórico psicológico, com o objetivo de refletir a respeito da evolução das funções do pai em relação aos papéis na família e enquanto cuidador de seus filhos. O papel paterno tem mudado de um patriarcalismo para o de parentalidade, um conceito mais amplo e contemporâneo. O pai pode estar deixando de ter uma posição secundária em relação à mãe, quer na criação e no desenvolvimento emocional dos filhos, quer pelos benefícios advindos quando se envolve afetivamente como cuidador.

Palavras-chave


paternidade; relação pai-filho; cuidado da criança

Texto completo:

PDF

Referências


Brasileiro, R. de F., Jablonski, B., & Féres-Carneiro, T. (2002). Papéis de gênero, transição para a paternalidade e a questão da tradicionalização. Psico, 33(2), 289-310.

Bustamante, V., & Trad, L. A. B. (2005). Participação paterna no cuidado de crianças pequenas: Um estudo etnográfico com famílias de camadas populares. Cad. Saúde Pública, 21(6), 1865-1874.

Dultra, E. (2008). Licença-maternidade: Um direito da mãe e do pai (Entrevista). IHU Online – Revista do Instituto Humanitas Unisinos. Disponível em: http://www.unisinos.br/ihu/index.php?option=com_noticias&Itemid=18&tas k=detalhe&id=15130. Acesso: 12 jun.2009.

Freitas, W. de M. F., Coelho, E. de A. C., & Silva, A. T. M. C. da (2007). Sentir-se pai: A vivência masculina sob o olhar de gênero. Cad. Saúde Pública, 23(1), 137-145.

Faria, C. A. P. (2002). Entre marido e mulher, o Estado mete a colher: Reconfigurando a divisão do trabalho doméstico na Suécia. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 17(48), 173-231.

Goetz, E. R., & Vieira, M. L. (2007). Diferenças nas percepções de crianças sobre cuidado parental real e ideal quando pais vivem juntos ou separados. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(1), 83-90.

Grossi, M. P. (2007). O pai não está desaparecendo: o que temos é uma transformação de papéis (Entrevista Ainda precisamos de pai? Da paternidade para parentalidade). IHU Online – Revista do Instituto Humanitas Unisinos, 230, 4-7.

Maisonneuve, J. (1977). Papéis e conflitos de papel. In J. Maisonneuve, Introdução à psicossociologia (pp. 60-75). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Negreiros, T. C. de G. M., & Féres-Carneiro, T. (2004). Masculino e feminino na família contemporânea. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 4(1), 34-45.

O’Brien, M. (2005). Shared caring: Bringing fathers into the frame. EOC Working Paper Series. Recuperado em 10 de janeiro de 2009 de: http://www.uea.ac.uk/polopoly _fs/1.73363!shared_caring_wp18.pdf.

Passos, M. C. (2007). A constituição dos laços na família em tempos de individualismo. Revista Mental, V(9), 117-130.

Prado, A. B., Piovanotti, M. R. A., & Vieira, M. L. (2007). Concepções de pais e mães sobre comportamento paterno real e ideal. Psicologia em Estudo, 12(1), 41-50.

Perucchi, J., & Beirão, A. M. (2007). Novos arranjos familiares: Paternidade, parentalidade e relações de gênero sob o olhar de mulheres chefes de família. Psicologia Clínica, 19(2), 57-69.

Silva, M. M. V. de A. (2007). O processo histórico de construção das concepções de paternidade. In J. L. Pereira, C. Fanelli, R. C. Pereira & S. Rios (orgs.), A sexualidade na adolescência no novo milênio (pp. 54-65). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Pró-reitoria de Extensão.

Sutter, C., & Bucher-Maluschke, J. S. N. F. (2008). Pais que cuidam dos filhos: A vivência masculina na paternidade participativa. Psico, 39(1), pp. 74-82.

Wang, M.-L., Jablonski, B., & Magalhães, A. S. (2006). Identidades masculinas: Limites e possibilidades. Psicologia em Revista, 12(19), 54-65.

Winnicott, D. W. (1982). E o pai? In D. W. Winnicott, A criança e o seu mundo (6ª ed., pp. 127-133). Rio de Janeiro: LTC Editora.

Winnicott, D. W. (1990). O ambiente. In D. W. Winnicott, Natureza Humana (pp. 173-180). Rio de Janeiro: Imago Editora.

Winnicott, D. W. (1990). Família. In D. W. Winnicott, Natureza Humana (pp. 57). Rio de Janeiro: Imago Editora.

Winnicott, D. W. (2001). Conversando com os pais (2ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Verdi, M. S. (2007). Os papéis de pai e mãe são muito relevantes (Entrevista Ainda precisamos de pai? Da paternidade para parentalidade). IHU Online – Revista do Instituto Humanitas Unisinos, 230, p. 12-15.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2013v4n2p201

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 Esta obra está licenciada com uma licença Attribution 4.0 International (CC BY 4.0)