Construção e validação de um instrumento para avaliação da regulação emocional

José Maurício Haas Bueno

Resumo


Considerando a inexistência de um instrumento para avaliação de habilidades relacionadas à inteligência emocional (IE) no mercado brasileiro e as relações que a regulação de emoções (uma das habilidades relacionadas com a IE) vem mostrando com critérios externos, esse trabalho propõe a construção e investigação das propriedades psicométricas de um instrumento para avaliação da regulação emocional. Para tanto, foram construídas provas baseadas na técnica do Stroop Emocional, utilizando palavras e imagens como estímulos emocionais e a nomeação de cores como tarefa cognitiva. Esse instrumento foi aplicado a uma amostra de 207 participantes adultos, de ambos os sexos. Uma análise fatorial revelou dois fatores que se estruturaram em função do tipo de estímulo emocional (imagens e palavras), porém esses fatores apresentaram um padrão de correlações neutras com traços de personalidade e raciocínio abstrato. Esses resultados foram discutidos à luz de pesquisas anteriores e caminhos foram apontados para a continuidade do desenvolvimento do instrumento.

Palavras-chave


regulação de emoções; inteligência emocional; inteligência; personalidade

Texto completo:

PDF

Referências


Ashley, V., & Swick, D. (2009). Consequences of emotional stimuli: age differences on pure and mixed blocks of the emotional Stroop. Behavioral and Brain Functions, 5, 14, 1-11.

Bastian, V. A., Burns, N. R., & Nettelbeck, T. (2005). Emotional intelligence predicts life skills, but not as well as personality and cognitive abilities, Personality and Individual Differences, 39, 1135–1145.

Bradley, M. M., & Lang, P. J. (2007). The International Affective Picture System (IAPS) in the study of emotion and attention. In J. A. Coan and J. J. B. Allen (Eds.), Handbook of Emotion Elicitation and Assessment (pp. 29-46). Oxford University Press.

Bueno, J. M. H. (2008). Construção de um instrumento para avaliação da inteligência emocional em crianças. Tese de doutorado, Programa de PósGraduação Stricto Sensu em Psicologia, Universidade São Francisco, Itatiba.

Caruso, D. R., Mayer, J. D., & Salovey, P. (2002). Relation of an Ability Measure of Emotional Intelligence to Personality. Journal of Personality Assessment, 79, 306–320.

Cisler, J. M., Wolitzky-Taylor, K. B., Adams Jr., T. G., Babson, K. A., Badour, C. L., & Willems, J. L. (2011). The emotional Stroop task and posttraumatic stress disorder: A meta-analysis. Clinical Psychology Review, 31, 817–828.

Cobêro, C. (2004). Inteligência emocional: Validade do MSCEIT no contexto organizacional. Dissertação de Mestrado, Universidade São Francisco. Itatiba

Cobêro, C., Primi, R., & Muniz, M. (2006). Inteligência emocional e desempenho no trabalho: Um estudo com MSCEIT, BPR-5 e 16PF. Paidéia, 16(35), 337- 487.

Dantas, M. A. (2004). Evidências de validade do Mayer Salovey Caruso Emotional Intelligence Test (MSCEIT). Dissertação de Mestrado, Universidade São Francisco, Itatiba.

Fava, D. C., Kristensen, C. H., Melo, W. V., & Araujo, L. B (2009). Construção e validação de tarefa de Stroop Emocional para avaliação de viés de atenção em mulheres com Transtorno de Ansiedade Generalizada. Paideia, 19, 159- 165.

Freitas, F. A., & Noronha, A. P. P. (2006). Inteligência emocional e avaliação de alunos e supervisores: Evidências de validade. Psicologia: Teoria e Prática, 8(1), 77–93.

Gotlib, I. H., & McCann, C. D. (1984). Construct accessibility and depression: An examination of cognitive and affective factors. Journal of Personality and Social Psychology, 47, 427-439.

Jesus Jr., A. G. (2004). Estudo de validade e precisão do Mayer - Salovey - Caruso Emotional Intelligence Test. Dissertação de Mestrado, Universidade São Francisco, Itatiba.

Kristensen, C. H., Gomes, C. F. de A., Justo, A. R., & Vieira, K. (2011). Normas brasileiras para o Affective Norms for English Words. Trends in Psychiatry and Psychotherapy, 33(3), 135-146. Acessado em 15 de outubro de 2013 em https://bit.ly/2XhObtk.

Lang, P. J., Bradley, M. M., & Cuthbert, B. N. (2005). International Affective Picture System (IAPS): Affective ratings of pictures and instruction manual. Technical Report A-6. Gainesville: University of Florida. Acessado em 15 de outubro de 2013 em https://bit.ly/3hYpxpC.

Lasaitis, C., Ribeiro, R. L., Freire, M. V., & Bueno, O. F. A. (2008). Atualização das normas brasileiras para o International Affective Picture System (IAPS), Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 30(3), 230-235.

Mayer, J. D., & Salovey, P. (1997). What is emotional intelligence? In: P. Salovey & D. J. Sluyter (Eds.). Emotional Development and Emotional Intelligence: Implications for Educators, (pp. 3-31), New York, Basic Books.

Mayer, J. D., Salovey, P., & Caruso, D. R. (2000). Emotional Intelligence as zeitgeist, as personality, and as mental ability. In: Reuven Bar-On & James D. A. Parker (Orgs.), The handbook of emotional intelligence: theory development, assessment, and applications at home, school, and in the workplace. San Francisco: Jossey-Bass Inc, p. 92-117.

Mayer, J. D., Salovey, P., & Caruso, D. R. (2002). Mayer-Salovey-Caruso Emotional Intelligence Test (MSCEIT) User's Manual. Toronto, Canada: MHS Publishers.

Mayer, J. D., Salovey, P., Caruso, D. R., & Sitarenios, G. (2003). Measuring Emotional Intelligence with the MSCEIT V2.0. Emotion, 3, 97–105.

Mayer, J. D., Caruso, D., & Salovey, P. (1999). Emotional Intelligence meets standards for an intelligence. Intelligence, 27, 267-298.

Nunes, C. H., Hutz, C., & Nunes, M. F. O. (2010). Bateria Fatorial de Personalidade. São Paulo, Casa do Psicólogo.

Palmer, B. R., Gignac, G., Manocha, R., & Stough, C. (2005). A psychometric evaluation of the Mayer-Salovey-Caruso Emotional Intelligence Test Version 2.0. Intelligence, 33, 285-305.

Pelletteri, J. (1999). The relationship between emotional intelligence, cognitive reasoning, and defense mechanisms. Dissertation Abstracts International: Section B: The Sciences & Engineering, 60, 403.

Primi, R., & Almeida, L. S. (2000). Baterias de Provas de Raciocínio (BPR-5): Manual técnico. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ribeiro, R. L., Pompéia, S., & Bueno, O. F. A. (2004). Normas brasileiras para o International Affective Picture System (IAPS): Comunicação breve, Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 26(2), 190-194.

Salovey, P., & Mayer, J. D. (1990). Emotional Intelligence. Imagination, Cognition and Personality, 9, 185-211.

Smith, P., & Waterman, M. (2004). Processing Bias for Sexual Material: The Emotional Stroop and Sexual Offenders. Sexual Abuse: A Journal of Research and Treatment, 16, 163-171.

Zeidner, M., Matthews, G., & Roberts, R. D. (2001). Slow down, you move fast: Emotional Intelligence remains an ‘elusive’ intelligence. Emotion, 1, 265- 275.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2013v4n2p186

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.