Representações sociais da violência em professores da escola pública

Alexandre da Silva de Paula, Sergio Kodato, Francielle Xavier Dias

Resumo


Esta pesquisa, de abordagem qualitativa, foi realizada em uma escola pública, localizada na periferia de uma cidade de médio porte, do interior do Estado de São Paulo. Referenciando-se no método de análise das Representações Sociais, teve como objetivo investigar as concepções e as significações de violência nas escolas, produzidas por professores do Ensino Médio e Fundamental. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semidirigidas em profundidade, com oito participantes escolhidos pelos critérios de disponibilidade e variabilidade do conjunto. As entrevistas foram gravadas, e o material transcrito foi organizado em categorias temáticas, segundo o procedimento da análise de conteúdo. As interpretações e justificativas para os episódios de violência baseiam-se em concepções pré-científicas e constituem um discurso desprovido de autocrítica, caracterizado pela impotência e por um sentido fatalista de futuro, dificultando o enfrentamento e a prevenção.

Palavras-chave


violência escolar; educação pública; representação social

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2013v4n2p240

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.