Práticas ilícitas e seus atores: Um estudo sobre representações sociais

Anna Beatriz Carnielli Howat-Rodrigues, Danielly Bart do Nascimento, Edinete Maria Rosa, Júlio César Pompeu

Resumo


O objetivo do presente artigo foi compreender a representação social de adultos autores de atos infracionais, importante para o levantamento de expectativas sociais construídas nas relações cotidianas. Participaram deste estudo 55 estudantes universitários dos cursos de Direito e Psicologia. Os instrumentos constituíram de questionário sociodemográfico sobre características dos participantes e questionário estruturado de ativação contextual com manipulação de variável econômica bairro (rico X pobre). Utilizou-se teste Qui-quadrado ou o Teste de Fischer a fim de examinar associações entre as variáveis. No geral, os estudantes atribuíram àquele que infringe a lei, cor/etnia parda, sem união estável e sem trabalho, justificando a aceitação de praticar atos ilícitos a partir de fatores socioeconômicos e prevendo a prisão ou a pena prevista em lei como forma de punir. As representações sociais mostram-se perpassadas pelo discurso das classes dominantes pautado numa visão punitiva e vingativa contrário ao discurso de reeducação e inserção social difundida em ambos os círculos acadêmicos.

Palavras-chave


questões sociais; influências sociais; estigma

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-6407.2012v3n1p41

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Estud. Interdiscip. Psicol.
E-mail: revistaeip@uel.br
E-ISSN: 2236-6407
DOI: 10.5433/2236-6407 

 


Esta obra está licenciada com uma licença Creative Commons Atribuição-Não comercial 4.0 Internacional.