A monitoria de ensino na educação superior e seu aspecto colaborativo na formação e no processo ensino-aprendizagem

Fabiana Celeste Boaventura dos Santos, Lúcia Gracia Ferreira

Resumo


O programa de monitoria é considerado uma prática de aproximação com o ensino que subsidia o aluno na produção de conhecimentos. Assim, o objetivo geral deste estudo foi analisar, a partir da experiência vivenciada na monitoria de ensino na educação superior, os aspectos colaborativos referentes à formação e ao processo ensino-aprendizagem. Os objetivos específicos foram: 1) Identificar os aspectos colaborativos referentes à formação e ao processo ensino-aprendizagem vivenciados na monitoria de ensino; 2) Narrar as experiências vivenciadas na monitoria de ensino, enfatizando os aspectos colaborativos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, exploratória, de cunho formativo, realizada com base em memoriais produzidos sobre as experiências vivenciadas durante três semestres no Programa de Monitoria de Ensino de uma Universidade Federal. Verificamos que o programa de monitoria contribui para a formação de futuros professores, promove a iniciação do aluno para a docência, proporciona a ele aprendizagens, tanto para quem ensina quanto para quem aprende. Portanto, fazer parte da monitoria significa tomar posse de um arsenal de possibilidades de experiências.

Palavras-chave


Monitoria; Processo Ensino-Aprendizagem; Formação docente

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BASTOS, M. H. C. O ensino mútuo no Brasil (1808-1827). In: BASTOS, M. H. C.; FARIA FILHO, M. (org.). A escola elementar no século XIX: o método monitorial. Passo Fundo: Ediupf, 1999. p. 95-118.

BELTRAN, J. Concepto, desarrollo y tendencias actuales de la Psicología de la instrucción. In: BELTRAN, J.; GENOVARD, C. (ed.). Psicología de la instrucción: variables y procesos básicos. Madrid: Síntesis-Psicología, 1999. v. 1, p. 19-86.

BERGAMASCHI, M. A.; ALMEIDA, D. B. Memoriais escolares e processos de iniciação a docência. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 29, n. 2, p. 15-41, jun. 2013.

BRASIL. Decreto nº 85.862, de 31 de Março de 1981. Atribui competência às Instituições de Ensino Superior para fixar as condições de Ensino superior para fixar as condições necessárias ao exercício das funções de monitoria e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 1981.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, 1996.

FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

FRISON, L. M. B. Monitoria: uma modalidade de ensino que potencializa a aprendizagem colaborativa e autorregulada. Pro-Posições, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 133-153, jan./abr. 2016.

GILES, T. R. História da educação. São Paulo: EPU, 1987.

HAAG, G. S.; KOLLING, V.; SILVA, E.; MELO, S. C. B.; PINHEIRO, M. Contribuições da monitoria no processo ensino-aprendizagem em enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 61, n. 2, p. 215-220, mar./abr. 2008.

LINS, A. M. M. O método Lancaster: educação elementar ou adestramento?: uma proposta para Portugal e Brasil no século XIX. In: BASTOS, M. H. C.; FARIA FILHO, M. (org.). A escola elementar no século XIX: o método monitorial. Passo Fundo: Ediupf, 1999. p. 73-94.

MANACORDA, M. A. História da educação: da antiguidade aos nossos dias. São Paulo: Cortez, 1989.

MORAES, A. M. A monitoria como espaço de aprendizagem no Instituto Federal Catarinense – Campus Sóbrio. 2011. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal Rural do Rio do Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

MOUTINHO, P. M. N. Monitoria: sua contribuição para o ensino – aprendizagem na Ggraduação em enfermagem. 2015. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2015.

NUNES, J. B. C. Monitoria acadêmica: espaço de formação. In: SANTOS, M. M.; LINS, N. M. (org.). A monitoria como espaço de iniciação à docência: possibilidades e trajetórias. Natal, RN: EDUFRN, 2007. (Coleção Pedagógica, n. 9). p. 45-57.

STEPHANOU, M. Prefácio: nem uma coisa, sem outra ou nenhumas: (Re)invenções e reminiscências escolares: a modo de prefácio. In: FISCHER, B. T. D. (org.). Tempos de Escola. São Leopoldo: Oikos; Brasília: Liber Livros, 2012. (Memórias, v. 3). p. 11-16.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-7939.2019v4n2p247

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Educação em Análise

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Educação em Análise
Issn: 2448-0320
E-mail: educanalise@uel.br

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional