A biblioteca escolar e os contos de fada

Raquel Aparecida Ribeiro Silva, Sueli Bortolin

Resumo


O indivíduo tem, em qualquer faixa etária, o direito à fantasia. Na infância ela favorece a integridade física e emocional, portanto quanto mais cedo a criança tiver contato com os contos de fada, melhor. O objetivo deste artigo é discutir a relevância dos contos de fada na biblioteca escolar para crianças. Acredita-se que os contos de fada ajudam a criança a compreender que a vida é feita de adversidades, sendo necessário enfrentá-las com determinação para que se possa superá-las. O procedimento metodológico escolhido foi a pesquisa bibliográfica, pois ela além de aflorar conhecimentos diversificados, possibilitou a reunião de discursos de diferentes áreas, proferidos, entre outros, por Bortolin (2010) e Caldin (2004), de Biblioteconomia; Bussato (2003) e Carvalho (1984), de Letras; Estés (2000) e Radino (2004), de Psicologia e Rezende (2011); e Silva (2001), de Educação. Conclui-se que, por ser a biblioteca escolar um espaço também de literatura, os profissionais que nela atuam precisam buscar subsídios teóricos e pedagógico ao mediar os contos de fada para que com eles as crianças possam lidar melhor com atribulações e angústias. Demonstra-se, portanto, a imprescindibilidade dos contos de fada.

Palavras-chave


Contos de fada; Biblioteca Escolar; Leitura literária na escola

Texto completo:

PDF

Referências


BORTOLIN, S. A maldição dos livros infantis ou os livros infantis malditos. Infohome. out. 2018. Coluna literatura infantojuvenil. Disponível em: https://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo.php?cod=1159. Acesso em: 10 ago. 2018.

BORTOLIN, S. Mediação oral da literature: a voz dos bibliotecários lendo ou narrando. 2010. 232f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade Estadual Paulista, Marília, 2010.

BUSSATTO, C. Contar e encantar: pequenos segredos da narrativa. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

CALDIN, C. F. A aplicabilidade terapêutica de textos literários para crianças. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, n.18, 2004.

CARVALHO, B. V. A literatura infantil: visão histórica e crítica. 3. ed. São Paulo: Global, 1984.

CHAUÍ, M. Contos de fadas. In: CHAUÍ, M. Repressão sexual: essa nossa (des)conhecida. São Paulo: Brasiliense, 1984. p. 32-54.

CHAVES, S. Conto de fadas: um presente de amor. Londrina: Maxiprint, 2011.

COELHO, N. N. O conto de fadas. São Paulo: Ática, 1987.

COELHO, N. N. O conto de fadas: símbolos mitos arquétipos. São Paulo: DCL, 2003.

ESTÉS, C. P. As palavras são realmente sagradas. In: CARAM, C. A.; MATOS, G. A. Contos e metáforas em terapia. Belo Horizonte: Ateliers e Eventos de Contos, [200?]. (Projeto Convivendo com Arte).

FONSECA, E. N. A biblioteca escolar e a crise da educação. São Paulo: Pioneira, 1983.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KHÉDE, S. S. Personagens da literatura infanto-juvenil. São Paulo: Ática, 1986.

RADINO, G. Contos de fadas e realidade psíquica: a importância da fantasia no desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

RESSURREIÇÃO, J. B. A importância dos contos de fadas no desenvolvimento da imaginação. [19--]. Disponível em: http://www.facos.edu.br/old/galeria/129102010020851.pdf. Acesso em: 30 jul. 2016.

REZENDE, L. A.; CRUZ, F. Leitura e conto de fadas: matéria-prima nos processos de ensino e aprendizagem. In: REZENDE, L. A. (org.). Leitura infanto juvenil: abordagens teórico-práticas. Londrina: Eduel, 2011. p. 43-79.

SCHNEIDER, R. E. F.; TOROSSIAN, S. D. Contos de fadas: de sua origem à clínica contemporânea. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 15, n. 2, ago. 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682009000200009&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 6 nov. 2015.

SILVA, L. P. B. (org.). Bruxas e fadas, sapos e príncipes: contos de fadas em experiências terapêuticas. Rio de Janeiro: Walk, 2006.

SILVA, M. B. C. Contar histórias: uma arte sem idade. São Paulo: Ática, 1986.

SILVA, R. J.; BORTOLIN, S. Das prateleiras às mãos. Revista Pedagógica, Chapecó, n.6, p. 87-97, 2001.

TAPPOLET, Ú. A Terapia através da marionete e do conto. In: CARAM, C. A.; MATOS, G. A. Contos e metáforas em terapia. Belo Horizonte: Ateliers e Eventos de Contos, [200?]. (Projeto Convivendo com Arte).

WITTER, G. P. Pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e busca de informação. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 7, n. 1, p. 5-30, jan./jul. 1990.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-7939.2019v4n1p153

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Educação em Análise

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Educação em Análise
Issn: 2448-0320
E-mail: educanalise@uel.br

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional