O uso de tecnologias digitais na visão de professores em processo de formação

Yara Emilia Arlindo Silva, Diene Eire Méllo, Dirce Aparecida Foletto Moraes

Resumo


O presente estudo teve por objetivo identificar a percepção de professores em formação sobre o uso das tecnologias digitais no processo de ensino e aprendizagem. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa de caráter exploratório, realizada com um grupo de doze estudantes de um Curso de Especialização em Ensino de Ciências Biológicas de uma universidade pública do estado Paraná. Foi utilizado como instrumento de coleta de dados um questionário com questões abertas e fechadas. Adotou-se neste artigo um referencial teórico que nos permitisse analisar as concepções dos participantes a partir de autores como Lévy (1999), Salomon(1992), Cool e Monereo(2010) e Silva (2002; 2010). Constatou-se, por meio da análise dos dados coletados, que os pesquisados apresentam uma concepção de tecnologia ainda muita presa às premissas do passado, considerando como recurso de apoio apenas a fala do professor ou com ênfase no caráter motivacional. Quanto ao uso como ferramenta didática, estes a consideram de grande valia, porém não se sentem integralmente aptos a utilizá-la. Ressalta-se que, apesar dos pesquisados estarem em plena formação, os conteúdos e práticas relativas ao uso das tecnologias não se apresentam como componente curricular no curso em questão, mesmo se tratando de um curso na área de ensino.

Palavras-chave


tecnologias digitais; ensino; professor; ensino de ciências

Texto completo:

PDF

Referências


A TECNOLOGIA serve para despertar o funcionamento da inteligência, diz especialista em educação digital. Pioneiro, Caxias do Sul, 1 dez. 2012. Caderno Educação. Disponível em: http://pioneiro.clicrbs.com.br/rs/geral/cidades/noticia/2012/12/a-tecnologia-serve-para-despertar-o-funcionamento-da-inteligencia-diz-especialista-em-educacao-digital-3968190.html. Acesso em: 27 mar. 2018.

ALMEIDA, M. E. B.; VALENTE, J. A. Tecnologias e currículo: trajetórias convergentes ou divergentes. São Paulo: Paulus, 2011.

BARROS, D. M. V. EAD, tecnologias e TIC: introduzindo os aspectos didáticos e pedagógicos do tema. In: YONEZAWA, W. M.; BARROS, D. M. V. (org.). EAD, tecnologias e TIC. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Oficina Universitária, 2013. p. 35-49. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Publicacoes/af-livro_12__barros-v2.pdf. Acesso em: 3 jan. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Estudo exploratório sobre o professor brasileiro com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2007. Brasília: Inep, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/estudoprofessor.pdf. Acesso em: 8 mar. 2017.

CARVALHO, A. B.; ALVES, T. P. Apropriação tecnológica e cultura digital: o programa “Um computador por aluno” no interior do nordeste brasileiro. Logos: Comunicação e Universidade, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 88-101, 2011. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/logos/article/view/1250/1598. Acesso em: 15 jan. 2017.

CERQUEIRA, S. V. S.; CARDOSO, L. R. Biólogo-professor: relação entre expectativas profissionais e concepções em torno da docência para licenciandos em Ciências Biológicas. Contexto e Educação, Ijuí, v. 25, n. 84, p. 143-160, jul./dez. 2010.

CETIC - CENTRO DE ESTUDOS SOBRE AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO. Pesquisa sobre o uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil. São Paulo: CETIC, 2017. Disponível em: http://cetic.br/media/analises/tic_domicilios_2016_coletiva_de_imprensa.pdf. Acesso em: 12 jan. 2018.

CETIC - CENTRO DE ESTUDOS SOBRE AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO. TIC Educação 2015: apresentação dos principais resultados. São Paulo: CETIC, 2016. Disponível em: http://cetic.br/media/analises/tic_educacao_2015_coletiva_de_imprensa.pdf. Acesso em: 14 jan. 2018.

CEZAROTTO, M. A.; RÜCKL, B. F. N.; BRITO, G. S. A percepção dos professores em relação ao termo tecnologia. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 13., 2017, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: PUCPR, 2017. p. 2540-2553. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/26879_13654.pdf. Acesso em: 8 mar. 2018.

COLL, C.; MAURI, T.; ONRUBIA, J. A incorporação das tecnologias de informação e da comunicação na educação: do projeto técnico-pedagógico às práticas de uso. In: COLL, C.; MONEREO, C. (org.). Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as Tecnologias da Informação e da Comunicação. Porto Alegre: Artmed, 2010. p. 66-93.

COLL, C.; MONEREO, C. (org.). Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as Tecnologias da Informação e da Comunicação. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CONCEIÇÃO, C.; SOUSA, O. Ser professor hoje: o que pensam os professores das suas competências. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, v. 20, n. 20, p. 81-98, ago. 2012. Disponível em: http://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/2939. Acesso em: 12 mar. 2018.

JENICHEN, N. M. Os padrões de competência em TIC para professores estabelecidos pela UNESCO: investigando o desejável e o provável na percepção de docentes do ensino superior de Santa Catarina para o decênio 2014-2024. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2014. Disponível em: https://siaiap39.univali.br/repositorio/bitstream/repositorio/1713/1/Natalia%20Mueller%20Jenichen.pdf. Acesso em: 12 fev. 2018.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. 8. ed. Campinas: Papirus, 2012.

LEITE, G. M. S.; LIMA, F. G. C.; CALDAS, A. J. O ensino de ciências por meio de práticas lúdicas no recreio escolar. Revista da SBEnBio, Niterói, v. 7, p. 2722-2730, out. 2014. Disponível em: https://www.sbenbio.org.br/wordpress/wp-content/uploads/2014/11/R0211-1.pdf. Acesso em: 1 mar. 2018.

LEMOS, A. Cibercultura: alguns pontos para compreender a nossa época. In: LEMOS, A.; CUNHA, P. (org.). Olhares sobre a Cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2003. p. 11-23.

LÉVY, P. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 1999.

LOUZANO, P.; ROCHA, V.; MORICONI, G. M.; OLIVEIRA, R. P. Quem quer ser professor? Atratividade, seleção e formação docente no Brasil. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 21, n. 47, p. 543-568, set./dez. 2010. Disponível em: http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1608/1608.pdf. Acesso em: 14 mar. 2018.

MACHADO, M. J.; KAMPFF, A. J. C. A cultura digital na educação básica: investigação sobre concepções, práticas e necessidades formativas. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 13., 2017, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: PUCPR, 2017. p. 1341-1356. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/26322_14084.pdf. Acesso em: 5 mar. 2018.

MARINHO, S. P. As tecnologias digitais no currículo da formação inicial de professores da educação básica: o que pensam alunos de licenciaturas. Relatório técnico de pesquisa. Programa de Pós-graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica, Belo Horizonte, 2008. Disponível em: http://portal.pucminas.br/imagedb/mestrado_doutorado/publicacoes/PUA_ARQ_ARQUI20120828101647.pdf. Acesso em: 6 jan. 2018.

MARTINEZ, R.; LEITE, C.; MONTEIRO, A. Os desafios das TIC para a formação inicial de professores: uma análise da agenda internacional e suas influências nas políticas portuguesas. Crítica Educativa, Sorocaba, v. 1, n. 1, p. 21-40, jan./jun. 2015. Disponível em: www.criticaeducativa.ufscar.br/index.php/criticaeducativa/article/view/22/169. Acesso em: 8 mar. 2018.

MEIRINHOS, M.; OSÓRIO, A. Práticas educativas com TIC: uma proposta de ação. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, La Coruña, n. 13, p. 120-124, 2015. Disponível em: http://revistas.udc.es/index.php/reipe/article/view/reipe.2015.0.13.452/pdf_380. Acesso em: 20 mar. 2017.

MELLO, D. E.; MORAES, D. A. F.; BARROS, D. M. V. Formação de professores e TIC: em busca de inovações didáticas. In: SOBRAL, M. N.; GOMES, C. M.; ROMÃO, E. (org.). Didática on-line: teorias e práticas. Maceió: EDUFAL, 2017. p. 123-142.

NERI, M. (coord.). Mapa da inclusão digital. Rio de Janeiro: FGV: CPS, 2012.

NICOLACI-DA-COSTA, A. M. (org.). Cabeças digitais: o cotidiano na Era da Informação. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio: Loyola, 2006.

PASSERINO, L. M. Apontamentos para uma reflexão sobre a função social das tecnologias no processo educativo. Revista Texto Digital, Florianópolis, v. 6, n. 1, p. 58-77, 2010.

PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants. On the Orizon, Bradford, v. 9, n. 5, Oct. 2001.

SALOMON, G. Las diversas influencias de la tecnologia em el desarrolo de la mente. Infancia y Apredizaje, Madrid, v. 58, p. 143-159, 1992. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/48400.pdf. Acesso em: 5 mar. 2018.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 24. ed. São Paulo: Cortez, 1991.

SIBILIA, P. Redes ou parede: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SILVA, M. Sala de Aula Interativa. 3. ed. Rio de Janeiro: Quartet, 2002.

SILVA, M. Educar na cibercultura: desafios à formação de professores para docência em cursos online. Revista Digital de Tecnologias Cognitivas, São Paulo, n. 3, jan./jun. 2010. Disponível em: http://www4.pucsp.br/pos/tidd/teccogs/artigos/2010/edicao_3/3-educar_na_cibercultura-desafios_formacao_de_professores_para_docencia_em_cursos_online-marco_silva.pdf. Acesso em: 12 fev. 2018.

SOUSA, R. P.; MOITA, F. M. C. S. C.; CARVALHO, A. B. G. Tecnologias digitais na educação. Campina Grande: EDUEPB, 2011.

TAPSCOTT, D. Geração digital: a crescente e irreversível ascensão da Geração Net. São Paulo: Makron Books, 1999.

WERTHEIN, J. A sociedade da informação e seus desafios. Ciência da Informação, Brasília, v. 29, n. 2, p. 71-77, maio/ago. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v29n2/a09v29n2.pdf. Acesso em: 15 fev. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-7939.2018v3n2p156

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Educação em Análise

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Educação em Análise
Issn: 2448-0320
E-mail: educanalise@uel.br

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional