A escola na visão dos estudantes da educação de jovens e adultos: narrativas e perspectivas

João Davi Avelar Pires, Regina Célia Alegro

Resumo


Tendo por base a valorização e a importância que se tem dado aos conhecimentos prévios, anteriores ao ensino formal, e às narrativas dos estudantes nas últimas décadas, este trabalho apresenta uma sucinta análise de narrativas colhidas entre frequentadores da Educação de Jovens e Adultos (EJA) em cidades do norte paranaense. Tentamos identificar as ideias, concepções e representações que estes possuem sobre a escola e o espaço escolar considerado como ideal, bem como sua finalidade, as relações sociais que se estabelecem e o público para o qual a instituição escolar se destina. Trabalhamos, portanto, com narrativas de estudantes enquanto um tipo de linguagem, escrita, construída através da memória e também de construções e reconstruções pessoais, que podem nos fornecer indícios do que eles pensam e de que tipos de interpretação possuem. Entendemos como característica principal da narrativa seu esforço construtivo, na medida em que pensamentos, interpretações e representações sociais que se encontram presentes na estrutura cognitiva do sujeito devem ser sistematizados e ordenados, numa escrita que faça sentido e que consiga apresentar determinada visão de mundo. Destas narrativas, foram criadas categorias, a partir de aspectos comuns, e divididas por representações sobre a escola, finalidades da escola e relações entre alunos e professores.


Palavras-chave


Escola; Educação de jovens e adultos; Representação social

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Ed. 70, 1977.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário In: GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. Tradução de Frederico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

MATTOZI, Ivo. A história ensinada: educação cívica, educação social ou formação cognitiva? In: CONGRESSO: O ENSINO DA HISTÓRIA: PROBLEMAS DE DIDÁCTICA E DO SABER HISTÓRICO, 1998, Lisboa. Actas... Lisboa: Associação de Professores de História, 1998. (O Estudo da História, n. 3).

MELO, Maria do Céu de. O conhecimento tácito histórico dos adolescentes. 2003. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade do Minho, Braga, 2003.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Revista Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2003.

SÊGA, Rafael Augustos. O conceito de representação social nas obras de Denise Jodelet e Serge Moscovici. Revista Anos 90, Porto Alegre, n. 13, p. 128-133, jul. 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1984-7939.2016v1n1p111

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Educação em Análise

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Educação em Análise
Issn: 2448-0320
E-mail: educanalise@uel.br

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença 
Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.