O IDHM dos municípios brasileiros sob a perspectiva da análise exploratória de dados espaciais

Marcio Marconato, Marcio Henrique Coelho

Resumo


O objetivo do presente estudo foi verificar as alterações na distribuição espacial do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) entre os municípios brasileiros, no período de 1991 e 2010. O indicador, associado a observação de três dimensões, longevidade, educação e renda, permite a visualização de quanto é equânime o progresso de um município. O método de investigação consistiu no emprego da análise exploratória de dados espaciais (AEDE), com a utilização de matrizes de transição aplicadas e apresentadas por Rey (2001). Os resultados mostraram a existência de autocorrelação espacial positiva nos dois anos analisados. A análise da distribuição espacial revelou que 90,7% dos municípios que estavam no agrupamento de baixo desenvolvimento no ano de 1991, permaneceram na mesma situação em 2010. O indicador de educação foi o que mais evoluiu em termos percentuais, embora na condição absoluta tenha se situado abaixo dos indicadores de longevidade e renda. Levando em consideração o porte dos municípios, as unidades com baixa população, localizadas principalmente no Norte e Nordeste apresentaram IDHM abaixo da média nacional. Em relação as capitais brasileiras, os bons níveis de desenvolvimento socioeconômicos, foram observados nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.  

 

ABSTRACT

 

The objective of the present study was to verify the changes in the spatial distribution of the Municipal Human Development Index (IDHM) among Brazilian municipalities in the years of 1991 and 2010. The indicator, associated with three-dimensional observation, longevity, education and income, allows the visualization of how much the progress of a municipality is fair. The research method consisted of exploratory spatial data analysis (AEDE), using transition matrices applied and presented by Rey (2001). The results showed the existence of positive spatial autocorrelation in the two analyzed years. The analysis of the spatial distribution revealed that 90.7% of the municipalities that were in the group of low development in 1991, remained in the same situation in 2010. The indicator of education was the one that evolved more in percentage terms, although in the absolute condition it has below the indicators of longevity and income. Taking into account the size of the municipalities, the units with low population, located mainly in the North and Northeast, and presented IDHM below the national average. In relation to the Brazilian capitals, the good levels of socioeconomic development were observed in the South, Southeast and Central-West regions.

 

Keywords: Public sector; AEDE; clusters; longevity; education; income.


Palavras-chave


Setor público; AEDE; clusters; longevidade; educação; renda.

Texto completo:

pdf

Referências


ALMEIDA, E. Econometria espacial aplicada. São Paulo: Alínea, 2012.

ANSELIN, L. Local indicators of spatial association (LISA). Geographical Analysis, v. 27, n. 2, p. 93-115, 1995.

ANSELIN, L. Spatial econometrics: methods and models. Boston: Kluwer Academic, 1988.

ANSELIN, L. Interactive techniques and exploratory spatial data analysis. Geographical Information Systems: principles, techniques, management and applications, v. 1, p. 251-264, 1999.

BASTOS, C. P.; BRITTO, G. Introdução. In: Agarwala, A. N.; Singh, S. P. (Org). A economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto: Centro Internacional Celso Furtado, 2010.

BATELLA, W. B.; DINIZ, A. M. A. Desenvolvimento humano e hierarquia urbana: uma análise do IDHM entre as cidades mineiras. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 6, p. 367-374, 2006.

CAVALCANTE, A. A.; SILVA, R. G.; ALMEIDA, E. S.; CAVALCANTI, F. C. S. Análise da convergência do Índice de Desenvolvimento Humano na Amazônia Sul-Ocidental no período de 1991 a 2000. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 6, p. 214-238, 2010.

COSTA. A. M. B.; SILVA, F. M.; GOMES, C.; CUELLAR, M. Z.; ALMEIDA, S. A. S.; AMORIM, R. F.; CARVALHO, M. J. M. Comportamento espacial do Índice de Desenvolvimento Humano no Rio Grande do Norte com uso do programa Terra View (desenvolvido pelo INPE). In: XIII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 2007, Florianópolis. Anais... XIII Simpósio Brasileirode Sensoriamento Remoto, 2007.

FURTADO, C. O mito do desenvolvimento econômico. 3 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

JORGE, M. A.; FREI, F.; SALES, J. M. S.; LIMA, B. M. Cálculo e implementação do índice de desenvolvimento da gestão municipal (IDGM) do município de Itabaiana/SE. Planejamento e Políticas Públicas, Brasília, v. 34, p. 9-34, 2010.

LEGALLO, J.; ERTUR, C. Exploratoryspatial data analysisofthedistributionof regional per capita GDP in Europe, 1980-1995. Papersof Regional Science, v. 82, n. 2, p. 175-201, 2003.

LINS, J. G. M. G.; LOURES, A. R.; FILHO, S. C. L.; SILVA, M. V. B. Análise espacial da evolução do índice de desenvolvimento humano nos municípios da região Nordeste. Revista Economia e Desenvolvimento, v. 14, n. 1, 2015.

LORENA, R. B.; BERGAMASCHI, R. B.; LEITE, G. R. Análise exploratória espacial do Índice de Desenvolvimento Humano municipal do estado do Espírito Santo. In: XV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 15., 2011, Curitiba. Anais... São José dos Campos: INPE, p. 4776-4782, 2011.

LOVE, J. A construção do terceiro mundo: teorias do subdesenvolvimento na Romênia e no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1998.

MYRDAL, Gunnar. Teoria econômica e regiões subdesenvolvidas. Rio de Janeiro: Saga, 1965.

PIRAS, G.; LOZANO-GRACIA, N. Spatial J-test: some Monte Carlo evidence. StatisticsandComputing 22, p. 169–183, 2012.

PNUD - PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Índice de desenvolvimento humano. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2015.

ORD, J.; GETIS, A. Local spatial autocorrelation statistics: distributional issues and an application. GeographicalAnalysis, v. 27, n. 1, p. 296-305, 1995.

SANTOS, H. G.; SILVA, J. A. M.; PORTUGAL, J. L. Análise espacial do índice de desenvolvimento humano municipal na região semiárida brasileira. Revista Brasileira de Geomática, v.3, n. 2, p. 70-76, 2015.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Ed. orig. de 1964. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SOUZA, N. J. Desenvolvimento econômico. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

REIS, D. L. P. E.; ALMEIDA, E. S. Análise de convergência do Índice de Desenvolvimento Humano nas microrregiões brasileiras. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS REGIONAIS E URBANOS, 10., 2012. Recife. Anais...X Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, Recife, 2012.

REY, S. J. Spatialempirics for economicgrowthandconvergence. GeographicalAnalysis, v. 33, n. 3, p. 196-2014, 2001.

ROCHA, L. E. V.; GUIGINSKI, J. T. Educação e Índice de Desenvolvimento Humano: uma análise espacial para os municípios da região Nordeste do Brasil. In: XII SEMINÁRIO DA REDE IBEROAMERICANA DE PESQUISADORES SOBRE GLOBALIZAÇÃO E TERRITÓRIO, 12., 2012, Belo Horizonte: CEDEPLAR. Anais...XII Seminário da Rede Iberoamericana de Pesquisadores Sobre Globalização e Território. Belo Horizonte: CEDEPLAR, 2012.

RODRIGUEZ, O. A teoria do Subdesenvolvimento da CEPAL. Rio de Janeiro: Ed. Forense-Universitária, 1981.

VASCONCELLOS, M. A. S.; GREMAUD, A. P.; TONETO JÚNIOR, R. Economia brasileira contemporânea. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-627X.2019v7n2p49

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Economia e Região
E-ISSN: 2317-627X
DOI: 10.5433/2317-627X

Contato: 55-43-3371-4255
E-mail: rer@uel.br