A metodologia do PIB verde como indicador de sustentabilidade: um estudo de caso em uma indústria do setor metal-mecânico catarinense entre 2010 e 2016

Ronaldo Leão de Miranda, Gilberto Friedenreich dos Santos, Eliane Maria Martins, Cristiane Mansur de Moraes Souza

Resumo


O presente estudo tem como objetivo principal identificar o valor e a contribuição do PIB verde, como indicador de sustentabilidade, tendo como estudo de caso uma indústria do setor metal mecânico catarinense, com período de investigação os anos de 2010 a 2016. Para legitimar o objetivo proposto, se utiliza a equação fundamental do PIB verde, adaptando-a para sua mensuração na indústria estudada, possibilitando sua utilização enquanto indicador de sustentabilidade da atividade industrial em questão. Do ponto de vista dos procedimentos metodológicos, trata-se de um estudo exploratório, descritivo, explicativo, bibliográfico, documental e ex post facto. Quanto aos resultados da indústria estudada, tem muito a ser melhorado, pois se nos futuros anos a indústria continuar aumentando seu PIB industrial e o PIB verde permanecer com o percentual de variação médio de 57% em relação ao PIB industrial, conforme os cálculos realizados, a consequência é uma insustentabilidade de sua atividade industrial a médio e longo prazo. Portanto, diante dos resultados e do ponto de vista do desenvolvimento regional, o PIB verde traz não somente o resultado da sustentabilidade empresarial local ou regional, mas sim os resultados do atual cenário produtivo empresarial.

Abstract

 

The main objective of this study is to identify the value and contribution of the green GDP as an indicator of sustainability, having as a case study an industry of the metalworking industry in Santa Catarina, with research period from 2010 to 2016. To legitimize the objective proposed, it is used the fundamental equation of the green PIB, adapting it to its measurement in the studied industry, making possible its use as indicator of sustainability of the industrial activity in question. From the point of view of methodological procedures, it is an exploratory, descriptive, explanatory, bibliographic, documentary and ex post facto study. As for the results of the industry studied, there is much to be improved, since in the future years the industry will continue to increase its industrial GDP and green GDP will remain with the average percentage change of 57% in relation to industrial GDP, according to the calculations, the consequence is the unsustainability of its industrial activity in the medium and long term. Therefore, given the results and from the point of view of regional development, the green GDP brings not only the result of local or regional business sustainability, but the results of the current business productive scenario.

 

Keywords: Environmental degradation, Ecological partner system, Green GDP, Industry of Santa Catarina.

 


Palavras-chave


Degradação Ambiental; Sistema sócio ecológico; PIB verde; Indústria catarinense.

Texto completo:

pdf

Referências


ADJUTO, G. FAO: Falta de água afetará dois terços da população mundial em 2050. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15/04/2017

BIGGS, R.; Schluter, M.; Schoon, M. L. Principles for building resilience: sustaining ecosystem services in Social Ecological Systems. Cambridge: Cambridge University Press. 2014.

BM&FBOVESPA. Relatório Financeiro WEG S.A. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2017;

FENECH, F. C. Presentación y evaluación de la contabilidade social y medioambiental. Curso de verano de la Universidade de Burgo. 2002. Disponível em: . Acesso em 19 nov. 2017.

FUNDACIÓ FÓRUM AMBIENTAL. Agencia Europea Del Médio Ambiente. Barcelona, abril de 2001. Perfil profesional del responsable de medio ambiente en las organizaciones. 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2017.

HAJE, L. Aprovada criação de PIB Verde para avaliar patrimônio ecológico. 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2017.

IGP-M - Índice Geral de Preços do Mercado. Disponível em: . Acesso. 30 set. 2017.

MA - Millenium Assessment. Ecossystem and Human well-being: Current state and trends. Washington, DC: island Press. 2005.

MONTIBELLER FILHO, G. O mito do desenvolvimento sustentável: meio ambiente e custos sociais no moderno sistema produtor de mercadorias. Florianópolis: Editora da UFSC. 2001.

MOTTA, R. S. da. Economia Ambiental. Rio de Janeiro: Editora FGV. 2006.

NOVAES, W. PIB Verde e Índice de Riqueza, bons caminhos. Estadão, 07/05/2015. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2017.

PNUMA – Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Rumo a uma economia verde: caminhos para o desenvolvimento sustentável e a erradicação da pobreza. Press Release United Nations Environment Programme, 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2017.

POLANYI, K. A Grande Transformação. Prefácio de Robert M. MacIver. Nova Iorque: Farrar & Rinehart. 1944.

RAMOS, A. G. A. Síndrome comportamentalista; Política cognitiva; Teoria da delimitação dos sistemas sociais. In: ______. A Nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. Cap. 3, p. 50-68. 1989.

RIBEIRO, M. S; LISBOA L. P. Balanço Social. Revista Brasileira de Contabilidade. Brasília - DF: ano 28, nº 115, p.72-81, jan/fev.1999.

ROMEIRO, A. R. Economia ou economia política da sustentabilidade. In MARY, Peter H. e LUSTOSA, Maria Cecília e Vinha, Valéria da. In: Economia do meio ambiente: Teoria e prática. Rio de Janeir: Elsevier. 2003.

ROSSETTI, J. P. Introdução à Economia. 18. Ed., reest, atual. E ampl. – São Paulo: Atlas. 2000.

SACHS, I. Estratégias de transição para o século XXI: Desenvolvimento e meio ambiente. Tradução Magda Lopes. São Paulo: Studio Nobe. 1993.

SAMAE, Jaraguá do Sul. Disponível em: . Acesso: 15 nov. 2017.

VAN BELLEN, Hans Michael. Indicadores de Sustentabilidade: Uma análise comparativa. 2002. 235 f. Tese (Doutorado) - Curso de Engenharia de Produção, Departamento de Engenharia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2018.

YOUNG, C. E. F; LUSTOSA, M.C.J. Meio ambiente e competitividade na indústria brasileira. Rio de Janeiro: IE-UFRJ. (mimeo). 2000.

YOUNG, C. E. F. Contabilidade Ambiental Nacional: Fundamentos Teóricos e Aplicação Empírica no Brasil in Economia do Meio-Ambiente: Teoria e Prática, São Paulo: Elsevier, 2003.

YOUNG, C. E. F; PEREIRA, A. A; HARTJE, B. C. R. Sistema de Contas Ambientais para o Brasil: Estimativas Preliminares. Texto para discussão IE/UFRJ n. 448, Setembro de 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-627X.2018v6n2p7

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Economia e Região
E-ISSN: 2317-627X
DOI: 10.5433/2317-627X

Contato: 55-43-3371-4255
E-mail: rer@uel.br