Análise ambiental do ciclo de vida do etanol combustível

Sidinei Silvério da Silva, Irene Domenes Zapparoli

Resumo


As atividades humanas de consumo e produção industrial demandam cada vez mais o consumo de energia, o que tem expandido no Brasil a produção do etanol a partir da cana-de-açúcar, com destaque no âmbito mundial, como matriz energética renovável e alternativa aos combustíveis de origem fóssil. O objetivo é analisar o ciclo de vida do etanol hidratado, a partir da cana-de-açúcar. Na metodologia aplica-se a Avaliação de Ciclo de Vida do Centro de Ciência Ambiental da Leiden University (CML) 2000 para do Grupo Santa Terezinha, Paraná, Brasil. Nos resultados a fase agrícola representa o maior impacto ambiental potencial quando confrontada com a etapa industrial e de transporte. As categorias de impacto ficam atreladas às questões de Toxicidade Humana e Ecotoxicidade em Águas Doces. As interferências ambientais da fase agrícola não se manifestam na Depleção da Camada de Ozônio. Os ápices estão na Eutrofização e Depleção da Camada de Ozônio. Conclui-se o etanol hidratado pode ser considerado um combustível renovável, porém, não limpo.

 

ABSTRACT

 

Human activities and industrial production demands more and more energy consumption, which has expanded in Brazil the production of ethanol from sugarcane, especially under such as renewable and alternative energy source fuels fossil. The aim is to analyze environmental management of the production of hydrated ethanol, from cane sugar. The methodological procedures application Life Cycle Analysis from Centre for Environmental Science of Leiden University (CML) in 2000, in the Unit Group St. Terezinha. The results show that the environmental aspects of the life cycle of hydrated ethanol produced, the agricultural phase is relatively the greatest potential environmental impact when confronted with the industrial phase of biofuel. The impact categories are related to issues of human toxicity and ecotoxicity in Freshwater. The agricultural phase of environmental interference not only manifested in the depletion of the Ozone Layer. For the other phases of the product occur, in the categories of eutrophication and depletion of the Ozone Layer. The categories of impact, that the hydrous ethanol may be considered a renewable, but not cleared.

 

Keywords: Cycle Assessment. Ethanol fuel. Sugarcane Industry. Method CML 2000


Palavras-chave


Ciclo de vida; Etanol; Agroindústria canavieira.

Texto completo:

pdf

Referências


ACV BRASIL. 2010. Avaliação do Ciclo de Vida com SimaPro. Treinamento realizado em outubro de 2010, Curitiba-PR.

AGUIAR, A. N. Colheita mecanizada de cana resulta em ganho ambiental. 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2011.

ANGARITA, E. E. Y. Avaliação do impacto energético e ambiental da cogeração no balanço energético e no ciclo de vida do biodiesel de óleo de palma africana. Dissertação de Mestrado. UNIFEI/Engenharia Mecânica. 2008.

ALCOPAR. Histórico da produção no Paraná. 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 14040: gestão ambiental: avaliação do ciclo de vida – princípios e estrutura. Rio de Janeiro, 2001, 10 p.

BRASIL. MCT. Ministério da Ciência e Tecnologia. Efeito Estufa e a Convenção Sobre Mudança do Clima. Rio de Janeiro: BNDES, Departamento de Relações Institucionais, 1999. 38p.

BRASIL. MDIC. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Álcool Combustível. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2009a.

BRASIL. MRE. Ministério das Relações Exteriores. A História Política e o Uso de Etanol como Combustível. Disponível em: < http://www.h2brasil.com/parte-2/2-3-2 >. Acesso em: 15 out. 2009b.

BRASIL. Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 3 ago. 2010a.

BRASIL. MAPA. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Anuário de Agroenergia 2010b. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2011.

BRASIL. MME. Ministério das Minas e Energia. Balanço Energético Nacional (BEN) 2011. Disponível em: < http://zip.net/bffxby>. Acesso em: 15 jan. 2011.

DIAS, G. L. S.; et. al. Modelo de Intervenção Mínima para o Setor Canavieiro. In: MORAES, M. A. F. D.; SHIKIDA, P. F. A. (Org.) Agroindústria Canavieira no Brasil: Evolução, Desenvolvimento e Desafios. São Paulo: Atlas, 2002.

FERREIRA, José Vicente Rodrigues. Análise de Ciclo de Vida dos Produtos. Gestão Ambiental. Instituto Politécnico de Viseu, 2004.

GAZZONI, D. L. Álcool – Etanol Brasileiro. 2006. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2011.

GATTI, J. B. et al. Reciclagem de Embalagem em Termos de ACV – Estudo de Caso. In:

GOEDKOOP, M. The Ecoindicator 95 Final Report. Pré Consultants, Amersfoort, The Netherlands, 1998.

ISO 14040: Environmental management - Life cycle assessment: Principles and framework. Switzerland: International Organization for Standardization, 2006.

ISO 14044: Environmental management - Life cycle assessment: Requirements and guidelines. Switzerland: International Organization for Standardization, 2006.

JORNAL CANA. Dados. Disponível em: . Acesso em 23 nov. 2011.

LIMA, A. M. F. Avaliação do ciclo de vida no Brasil – inserção e perspectivas. Dissertação de Mestrado. UFBA/Mestrado Profissional em Gerenciamento e Tecnologias Ambientais no Processo Produtivo – Escola Politécnica, 2007.

LOPES, J. F. et al. Análise do ciclo de vida de produtos como técnica de apoio a gestão ambiental e industrial. UTFPR – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2002.

MORAES, M. A. F. D.; SHIKIDA, P. F. A. (Org.) Agroindústria Canavieira no Brasil: Evolução, Desenvolvimento e Desafios. São Paulo: Atlas, 2002.

OLIVEIRA, J. Poluição custa US$ 1 bilhão por ano no país. São Paulo: USP, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2012.

OMETTO, A. R. Avaliação do Ciclo de Vida do Álcool Etílico Hidratado Combustível pelos Métodos EDIP, Exergia e Emergia. Tese de Doutorado Escola de Engenharia - USP, São Carlos, 2005.

PEREIRA, M. B. G, ; GUTIERREZ, S. O Mecanismo de Desenvolvimento Sustentável Brasileiro. Texto para Discussão n. 1443. IPEA. Brasília, dez. 2009.

PRé. User Manual. Introduction into LCA methodology and practice with SimaPro 7. PRé Consultantes, Amersfoort, Netherlands, 2011.

RAMÃO, F. P.; SCHNEIDER, I. E.; SHIKIDA, P. F. A. Padrão tecnológico no corte de cana-de-açúcar: um estudo de caso no Estado do Paraná. Revista de Economia Agrícola, São Paulo (SP), v.54, n.1, p.21-32, jan./jun., 2007.

SÃO PAULO. Lei nº 11.241: dispõe sobre a eliminação gradativa da queima da palha da cana-de-açúcar. São Paulo, 2002.

SHIKIDA, P. F. A. et al. Impactos das transformações institucionais e do progresso técnico nos fornecedores de cana do Paraná. In:_____; STADUTO, J. A. R. (Orgs.) Agroindústria canavieira no Paraná: análises, discussões e tendências. Cascavel: Coluna do Saber, 2005. 168 p.

___. Etanol combustível e biodiesel no Brasil: quo vadis? Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v.45, n.03. p.531-565, Jul./Set., 2007.

¬¬___. Um estudo das deliberações da câmara setorial do açúcar e do etanol usando análise de correspondência. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v.47 n.01 p.183-210, Jan./Mar., 2009.

___. AZEVEDO, P. F.; VIAN, C. E. F. . Uma análise das capacidades tecnológicas da agroindústria canavieira em Minas Gerais. Revista de Economia e Agronegócio, v. 8, p. 251-277, 2010.

___. A agroindústria canavieria no Paraná: perdendo posição relativa. Boletim do Conselho Regional de Economia do Paraná, abril de 2012.

SILVA, M. A. R. Economia dos recursos naturais. In: MAY, P. H.; LUSTOSA, M. C.; VINHA, V. (Org.) Economia do meio ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

SOARES, S. R.; et al. Análise do cilco de vida de produtos cerâmicos da indústria de construção civil. Anais do XXVIII Congreso Interamericano de Ingeniería Sanitaria y Ambiental. Cancún, México, 2002.

SZMRECSÁNYI, T. Efeitos e Desafios das Novas Tecnologias na Agroindústria Canavieira. MORAES, M. A. F. Dias de; SHIKIDA, P. F. A. (Org.) Agroindústria Canavieira no Brasil: Evolução, Desenvolvimento e Desafios. São Paulo: Atlas, 2002b, 367 p.

TETTI, L. M. R. Protocolo de Kyoto: oportunidades para o Brasil com base em seu setor sucroalcooleiro: um pouco da história da questão “mudanças climáticas e efeito estufa”. In: MORAES, M. A. F. Dias de; SHIKIDA, P. F. A. (Org.) Agroindústria Canavieira no Brasil: Evolução, Desenvolvimento e Desafios. São Paulo: Atlas, 2002, 367 p.

THOMAS, Janet M.; CALLAN, Scott J. Economia Ambiental: aplicações, políticas e teoria. São Paluo: Cengage Learning, 2016

TRAPÉ, A. Z. Efeitos Toxicológicos e Registro de Intoxicações por Agrotóxicos. Departamento de Medicina Preventiva e Social. Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, 2010. Disponível em: < http://www.feagri.unicamp.br/tomates/pdfs /eftoxic.pdf >. Acesso em 15 jun. 2012.

ÚNICA. UNIÃO DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA DE SÃO PAULO 2011. Dados agregados. Disponível em: . Acesso em: 1 out. 2011.

USACUCAR. USINA SANTA TEREZINHA. 2011. Dados. Disponível em: . Acesso em 15 out. 2011.

VIEIRA, G.; SIMON, E. Possíveis impactos da mecanização no corte de cana-de-açúcar em consequência da eliminação da queima da palha. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 43., Ribeirão Preto, 2005. Anais. Ribeirão Preto: SOBER, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-627X.2017v5n2p129

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Economia e Região
E-ISSN: 2317-627X
DOI: 10.5433/2317-627X

Contato: 55-43-3371-4255
E-mail: rer@uel.br