A desindustrialização no Brasil e a doença holandesa: uma revisão da literatura

Dalton Tria Cusciano

Resumo


Este trabalho apresenta um panorama teórico-conceitual que correlaciona as variáveis desindustrialização e re-primarização da pauta exportadora com a ducht disease. A metodologia utilizada foi à revisão sistemática identificando e avaliando os estudos integrantes das bases de dados da Scientific Electronic Library Online e do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior do Ministério da Educação, constantes nos sistemas até 30 de setembro de 2017, tendo-se utilizado como critério selecionador, o termo “doença holandesa” e a revisão por pares. Os dados coletados identificaram argumentos favoráveis e contrários à presença da doença holandesa na economia brasileira. Apesar disso os resultados revelam que as bases de dados utilizadas pelas correntes são distintas, o que não permite afirmar se existe ou inexiste doença holandesa no Brasil. Dentre os argumentos favoráveis à presença da doença holandesa, encontram-se linhas teóricas que vinculam a persistente apreciação da moeda nacional com a reprimarização da pauta de exportações, o que desencadearia a desindustrialização da economia. Já os argumentos contrários à existência da doença no Brasil indicam que os postos de trabalho no ramo industrial permaneceram estáveis, que a pauta de exportações não sofreu alterações significativas recentemente, que a indústria de transformação manteve um nível de participação média anual no Produto Interno Bruto e que os setores de elevada e média-elevada tecnologia tiveram significativo crescimento.

Palavras-chave


Doença Holandesa; Desindustrialização; Revisão Sistemática.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2317-627X.2018v6n2p141

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Economia e Região
E-ISSN: 2317-627X
DOI: 10.5433/2317-627X

Contato: 55-43-3371-4255
E-mail: rer@uel.br